“Mudanças” na cozinha

Nesses dias em que me dei “folga” de blog, não fiquei à toa: resolvi mudar alguns detalhes na cozinha.
Mexi, mexi e, depois de tudo menino olhou e disse: “não mudou nada!”
Na verdade, estava certo. Mudança, mesmo, se resolvesse adotar um estilo mais limpo.
Já fui criticada por não seguir regras, estilos, por misturar muitas referências diferentes, enfim, admito que minha minúscula cozinha pode parecer meio caótica. Mas gosto, assim.
Pode ser que um dia mude( e estou aberta a isso, conforme tratei no post anterior) e deixe-a bem básica, quem sabe?…
Enquanto isso não acontece, eu me divirto.
Então, entre e sinta-se à vontade!
DSC02009
Fiz uma aplicação de tecido adesivo no azulejo sobre a pia:
DSC01956
DSC01963
Porque amo quadrinhos!
DSC01954
A parede ganhou pratos:
DSC01995
O balcão também sofreu pequenas mudanças:
DSC02001
Com as sobras do tecido adesivo montei um quadrinho:
DSC02024
Na aplicação destes pequenos pratos( cerâmica sobre vidro) usei adesivo de silicone( você pode encontrá-lo, em qualquer loja de material de construção. Uso, também, para colar ganchos em pratos).
DSC01982
DSC01985
DSC01987
DSC01979
Comprei a placa de metal, com propaganda antiga, numa das idas à loja da Granado, no Rio de Janeiro.
DSC01975
Outro cantinho, que arrumei:
DSC01977
Um nicho, para acomodar parte dos livros de culinária.
DSC01971
O gatinho era uma peça kitsch que eu pretendia personalizar há tempos.
Reparando bem, achei que era a cara da minha extinta gatinha, a Maizena.
Camuflagem: Maizena no edredom
Resolvi prestar-lhe uma homenagem, mantendo-a em lugar de destaque.
DSC01929
Outra vez, o adesivo de silicone ajudou-me a fixar colher de pau e caneca de esmalte, nas mãos da Maizena.
Quem se interessou pelo adesivo que imita ladrilhos, poderá encontrá-lo aqui: Divina Chita.

A cozinha mostrada no post do site é de uma amiga virtual, a Margarete Aguiar, do blog Escolhas a Guiar.

Leia Mais

Mudanças à vista…

A notícia foi discretamente publicada no blog do Centro de Estudos Borjanos, início de agosto, mas em pouco tempo estourou na mídia e redes sociais do mundo inteiro: a “restauração’ feita por uma octagenária estragara o afresco “Ecce Homo”, pintado no século XIX por Elías Garcia Martinez, numa das paredes do Santuário da Misericórdia de Borja, Espanha.
Idosa tenta recuperar pintura do século 19 e acaba estragando a tela. Na montagem, é possível ver a pintura em boas condições (esq.), a obra danificada pelo tempo (meio), e, por fim, a "restauração" feita pela idosa (dir.)

Na montagem é possível ver a pintura em boas condições (esq.), a obra danificada pelo tempo (meio) e, por fim, a danificada pelas mãos da idosa de Borja(dir.). (Mais imagens e informações a respeito, aqui.)
Pode-se constatar que nem toda mudança é aceita, compreendida, bem-vinda, ainda que,  movida por boas intenções.
A mudança desejada, nesse caso específico: restaurar a pintura ao seu estado original, dessa vez, com a intervenção de especialistas no assunto.
Mas, tirando-se o patrimônio histórico, nada tem a obrigação de permanecer como está.
Relembrando post anterior em que citei um artigo do Eugênio Mussak “É errando que se aprende“: “a humanidade evoluiu, antes mesmo da ciência existir, a partir das tentativas, errando muito e acertando às vezes.”
Imagem do afresco "restaurado" por idosa na Espanha, ganha inúmeras versões na internet
A velhinha de Borja com certeza aprendeu! Pelo menos, como não restaurar uma pintura!
No entanto, tendemos a ser refratários a mudanças pelo simples fato de assumir riscos, ao tentar empreendê-las.
Temendo insucesso, frustração, muitas vezes optamos pela segurança do que já é conhecido e, acomodamo-nos.

Quando comecei o blog( há quase 4 anos) estava num período de mudanças, na vida pessoal e profissional. Minha casa pedia transformações urgentes e dei ouvidos porque havia um clamor íntimo, muito mais eloquente! Então, coloquei a mão na massa, nas tintas, pincéis, furadeira, martelo…pesquisei na internet ideias que me inspirassem e, dentro do que me foi possível fazer sozinha, fiz.
Mas na vida, assim como nos games, as fases mudam. Às vezes, mudam-nos.
Nesse período de tempo adotei gatos, perdi gatos, larguei um emprego, engordei, meu filho mais velho entrou na faculdade, o do meio viajou para a Alemanha, o mais novo tá virando um rapaz( ontem, completou 13 anos!). O do meio, que ficaria fora apenas 1 ano, agora já pensa em estender os estudos por lá, talvez, por mais 3 anos! Tantas reviravoltas que, ficamos até atordoados! Mas nesse caso “proteção desprotege”, já dizia Erasmo Carlos:
“Ei, mãe, não sou mais menino
Não é justo que também queira parir meu destino
Você já fez a sua parte me pondo no mundo
Que agora é meu dono, mãe…”
O jeito é adaptar-nos. Tentando, mesmo que, falhando às vezes.

Havia reformado a casa; algumas coisas, pelo menos. Chegara a hora de me reformar( e isso parece até slogan de propaganda política)!
“Toda reforma interior e toda mudança para melhor dependem exclusivamente da aplicação do nosso próprio esforço.” (Immanuel Kant)

(Treino funcional, em Santa Teresa.)
Em 1 ano mudei a dieta, intensifiquei treinos e exercícios, perdi 9Kg, ganhei massa magra, corri uma meia maratona, preparando-me para a segunda, domingo que vem…o que demanda tempo e esforço.
Lembrando que este é um blog pessoal, portanto, em constantes mudanças, inclusive, de humores. Pode até ser que, como na “reforma” de Borja, não tenha sido para melhor, principalmente, para o leitor.
Evidente: antes, as atualizações eram praticamente diárias, agora, 1-2 x/semana. Não é o ideal mas, o real. O que tenho dado conta: “dentro do que me é possível fazer sozinha, faço“.
Essa passagem talvez não tenha sido muito bem compreendida e aceita, por muitos que acompanham o blog há mais tempo. Entendo. Normal ser cobrada, ainda que, de forma carinhosa: “ah, mas eu preferia, quando…”
Citando novamente Erasmo:
“…quem tá na chuva tem que se molhar
No início vai ser difícil
Mas depois você vai se acostumar.”
(Tô contando com isso!…)
Mencionado no post anterior, um lugar que resume essa minha inquietude e necessidade de mudanças é a cozinha: ela já foi branca, amarela…

Turquesa…mas, “nada é permanente, exceto a mudança.”(Heráclito)

Pode ser que eu não tenha mudado, tanto assim…

Leia Mais

Compartilhando a mancada

Confesso que, até então, o natal ainda não havia me contagiado. Mas hoje, circulando por alguns blogs deu uma vontade louca de largar tudo e correr para a cozinha, preparar quitutes de encher os olhos e a barriga!
Porque natal tem tudo a ver com comida feita em casa: casa de mãe, casa de avó, onde costumávamos passar a data quando pequenos, com toda a grande família reunida. As tias na cozinha e as crianças, correndo de um lado para o outro: tudo era festa ! Lembro até hoje das rabanadas e bolinhos de bacalhau da minha avó, uma legítima portuguesa: têm sabor de infância.

Então, o bichinho do natal picou-me, tardiamente, admito. Resta saber se, em apenas dois dias, consegurei fazer alguma coisa.
Hoje não tive muito tempo mas, queria muito aproveitar umas frutinhas vermelhas guardadas na geladeira: nessa época do ano elas costumam aparecer no hortifruti.
Resolvi testar uma receita da amiga “bombril 1001 utilidades” Ana Sinhana: um bolo com blueberries. É simples, básico, digno: à base de leite, ovos, manteiga e frutas vermelhas( ou azúis).
Piquei umas cerejas frescas, amoras e blueberries. No lugar do leite usei iogurte e raspinhas de limão siciliano.
A massa ficou linda e eu, tão entusiasmada, logo a espalhei nas forminhas de muffins e levei a assar.
Mal virei as costas, lembrei de um detalhe importante: esquecera de acrescentar os ovos, que a receita pedia.
Putz!
Imediatamente, tirei tudo do forno e das fôrmas! Deixá-los como estavam era um risco; tirá-los, outro, maior ainda. Resolvi encarar.
Depois dos ovos, voltaram ao forno.

O resultado não ficou tão bom quanto esperava, mesmo assim, não decepcionou:Muffin de frutas vermelhas

Muffin de frutas vermelhas
Muffin de frutas vermelhas
Muffin de frutas vermelhas
A massa não cresceu tanto pois o fermento já tinha sido ativado quando, apressadamente fora retirada do forno.
Mas a receita vale muito a pena porque se, mesmo dando errado deu certo, imaginem, quando a cozinheira acerta!
Muffin de frutas vermelhas
Aproveitei para mostrar o novo prato de bolos, com carinha vintage.
Muffin de frutas vermelhas
E o novo quadrinho na cozinha, com receita ilustrada:
DSC08158

A receita é da Paula Simões, The Cookie Shop, e a ilustração, da Marília Simões, do The Cake is on the Table.

Pelo sobrenome, suponho que as duas sejam irmãs.
A Paula é confeiteira e escritora de mão cheia. Quando crescer, quero ter um site tão lindo quanto o dela, além aprender a fazer aquelas fotos maravilhosas que nos fazem babar, só de olhar!
A Marília é a designer por trás da loja The Cake is on the Table e a responsável por todas as ilustrações do site, uma graça! Vale uma visitinha porque, além de ser uma viagem lúdica, os móveis transformados e disponibilizados na loja são lindos!
DSC08160
Outra pequena mudança na cozinha:
DSC08161

O adesivo na geladeira é da I-Stick.

Leia Mais