Bolo formigueiro de beterraba e sementes

Depois de um fim de semana ensolarado e, estranhamente quente para dias de outono, a terça-feira estreou com chuva, frio e folga de trabalho.
Redescobri um outro livro de receitas da Larousse, que estava esquecido na estante da minha sala:

Parece que em dias mais frios, nossa barriga pede: “Dê-me comida!” E são carboidratos que povoam nossos desejos: bela cilada pra ganhar peso!
Não, que a sugestão não seja calórica, mas grudei os olhos neste bolo e surtei!:

Não sou muito fã de beterraba, mas em dias de treinos mais longos e puxados rendi-me às facilidades de uma centrífuga: pela manhã faço um suco “supermegaplusenergéticodetox” com cenoura e/ou beterraba, um pedaço de inhame, couve e/ou pepino, maçã, um pedaço de gengibre; depois espremo 1 laranja e acrescento 1/2 caixinha de água de coco. Acompanho com um pedaço de batata doce assada, ou um sanduíche de queijo e peito de peru. Não é receita mágica mas, no meu caso, ajuda.
Outro dia acompanhava o programa da Fátima Bernardes( cada vez mais bonita e, à vontade!) que tratava sobre obesidade infantil; uma endocrinologista deu dicas de como ensinar os filhos a comerem bem.
Tudo começa com o ( bom) exemplo dos pais, além de persistência e paciência.
Felizmente já passei dessa fase e, aqui em casa, todo mundo come de tudo sem reclamar, mas a especialista frisou que se deve oferecer um novo alimento à criança, pelo menos umas dez vezes( não, no mesmo dia e, de formas diferentes!), caso ela rejeite de cara.

Este bolo supernutritivo seria uma forma originalmente gostosa de fazê-la comer o tubérculo, nem sempre muito apreciado.
A massa, preparada com a beterraba crua ralada adquire uma fantástica cor avermelhada! Boa oportunidade para envolver os pequenos, desde o preparo.
Além disso, sementes oleaginosas são fonte de energia e ricas em fibras, vitaminas lipossolúveis e ômega 3.
O meu bolo ficou bem parecido com o do livro, que lembra um formigueiro( o bicarbonato+suco de limão encarregam-se de manter o rubro vibrante).

Como sempre, dou preferência à receitas práticas e esta é uma delas!

Bolo supernutritivo
Ingredientes
180 ml de óleo de girassol
200g de açúcar mascavo( como prefiro menos doce usei apenas 1 xícara que, pra mim, já ficou de bom tamanho!)
3 ovos grandes( claras e gemas separadas)
350g de beterraba crua ralada
suco de 1 limão siciliano
75g de uva passa branca
75g de sementes variadas( sementes de linhaça, gergelim, abóbora, girassol) mais 2 colheres de sopa para decorar. ( Usei uma mistura de gergelim branco e preto+sementes de girassol)
100g de farinha de trigo integral com fermento*
125g de farinha de trigo com fermento*
1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de fermento em pó
1/2 colher de chá de canela em pó
*Na falta de farinha e farinha integral com fermento, substitua por farinha de trigo comum e farinha integral, acrescentando 4 colheres de chá de fermento em pó( portanto, ao todo serão 5 colheres de chá de fermento).

Preparo
*Preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga uma fôrma de bolo inglês grande e forre-a com papel manteiga. Unte o papel manteiga, também.

*Coloque o óleo e o açúcar numa tigela grande e misture bem. Adicione as gemas, uma de cada vez, batendo sempre até ficar homogêneo. Junte a beterraba, o suco de limão, a uva-passa e todas as sementes( com exceção das 2 cs de sopa reservadas para a cobertura).

*Peneire sobre a mistura as duas farinhas, o bicarbonato, o fermento e a canela. Misture bem.

*Bata as claras em neve( não precisa ser em picos muito firmes mas, macios). Adicione delicadamente as claras à massa do bolo.

*Transfira a mistura para a fôrma preparada e salpique as sementes restantes. Leve ao forno por aproximadamente 1 h e 15′, ou até que, enfiando um palito no meio, saia limpo. Retire o bolo do forno e espere esfriar por pelo menos 10′, para desenformar e fatiar.

Puro, com geleia, ou manteiga, fica uma delícia!

Então devem estar se perguntando se eu, tanto tempo sem aparecer por aqui e, só mostrando receitas de comida, engordei! Nem tanto.
A pouco mais de um mês da maratona chegamos, nesse último domingo, ao ponto máximo do treino: 36 Km, pela orla de Vitória!

Num belo dia de Sol…

Nesta bela paisagem…

E bem acompanhada!

(Daqui para frente é diminuir o ritmo, aos poucos, até a prova.)
Aproveito a ocasião para pedir desculpa pela minha ausência no blog e dar uma satisfação: tenho recebido alguns pedidos pra que volte a mostrar os “looks”.
A saída foi estratégica e, necessária. Como veem meu foco, no momento, é preparar-me para a maratona mas, aqui, nada é definitivo. Estamos, eu e Chanel, em negociação: “Looks, o retorno dos mortos-vivos!”
Então, um pouco de mais paciência, como cantaria Lenine, pois eu e minha assessora para assuntos “modísticos” somos meio enroladas.
Por enquanto, quem quiser poderá acompanhar-me pelo Facebook: Laély Fonseca. Serão bem-vindos!
Beijo!

Leia Mais

Meia Maratona de Vitória

Nesse domingo foi o dia da tão aguardada I Meia Maratona do Espírito Santo de Shopping a Shopping:

O trecho incluiu 3 municípios da Grande Vitória: Serra, Vitória e Vila Velha.
Segunda “meia” no meu currículo de corredora iniciante, novamente, como na corrida do Rio, o clima ajudou: céu encoberto.
Comentei com os amigos, que eu tô quase um Ayrton Senna: especialista em correr na chuva; só falta ganhar, como ele…
I Meia Maratona Shopping a Shopping( Serra-Vitória-Vila Velha)
Parte do grupo de atletas amadores de Santa Teresa, que participou da prova.
Após 45 minutos de atraso( devido a um acidente na pista), largada tranquila.
I Meia Maratona Shopping a Shopping( Serra-Vitória-Vila Velha)
Percorrendo a orla de Camburi, em Vitória:
I Meia Maratona Shopping a Shopping( Serra-Vitória-Vila Velha)
Manhã diferente, no trânsito: pessoas tomaram conta da pista andando, correndo e pedalando mais rápido que os carros.
I Meia Maratona Shopping a Shopping( Serra-Vitória-Vila Velha)
A Terceira Ponte ( que liga Vitória à Vila Velha) é o bicho papão de muitos corredores. No nosso caso, que treinamos em trecho bem mais íngreme que esse, a subida da ponte foi tarefa suave de cumprir.
I Meia Maratona Shopping a Shopping( Serra-Vitória-Vila Velha)
Tranquilidade para registrar um dos ícones de Vila Velha, o Convento da Penha:
I Meia Maratona Shopping a Shopping( Serra-Vitória-Vila Velha)
Em Vila Velha, a orla da Praia da Costa:
I Meia Maratona Shopping a Shopping( Serra-Vitória-Vila Velha)
Finalmente, a chegada:
I Meia Maratona Shopping a Shopping( Serra-Vitória-Vila Velha)
Ritmos diferentes( completei, em 2:29h) porém, unidos pelo mesmo objetivo: chegar ao final da prova inteiros!
Correr faz-nos sentir com superpoderes. Ao menos, o poder da superação pela persistência e disciplina. Talvez explique o ânimo extra deste grupo de corredores da Marinha, que se jogaram no chão e fizeram mais 10 flexões, após 21Km de corrida:
I Meia Maratona Shopping a Shopping( Serra-Vitória-Vila Velha)
Que a semana seja cumprida com ânimo e serenidade!
I Meia Maratona Shopping a Shopping( Serra-Vitória-Vila Velha)
(Domingo que vem tem mais: 10 Km, em Guarapari!)

Leia Mais

Pisando firme…

Explicando meus posts-relâmpagos da última semana, resumidamente: estive longe de casa mas já “estou, de volta pro meu aconchego…”Tive o privilégio de chegar numa tarde ensolarada em Vitória, sobrevoando a Terceira Ponte, com o Mestre Álvaro * a me receber, quando o avião tocou o chão:
*( Ao fundo, na foto abaixo)

Mas esta é uma história, começada de trás pra frente, que será contada aos poucos, ao longo desta semana.
Falando em “tocar o chão de casa”, lembrei de alguns pisos de inspiração retrô, porque ando numa fase “vintage de ser”:

Purple Area
Preto no branco, ou verde no branco: MamaMekko
Ou, mais variações, como nesta versão pintada com estêncil, é o que parece: Martha Stewart
Ainda estou meio “mareada” da viagem, mas assim que firmar os dois pés no chão, mostrarei alguns detalhes dessa mais nova aventura…
Abraço e boa semana!
Leia Mais

Café com Cebola (Capítulo VI)

A história desse encontro real, de amigas virtuais, que começou a ser contada aqui, com desdobramentos ali, termina hoje com um café da manhã na casa do nosso vizinho, tio Mc*: *O apartamento em Vitória, fica ao lado de uma lanchonete 24h.
(O pãozinho de queijo deles é muito bom, mas o pão na chapa tem “delicioso” sabor descongelado-no-microondas e o capuccino, só dá pra sentir o chocolate)
Optamos por um lanche fácil, pois nosso último passeio também ficava ali, bem pertinho, logo onde começa a cidade…
Numa área antes degradada, agora funciona um parque aberto ao público, com extensa área verde e de nome curioso:
Pedra da Cebola Ligando o nome à “pessoa”, acho que é possível entender o porquê…
Além de mini-fazendinha, pista de corrida, parquinho infantil, área para piqueniques, aqui já tive o privilégio de ouvir várias vezes a
OSB( Orquestra Sinfônica Brasileira), nas suas passagens pelo estado: um deleite para os olhos e ouvidos…
Parece até que foi esculpida, e elevada a este topo por um guindaste. Tudo balela. A verdade, mesmo: é obra da natureza.

Ops! Encontrei um conterrâneo de Santa Teresa, mundialmente famoso!…
Augusto Ruschi foi biólogo respeitado, teresense de verdade, e não adotivo como eu, e um dos precursores da Ecologia no Brasil.
Ele estudava beija-flores, mas estes penosos aqui, também merecem respeito:
Cuidado para não perturbá-los, em sua refeição matinal pelo parque…
No calor daquela manhã, deu até vontade de se refrescar neste chafariz, privilégio apenas dos moradores do parque…Mas qualquer sombra, ajuda… E foi assim que, pouco depois, minhas amigas se despediram, do estado e desta, que lhes conta esta história em capítulos arrastados, talvez para esticar o prazer da companhia gaúcha.

A gente não conhece a história, por trás dos bastidores de um conto de fadas, não é?
Ninguém sabe o que aconteceu à Cinderela, depois do: “e foram felizes para sempre”…
Talvez, tivesse que lavar as roupas da rainha, sua sogra, ainda que, “feliz para sempre” por tal “privilégio e honra”…

Mas a história das personagens deste conto, não com um final feliz, mas de início feliz, continua por aqui, por acolá, onde podem acompanhar nossas outras aventuras, virtuais e reais…
Pois um avião pode ter levado a presença…
…Mas deixou por aqui boas lembranças, em mim e na minha família. Espero o mesmo para elas, também.
Porque amizade se constrói assim, aos poucos, feito casa

Um bom dia!
Um bom domingo!
Uma boa semana!
Leia Mais

Santorini é aqui! ( Cap.II)

VAntônio e Ellen são “insaciáveis viajantes”, segundo descrição feita pelos próprios no blog Viagem Afora, criado para narrar as aventuras de uma viagem de 5 meses,”mundo adentro”.
E digo isso, porque viajar demanda desprendimento para se fazer uma imersão na cultura local: comida, costumes, geografia, arquitetura…Do contrário, volta-se pra casa apenas com badulaques e quinquilharias na bagagem e se desperdiça a oportunidade de ampliar: conhecimento, amadurecimento e horizontes.
Observando um dos lugares que o casal visitou, achei até familiar…

Tudo bem. Tô aprendendo a conviver com a inveja…

Agora entenderão o que quis dizer com “familiaridade”…
Este é um dos lugares mais visitados no estado: o Convento da Penha, em Vila Velha.
“Captaram a minha mensagem”, amados alunos?
Subindo uma encosta íngreme de 154m de altitude, por uma estradinha de paralalepípedos cercada de mata Atlântica, é possível ter uma vista privilegiada de Vitória e Vila Velha:
Sanduíche de Rosana
E um dia “maravilhosamente” quente!
Não parecem as casinhas brancas da encosta de Santorini, na Grécia?
“Todo azul do mar” parece bater na porta…
…E nas janelas que emolduram esta bela paisagem:Por dentro do Convento:
O que será que está escondido atrás daquela porta?…
( Minha curiosidade, provavelmente…)
Achei esse patchwork de azulejos antigos bem tosco, mas interessante:

Como se pode notar nesta pintura antiga, o morro do Convento foi bastante devastado, até à segunda metade do século XX:
Um trabalho sério de preservação do remanescente de Mata Atlântica, além do reflorestamento com espécies nativas foi realizado a partir da década de 70, pela Companhia Vale do Rio Doce.
A parceria com a iniciativa privada funcionou, presenteando Vila Velha com um de seus maiores espaços públicos de área verde.
Numa das paredes do Convento, um patchwork de fé:
Placas de agradecimento por “graças recebidas”.
Saída pela esquerda…
Eu, no meu vestido de novela das oito…( Falta o corpinho de artista de novela das oito…)
Se gostaram dessa viagem, a novela terá desdobramentos…
Leia Mais