Arquivados em 'receitas' Categorias

Herchcovitch, no “The Selby”

Postado por Laély, no dia 07-03-2012 - Categoria: cadeiras,casa de artista,poltronas,receitas,vintage - 13 Comentários

Não faz muito tempo a Vivianne Pontes, Dcoração, fez uma série interessante de posts discutindo, se: “Gosto se Discute” parte I, II, III, com direito a desdobramento em comentários, na parte IV. Só para constatarem que o assunto rende e, muito provavelmente, nunca chegaremos a uma conclusão definitiva( ainda, bem!)…
Foi o que lembrei, quando vi o apartamento que o estilista Alexandre Herchcovitch divide com o antiquário Fábio Souza, em São Paulo.
Para retratar um artista, outro, não menos: o fotógrafo americano Todd Selby, mais conhecido pelo site The Selby is in your place. Mais que retratar casas, Selby retrata estilos de vida de pessoas criativas ao redor do mundo. Ano passado, em setembro, ele visitou o Brasil para participar de um evento organizado pela Casa&Jardim, ocasião em que foram feitas as fotos.

O tour pelo apartamento de Herchcovitch a princípio poderia causar uma certa estranheza: “será, que isso funciona?” Uma mistura de vintage e kitsch que, com certeza, foge ao lugar comum: questão de treinar o olhar, para encontrar o belo nas entrelinhas? Pois, como escreveu Exupèry: “O essencial é invisível aos olhos”.

Eu, por exemplo, jamais imaginaria instalar uma barbearia num dos cômodos da casa:

Mas amei a hortinha de temperos cultivada por ele, na varanda:

A cozinha pareceu-me clean, mas o detalhe fofo da lixeirinha “Hello Kitty” denuncia um algo mais( além da roupa do “cozinheiro”, nada convencional!)…

Teto trabalhado e cadeiras “Chair”, do designer francês Xavier Pauchard para Tolix, na sala de jantar:

Isso é que é “pisar no tapete vermelho!

Um charme, essa porta vai-e-vem que separa a copa:

A sala é dramática, superlativa, “over”, com paredes desgastadas, quadros e cheiro de museu; mas a casa deve reproduzir a personalidade de seus moradores, então, o que poderia nos parecer “estranheza” caberia muito bem na rotina de outro, diferente de nós!

Achei interessante essa mistura eclética de peças de design, como a poltrona “Mole”, de Sérgio Rodrigues, convivendo pacificamente com peças vintage, obras de arte, cartuns…

Uma tradicional poltrona capitonê, o ícone do “fast food” americano e um lustre, estilo “art nouveau”:

Uma miscelânea de estilos, origens e épocas diferentes que se repete no quarto:

Gostei da ideia da sobreposição de espelhos, ampliando e enfeitando o banheiro:

Só como curiosidade, para provar que paixão por sapatos não é “coisa só de mulher”, o armário dele:

Caso a apreciação não tenha sido unânime cito Alain de Botton, em “A Arquitetura da Felicidade”(Ed. Rocco, 2006):
“Stendhal propôs a expressão mais cristalina da íntima associação entre gosto visual e os nossos valores quando escreveu: ‘O belo é a promessa da felicidade’.”
E completa outro parágrafo, com o mesmo escritor francês:
“Existem tantos estilos de beleza quanto visões de felicidade”.

Então, se a casa é o palco para exercer com maestria essa “felicidade”, palmas para Alex!

Selby costuma fazer anotações usando canetinhas coloridas, no rodapé do post: é um “quizz” divertido, retratando os hábitos e preferências dos moradores.
Ele pediu a Alexandre uma receitinha brasileira, que pudesse ser feita em casa.
Nada mais típico que o nosso brigadeiro. Até aí, nenhuma novidade: todo mundo conhece a tradicional receita com leite condensado e chocolate, mas o estilista costuma acrescentar mel à sua.

Se tiver de responder a um “quizz” sobre meu filho mais novo perguntando qual o doce preferido dele, tenho certeza que acertaria: brigadeiro ganha de “lavada”, talvez, seguido por pudim de leite. Resolvi, então, testar a dica do Hertchcovitch e, surpreendi-me com a cremosidade e maciez deste docinho!
Brigadeiro com mel
Reparem, na qualidade do “puxa”:
Brigadeiro com mel
Vamos à receita?:
Brigadeiro com mel( by Alexandre Herchcovitch)
-1 lata de leite condensado
-4 colheres de sopa  de chocolate em pó
-1 colher de sopa de manteiga( ele usa a Président, com sal, mas, como “nóis é mais povão”, vamos substituí-la por outra marca porque, deixar de fazer não pode, né?)
-1 colher de chá de mel
Misture tudo numa panela e leve em fogo brando, mexendo sempre até desgrudar do fundo.
Deite sobre um prato, untado com manteiga, e espere esfriar para enrolar os docinhos( dá pra esperar, por favor?!…).
Coma!
Brigadeiro com mel

Esse, não há o que discutir: é beeem gostoso! Um brigadeiro com assinatura e estilo, pra chamar de seu!
Sejam felizes!

    Risoto, torta de limão e brigadeirão

    Postado por Laély, no dia 05-03-2012 - Categoria: dicas de programas,receitas - 8 Comentários

    Mais uma vez a internet deixou-me na mão, fim de semana.
    Resolvi caprichar no almoço do sábado: o filho mais velho chegaria de Vitória, trazendo um primo.

    Na MasterClass do MasterChef Australia, semana passada, ensinaram a preparar um risoto simples. É um prato bastante conhecido, mas certos detalhes fazem toda a diferença:
    -O carnaroli é considerado pelos gourmets o melhor arroz para risoto, porém o arbório é o mais usado: ambos são mais duros que o comum( por isso não viram papa, quando cozidos) e, ricos em amilopectina( responsável pela cremosidade).
    -Para cada porção de arroz(xícara medida ou, copo) devem-se usar 3( da mesma medida) de caldo( carne, legumes ou peixe, dependendo do acompanhamento).
    -Coloque o caldo para ferver numa panela.
    -Use uma frigideira grande para refogar o alho e cebola, picados, no azeite e manteiga.
    -Acrescente o arroz, misture tudo, até que fique com um belo aspecto brilhante e, completamente envolvido nos temperos.
    -Acrescente o vinho branco seco ao arroz, misture até que absorva tudo. Mantenha em fogo baixo.
    -A partir daí poderá incorporar o caldo fervente, aos poucos( 1 a 2 conchas, de vez).

    E a dica do MasterChef que achei mais interessante contradiz a maioria das receitas que eu conhecia: em vez de mexer com uma colher, sem parar, a orientação é manipular o arroz, o mínimo possível, impedindo que se quebre e fique grudento, ao final. Em vez disso a frigideira deve ser chacoalhada, de um lado para outro, toda vez que se acrescenta o caldo. À medida que é absorvido acrescente mais; continue chacoalhando, até que o arroz fique cozido mas, “al dente”.
    Acerte o sal, se necessário.
    Dessa forma o risoto fica cremoso e, ao mesmo tempo, soltinho.
    Para o acompanhamento usei tiras de filé mignon grelhadas na manteiga de ervas e, ao final do cozimento, acrescentei fatias de shitake.
    Um pouco mais de manteiga e queijo ralado para finalizar e, pronto pra ser devorado:
    Risoto de filé e shitake
    A fome dos que esperavam pelo almoço impediu uma apresentação melhor.

    No dia anterior preparei as sobremesas. Uma, para agradar a mim: torta de limão
    Torta de limão
    Torta de limão
    Outra, para agradar meus filhos chocólatras:
    Brigadeirão
    Para o Brigadeirão usei:
    -1 lata de leite condensado.
    -1 medida( a mesma lata de leite condensado) de leite.
    -1 lata de creme de leite, sem soro.
    -4 ovos.
    -2 colheres de sopa de chocolate ao leite, em pó.
    -2 colheres de sopa de cacau em pó.*
    *Se preferir seu pudim um pouco mais doce, em vez do cacau use somente o chocolate ao leite: 4 cs, ao todo.
    Modo de fazer:
    Bata tudo no liquidificador.
    Unte uma forma de furo no meio com manteiga.
    Pré-aqueça o forno, enquanto esquenta a água para o banho-maria.
    Deite a mistura batida na fôrma untada, cubra-a com alumínio e leve ao forno, em banho-maria, por aproximadamente 50′.
    Espere esfriar, completamente, antes de desenformar. Se tiver dificuldades de soltar o pudim da fôrma, aqueça um pouco o fundo na chama do fogão.
    Pode servir com calda de chocolate e raspas de chocolate ao leite.
    Brigadeirão

      Comida de domingo

      Postado por Laély, no dia 27-02-2012 - Categoria: encontros bloguísticos,pães,receitas - 19 Comentários

      “Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.” – Eduardo Galeano
      Lembro de haver lido essa frase em algum lugar e anotado na minha agenda mas, se somos o que fazemos, devo sofrer de personalidade múltipla: interesso-me por assuntos tão diversos à minha profissão e faço tantas coisas “nada-a-ver” que, já não sei bem quem sou. Como Raul Seixas, uma “metamorfose ambulante”, quem sabe?
      Ontem foi a vez de ser a padeira.
      Talvez por influência dos programas de culinária e gastronomia que tenho assistido ultimamente ou, pela hora-bônus do final do horário de verão ou, o ensolarado domingo, animei a passar o dia na cozinha.
      E como aquela hora a mais rendeu!
      Para o almoço:
      Almoço de domingo
      Purê de batatas, brócolis e medalhão de filé com manteiga de ervas*. Como é casa de brasileiro, também não faltou arroz integral e lentilha.
      *Para a manteiga de ervas:
      Deixe a manteiga em temperatura ambiente, pique as ervas de sua preferência( usei o que tinha na horta: sálvia, manjericão e alfavaca) e misture. Transfira tudo com uma espátula e coloque sobre filme plástico: com a ajuda do plástico molde um salame, fechando as bordas( para que a manteiga não vaze e mantenha a forma cilíndrica). Leve à geladeira, ou congelador, até endurecer. Na hora de usar é só desembrulhar, fatiar na espessura desejada e colocar sobre o filé, ainda quente.
      De sobremesa fiz bolo americano de chocolate, uma receita que sempre dá certo:
      Bolo americano de chocolate
      A cobertura é ganache de chocolate.
      A reação química entre o leite azedo, chocolate e bicarbonato dão a esse bolo uma bonita cor marrom avermelhada:
      Bolo americano de chocolate
      Enquanto encaminhava o almoço, resolvi fazer os pães. Comecei pelo australiano, meu preferido. A receita já foi explicada, aqui.
      Pão australiano
      É um pão bastante substancioso e perfumado, pois leva: cacau, mel, café instantâneo, pitada de canela, açúcar mascavo, além de farelo de trigo e trigo integral.
      É a minha fatia de prazer permitida, no dia: saboreio-a, junto com uma boa lasca de queijo branco, no meio da manhã.

      Coloquei os ingredientes do pão australiano na panificadora e me pus a bater à mão a massa do pãozinho de leite, um pedido do meu menino. Essa receita é uma das mais antigas aqui do blog, sem dúvida, sucesso entre as crianças!
      Pão australiano e pão de leite
      Tenho evitado embutidos, principalmente, salsichas, mas para o recheio usei mini-salsichas de frango, sem corante, com requeijão Catupiry.
      Pão de leite
      Revelando-se:
      Pão australiano e pão de leite
      Como sobrou bastante purê de batata do almoço, resolvi arriscar e fazer um pão de batata, sem receita: aproveitei o purê e adicionei ovos, um pouco de óleo, fermento, trigo e, não é que deu certo?
      No forno
      Só tenho comido pão integral, mas provei uma fatia, assim que saiu do forno( um “sacrifício”, por uma causa científica!):
      Pão de batata
      Ok. Passou no teste de maciez e qualidade!
      Então, podem me perguntar:
      “Mas como se faz dieta, cozinhando essas coisas?”
      O segredo está no equilíbrio. Descobri que me satisfaz comer um tabletinho de chocolate meio amargo com pimenta, meu preferido, quando tenho vontade! É um pequeno prazer que não ameaça minha dieta( mas, só de vez em quando!).
      A outra dica é exercitar o desapego: você faz, pelo simples prazer de cozinhar e depois, divide! Presenteia uma amiga com uma fatia de bolo, para um outro, dá um pedaço de pão, e assim, “mata 2 coelhos, de uma vez só”: agrada uma pessoa querida e, de quebra, fica longe da tentação de comer algo mais calórico, o resto da semana!
      Foi o que fiz semana passada:
      Levei pão caseiro, biscoitos e geleia de Santa Teresa para a amiga Taia, do blog Epa e Taia pelo Mundo.  Combinamos um encontro, em Vila Velha, para nos conhecer pessoalmente: foi tudo uma delícia, com gosto de “quero mais”!
      Eu e Taia

        As panquecas do Curtis

        Postado por Laély, no dia 09-02-2012 - Categoria: receitas - 6 Comentários

        Depois da mudança na dieta, minha janta é sempre a mesma: prato cheio. De folhas! Acompanhadas por um filé de frango, ou peixe. Encerro com uma porção de frutas e, só. Mas de vez em quando furo o bloqueio aos carboidratos.
        Esses dias a Silmara Franco, uma querida do meio virtual que tive o prazer de conhecer pessoalmente mandou-me um recadinho, via Facebook, pedindo uma receita de panquecas perfeitas postada no blog, dica da Daniela Koidara. Então, pensei: por que, não?
        Há tempos namoro um livro do gato(Ops! Quero dizer:chef!) Curtis Stone, com fotos maravilhosas e receitas que parecem fáceis de fazer!
        Livro do chef
        Resolvi testar uma, de panqueca que, na descrição dele, fica “tão macia quanto um travesseiro”!
        Panquecas do chef Curtis
        O recheio e cobertura usa mirtilos mas, como a frutinha é cara e difícil de encontrar por aqui, não vejo problema em substituí-los por morangos ou, banana fatiada. Também fica deliciosa servida pura, com geleia ou mel.
        Panquecas do chef Curtis
        Posso garantir que a descrição feita por Curtis encaixa-se muito bem no resultado: a massa é leve como nuvem, ao mesmo tempo firme, não escorrendo na frigideira e, nada enjoativa!
        As minhas não ficaram tão bonitas quanto às do chef, mas passaram no teste de qualidade da casa: 2 meninos(meu caçula e o primo dele)!
        Panquecas do chef Curtis
        Admito que a única dificuldade foi acertar a temperatura da chapa antiaderente da frigideira. Se muito quente, a superfície da panqueca pode queimar. Da próxima vez usarei a sanduicheira elétrica, mais grossa e com termostato.
        Panquecas do chef Curtis
        Além de gostosa é nutritiva e saudável: rica em proteína e, não leva gordura( usei manteiga, apenas para untar a frigideira).
        Para trabalhar com a ricota: amassei-a com garfo e depois, passei-a pela peneira bem fininha.
        Acrescentei raspinhas de limão siciliano e 1 colherzinha de café de essência de baunilha à massa.
        Mesmo frias, as panquecas continuaram macias. Saboreei uma no café da manhã, acompanhada por banana amassada, aveia e mel: deliciosa!
        Panquecas do chef Curtis

          Reunindo a família

          Postado por Laély, no dia 24-01-2012 - Categoria: arranjos,meu quintal,receitas - 19 Comentários

          No último fim de semana foi aniversário da minha mãe. É bom poder comemorar essa data juntas, pois uma grande distância geográfica nos separa, a maior parte do tempo(ela mora em Belém e costuma visitar-nos essa época do ano).

          Na quarta ela se despede do ES mas, sempre que passa por aqui, deixa um rastro de benfeitorias, na casa e na alma da gente: costura roupas e lençóis rasgados, com paciência de Jó( aliás, acho que mãe deve vir de fábrica com visão de super-homem, para enxergar o que a maioria não vê!), cuida, conversa, escuta, elogia, puxa a orelha, quando necessário…

          Não sei se, em homenagem a ela, a chuva deu uma trégua; tempo suficiente, para animar uma almoço no quintal. Porque, dia ensolarado e ameno, não se pode desperdiçar!
          Tarde sobre a mata
          Montamos a mesa no quintal, à sombra mutante de um grande cipreste( a sombra muda de lugar, conforme a hora do dia).
          O almoço foi simples e regional: frango no tucupi, arroz branco e farofa.
          Porém, o mais gostoso é poder bater papo com os amigos.
          Aniversariante
          Foto não-oficial:
          Aniversário da mãe
          Cores e flores, para completar o clima de descontração:
          Cores e flores
          As sobremesas são as minhas preferidas. E, a preferida das preferidas dela, é a torta de limão que faço!
          Sobremesas
          Misturei bolo fudge de chocolate, receita do Panelinha, e a tentação calórica ficou mais irresistível ainda( sem falar, no açaí do Pará)!
          O cardápio não seguiu nenhuma combinação ou lógica, apenas, o “querer agradar a todos”!
          Bolo fudge
          Mas achei que laranja e marrom combinavam bem:
          Capuchinha
          Um descuido e minha torta teria queimado mas, consegui salvá-la a tempo!
          Torta de limão
          E a dupla do barulho:
          Dupla tentação
          Um presente a mais, além do dia ensolarado, foi a coincidência na floração da cerca viva de murta:
          Murta florida e perfumada
          O muro verde já alcança quase 3 m de altura e circunda toda a casa, abraçando-nos com seu delicado perfume, quando em flor.
          Aproveitei, para deixar um buquê no lavabo:
          Murta perfumada no lavabo
          E foi assim que mais um dia terminou por aqui:
          Entardecer
          Quero pensar que, da próxima vez que minha mãe voltar, a família estará toda reunida, inclusive, com o Vinícius, “que está na Alemanha”…

            Despedindo-nos…

            Postado por Laély, no dia 08-01-2012 - Categoria: filhos,Música,receitas,vídeos - 24 Comentários

            Perdão, se pareço repetitiva, mas estamos respirando “viagem do filho”, no momento.
            No sábado combinei com alguns amigos mais chegados uma noite de sarau para a despedida oficial, depois de uma rodada de pizza caseira, com direito a um delicioso “bolo fudge de chocolate” de sobremesa.
            A receita do bolo já foi indicada por aqui e é do infalível “Panelinha Receitas que Funcionam“. Modéstia à parte, o bolo ficou tão perfeito que não sobrou nada para a foto! Deixo uma, do próprio site:

            Quanto à pizza, dificilmente saímos para comer fora, por achar que a caseira seja melhor que a da maioria das pizzarias que conhecemos.
            Nada de especial mas, o segredo dessa pizza está na massa leve e no molho de tomate fresco.
            Gosto muito de usar o tomate pelado, em lata: substitui os frescos, sem fazer feio. Depois dos temperos habituais, como: azeite, alho e cebola, acerta-se o sal e o azedume do molho com uma pitada de açúcar; deixa-se reduzir, até o ponto ideal.
            A receita da massa, que rende até 4 pizzas grandes:
            -1 e 1/2 xícara de leite morno
            -50 g de manteiga sem sal, em temperatura ambiente
            -2 ovos
            -1/2 cs rasa de sal
            -1 cs de açúcar
            -1 cs de fermento granulado biológico seco
            -1 cs de orégano
            -1/2 xícara de amido de milho
            -Mais ou menos 6 xícaras de trigo( ou, até dar ponto de sovar)

            Modo de fazer
            Misture os ingredientes líquidos primeiro acrescentando os secos, aos poucos: incorpore o trigo, até dar ponto de sovar e/ou soltar a massa das mãos. Forme uma bola e deixe crescer em local protegido, por aproximadamente 40′.
            Unte 4 fôrmas para pizza com azeite.
            Retire a massa crescida da vasilha, divida-as em 4 partes iguais, abra-as com um rolo e forre as fôrmas. Deixe crescer, por mais 30′ e asse-as em forno bem quente, por aproximadamente 10-15′.
            Depois é só cobrir com molho e a cobertura da preferência. Voltar ao forno quente, até derreter o queijo.
            No sábado, os sabores foram variados: atum, chester, marguerita, palmito com alho e portuguesa.

            O sarau rendeu alguns bons improvisos. Os meninos( filho mais novo e o primo), liderados pelo que viajará em breve, passaram a tarde aos cochichos e armações.
            O resultado: uma pequena peça, com direito a “defeitos especiais” de iluminação, sonoplastia, maquiagem, cenário e figurino. Uma superprodução caseira!:
            “O doutor barba de bombril, seu assistente corcunda e o menino-robô superpoderoso”
            Meninos "emcena"
            O filho do meio foi o roteirista, produtor, diretor e ator: “interpretou” um cientista alemão, meio maluco que, com a ajuda do assistente pateta Boris( com um “r”, bem puxado: “Bórriz”!), inventaram um menino-robô cheio de superpoderes, como:
            -Ir à China e voltar, num piscar de olhos(no bolso, trouxe um pequeno gato de cerâmica chinês para provar o feito)!
            -Contar piadas sem graça, tipo:
            “Como o sangue sabe por onde deve seguir?
            Ele acompanha as plaquetas…”
            -Desentortar uma banana, com a força das mãos.
            -Engolir furadeiras e chaves de fenda.
            -Chamar o assistente Boris, de: “in-com-pe-ten-te!”
            -Dançar “break” como Michael Jackson.
            Meninos "emcena"
            Mesmo sem ensaio juntamo-nos ao final para tocar algumas músicas, a maioria de igreja, como esta:

            Então, depois desse post “frankenstein”, só me resta esperar e desejar que a semana seja muito boa e, não nos apareça com nenhum monstro assustador!

              Começando com o pé direito

              Postado por Laély, no dia 03-01-2012 - Categoria: arranjos,Minha casa,natal,receitas - 24 Comentários

              O velhinho foi-se tranquilamente no sábado, sem fazer estardalhaço, pelo menos aqui em casa.
              DSC08475
              A cerimônia de despedida foi bem simples: depois do culto familiar fiz passar um castiçal com uma vela acesa, quase se consumindo, pela mão de cada presente, enquanto um agradecimento por 2011 e um pedido para 2012 era feito. Ao final da contagem regressiva, a vela foi apagada: assim nos despedimos do velho ano.
              Depois, à mesa de comida:
              DSC08476
              Lembram-se da caixinha para impressão, que postei aqui?
              Fiz biscoitinhos de cacau, embalei-os em saquinho de celofane e recheei-as. Aproveitando a ideia dos “biscoitos da sorte” pedi ao meu menino do meio que escrevesse recadinhos, tipo previsões ou ideias para o ano novo. As mensagens foram bem criativas, bem ao estilo dele.
              DSC08480
              A mesa das crianças:
              DSC08479
              O cardápio foi simples: salada de lentilhas, chester, farofa, arroz branco.
              Mesa de apoio
              A mesa de doces, uma tentação!
              Mesa de tentações
              Enfieei o pé na jaca, ou melhor: a boca nas rabanadas, feitas pela minha mãe!
              Mesa de doces
              Também fiz torta africana( cacau, côco e abacaxi), minha mãe, pavê de maracujá com brigadeiro mole e, na cesta de coração: manga seca, trazida pela sogra.
              A salada de lentilhas com bacalhau foi uma ideia da revista Estilo deste mês, muito simples e saborosa:
              Salada de lentinhas e bacalhau
              Cozinhei 500g de lentilhas, dessalguei e desfiei mais ou menos a mesma quantidade de bacalhau. Depois, passei-o no azeite e alho. Antes de tirar do fogo acrescentei azeitonas pretas, salsinha e cebolinha picadas. Misturei à lentilha, cozida e escorrida, mais 2 cs de tomilho, 1 pimentão pelado e picado. Acertei o sal e azeite. O toque final ficou por conta das rodelas de cebola douradas, dispostas por cima da salada. Pode servi-la morna, ou fria.

              Só mais um recadinho, para começar o ano:
              No fim de semana fiz um breve retiro virtual.
              Nesse meio tudo parece lindo, maravilhoso, perfeito! Encarregamos-nos de criar o perfil de uma vida ideal. Acontece que, não sou um personagem de mim mesma: sinto tristeza, raiva, desânimo, medo de que as coisas piorem, que as pessoas piorem, incluindo, eu…
              Mudar um móvel de lugar, transformar a casa, fazer um “extreme make over” doméstico é bem mais fácil e simples que mudar a nós mesmos. Mas a esperança nas pessoas não deve ser a “última a morrer”, como diz o ditado. Não pode morrer, nunca!
              O desconhecido torna-nos frágeis. Mudanças amedrontam. Porém, devemos crer que vem para melhorar. Podem até não ser grandes, drásticas; pequenas, sutis já fazem uma grande diferença.
              Nosso destino não está escrito nas estrelas, muito menos num “biscoito da sorte”. Nós mesmos tratamos de o escrever e reescrever, todos os dias. Como diz aquela música conhecida:
              “Depende de nós…”
              Um 2012 abençoado, para todos!

                Enchendo linguiça…

                Postado por Laély, no dia 27-12-2011 - Categoria: Hulk,Pingo,receitas - 5 Comentários

                Depois de quase 3 meses de tempo instável e céu nublado o Sol voltou a aparecer por aqui( apesar da previsão de muita chuva para os próximos dias).
                Só que, nos dias mais quentes, a vontade é de me jogar no sofá e vegetar o resto da tarde…

                My Sweet Savanah
                Mas não posso me queixar, pois o clima na serra é sempre mais ameno. Tenho o privilégio de sentir um ventinho frio no rosto( e, não é de um ventilador!), enquanto escrevo este post preguiçoso.
                (Santa Teresa, eu sempre vou te amar! Só me dá um desconto, que eu tô meio gripada.)
                Hulk vai fazer sala pra vocês, enquanto me recupero na cama…
                DSC00959
                Ops! Parece que ele também não está para muita conversa.
                DSC08095
                Será o calor?
                Tinoco e Pingo fingem ser velhos amigos, enquanto dividem um lugar ao Sol…
                Tinoco e Pingo
                Aceitam companhia? Parecem não se importar…
                Pingo e Tinoco
                Para concluir, um pedaço reconfortante de um bolo cheiroso de mamão, aveia, cravo e canela:
                Bolo de mamão
                Receita, no blog da minha amiga gaúcha Rosana Sperotto.
                Rosana, saí da dieta mas por uma boa causa, afinal, sou da opinião de que, se for pra errar, que erre certo!
                E esta receita é certeira!

                  Biscoitos de cacau

                  Postado por Laély, no dia 22-12-2011 - Categoria: biscoitos,natal,receitas - 7 Comentários


                  Southern Living, via Decorology.

                  Nos últimos suspiros antes do natal, hoje passei o dia dividindo-me entre a sala, onde pretendia inventar uma árvore temática, e a cozinha. O resultado?: Alguns erros, como um bolo de chocolate excessivamente amargo, e acertos, como esta receita de biscoito de cacau gulab, outro dica da Ana Sinhana, encontrada no blog da Tanlup:

                  Minhas fotos não ficaram tão bonitas pois foram tiradas no fim da tarde, com pouca luz.

                  Biscoito de cacau

                  Prato cheio para chocólatras!
                  Muito fácil de fazer, gostei tanto do resultado que deixei outra massa descansando na geladeira, para assar mais biscoitos amanhã.
                  A textura fica super leve e crocante, lembrando a de outro pretinho, o Oreo:


                  O meu caçula sugeriu que colocasse castanhas ou nozes picadas nos próximo: pedido atendido.
                  Biscoito de cacau
                  Minhas dicas para o seu biscoito dar certo:
                  -A massa do cookie já leva bastante manteiga. Em vez de untar a fôrma, forre-a com papel manteiga: assim, o biscoito não frita em gordura excessiva e, depois de frio, fica mais fácil desenformá-lo.
                  -Depois de retirar da geladeira a massa forme bolinhas com ela, achate-as e passe-as no açúcar de confeiteiro.
                  -Deixe um espaço generoso entre um biscoito e outro, pois eles crescem e espalham na fôrma.
                  -Pré-aqueça o forno, a princípio, em temperatura média. Depois que os biscoitos crescerem e começarem a craquelar na superfície, diminua ao mínimo a temperatura para que possam secar um pouco mais.
                  -O tempo de forno é de mais ou menos 20′. Retire o papel da fôrma, com os biscoitos já assados, e deixe esfriando sobre a grade do fogão. Depois de frios ficarão mais firmes e crocantes.
                  -Se achar que ainda estão moles, pode retornar com a fôrma ao forno recém-desligado, ainda quente, e deixar lá até que os biscoitos esfriem.
                  -Guarde em recipiente hermeticamente fechado e seco, depois de completamente frios.
                  Biscoito de cacau
                  As crianças vão amar!
                  Biscoito de cacau

                  Embalados numa marmitinha decorada ou, em saquinhos de celofane, poderão fazer bonito como presente de natal.

                    Compartilhando a mancada

                    Postado por Laély, no dia 21-12-2011 - Categoria: adesivos,Minha cozinha,receitas - 19 Comentários

                    Confesso que, até então, o natal ainda não havia me contagiado. Mas hoje, circulando por alguns blogs deu uma vontade louca de largar tudo e correr para a cozinha, preparar quitutes de encher os olhos e a barriga!
                    Porque natal tem tudo a ver com comida feita em casa: casa de mãe, casa de avó, onde costumávamos passar a data quando pequenos, com toda a grande família reunida. As tias na cozinha e as crianças, correndo de um lado para o outro: tudo era festa ! Lembro até hoje das rabanadas e bolinhos de bacalhau da minha avó, uma legítima portuguesa: têm sabor de infância.

                    Então, o bichinho do natal picou-me, tardiamente, admito. Resta saber se, em apenas dois dias, consegurei fazer alguma coisa.
                    Hoje não tive muito tempo mas, queria muito aproveitar umas frutinhas vermelhas guardadas na geladeira: nessa época do ano elas costumam aparecer no hortifruti.
                    Resolvi testar uma receita da amiga “bombril 1001 utilidades” Ana Sinhana: um bolo com blueberries. É simples, básico, digno: à base de leite, ovos, manteiga e frutas vermelhas( ou azúis).
                    Piquei umas cerejas frescas, amoras e blueberries. No lugar do leite usei iogurte e raspinhas de limão siciliano.
                    A massa ficou linda e eu, tão entusiasmada, logo a espalhei nas forminhas de muffins e levei a assar.
                    Mal virei as costas, lembrei de um detalhe importante: esquecera de acrescentar os ovos, que a receita pedia.
                    Putz!
                    Imediatamente, tirei tudo do forno e das fôrmas! Deixá-los como estavam era um risco; tirá-los, outro, maior ainda. Resolvi encarar.
                    Depois dos ovos, voltaram ao forno.

                    O resultado não ficou tão bom quanto esperava, mesmo assim, não decepcionou:Muffin de frutas vermelhas

                    Muffin de frutas vermelhas
                    Muffin de frutas vermelhas
                    Muffin de frutas vermelhas
                    A massa não cresceu tanto pois o fermento já tinha sido ativado quando, apressadamente fora retirada do forno.
                    Mas a receita vale muito a pena porque se, mesmo dando errado deu certo, imaginem, quando a cozinheira acerta!
                    Muffin de frutas vermelhas
                    Aproveitei para mostrar o novo prato de bolos, com carinha vintage.
                    Muffin de frutas vermelhas
                    E o novo quadrinho na cozinha, com receita ilustrada:
                    DSC08158

                    A receita é da Paula Simões, The Cookie Shop, e a ilustração, da Marília Simões, do The Cake is on the Table.

                    Pelo sobrenome, suponho que as duas sejam irmãs.
                    A Paula é confeiteira e escritora de mão cheia. Quando crescer, quero ter um site tão lindo quanto o dela, além aprender a fazer aquelas fotos maravilhosas que nos fazem babar, só de olhar!
                    A Marília é a designer por trás da loja The Cake is on the Table e a responsável por todas as ilustrações do site, uma graça! Vale uma visitinha porque, além de ser uma viagem lúdica, os móveis transformados e disponibilizados na loja são lindos!
                    DSC08160
                    Outra pequena mudança na cozinha:
                    DSC08161

                    O adesivo na geladeira é da I-Stick.