Arquivados em 'passarinhos' Categorias

Banquete da tarde

Postado por Laély, no dia 04-02-2012 - Categoria: meu quintal,passarinhos - 26 Comentários

Como pode alguém, mesmo ausente, ser tão presente?
Acho que a isso os poetas chamam, de: saudade.

Quando o filho do meio despediu-se de mim, no aeroporto internacional do Rio, colocou a mão no meu ombro e, olhando nos meus olhos, fez-me uma recomendação solene: que eu tomasse conta da horta dele. Também deveria fotografar a alface e cenoura ali plantadas, para que ele pudesse acompanhar o crescimento, mesmo de longe.
Dividindo a responsabilidade com o filho mais novo, o resultado já pode ser conferido e levado à mesa:
Horta do filho
A concorrência com as lagartinhas é feroz, mas o primeiro desbaste rendeu uma deliciosa salada de alface baby. As cenouras ainda não cresceram o suficiente.
Horta do filho
Numa dessas idas ao quintal, o que podemos encontrar:
DSC09241
O marido se encarrega de colocar alpiste, canjiquinha e frutas para alimentar visitantes comuns por aqui:
Banquete de sanhaço
Os sanhaços andam em bando e se deliciam com o banquete oferecido.
Banquete de sanhaço
Banquete de sanhaço
Canarinhos, rolinhas e bem-te-vis também fazem a festa.

    Passarinhos para impressão

    Postado por Laély, no dia 10-12-2011 - Categoria: arte,natal,passarinhos - 12 Comentários

    Ainda tentando adaptar-me à linguagem do WordPress, como criança descobrindo as possiblidades de um novo brinquedo.
    Para não passar em branco, descobri lindas aquarelas de passarinhos da artista Rebecca que poderão ser impressas e usados como enfeites de natal:

    No blog dela.

      "Passarinhos irritados"

      Postado por Laély, no dia 07-03-2011 - Categoria: bonequinhos de tecido,corujas,crafts,crianças,PAP,passarinhos - 0 Comentário
      Nesse feriado, muita gente ( que eu invejo!) ficará literalmente, de “pernas para o ar”.
      Para os de mãos nervosas, que não se sujeitam ao exercício de apenas trocar os botões do controle remoto da TV, deixo a inspiração dessas imagens:
      wee owlie
      Penosas de tecido e outros bonequinho fofos da KraKraCrafts, na loja da Etsy:
      Dill the little owl
      Segundo a Teresa Esteves, assídua comentarista deste blog e agora, blogueira também: “nesse ninho carioca daqui, preferimos ficar bem quietinhos, e a nossa música de carnaval preferida é a dos nossos passarinhos…”

      Wee bird

      Ok, Teresa! Também prefiro essa cantoria…

      Wee bird
      A Rosana Sperotto está no grupo daquelas de “mãozinhas nervosas”, e já antecipa a Páscoa preparando outro tipo de “penosas”:
      O pintinho mal saiu da casca e já enfeita uma guirlanda pascal.
      Ainda na linha, ou nas penas, ou nas duas, vi esta sugestão para fazer em casa, com as crianças, que achei muito divertida:
      A carinha de irritado desse passarinho, não é para menos: porcos verdes, muito gananciosos, roubaram os ovinhos de seu ninho e agora, ninguém poderá deter os penosos, outrora, doces criaturas! Assumiram aquele ditado: “somos bons, mas quando maus somos melhores ainda!” 
      Esse é um novo jogo, que virou mania lá fora: Angry birds.

      No joguinho, os passarinhos atiram-se contra as torres edificadas pelos porcos. Para o projeto de nerd-infomaníaco que tenho em casa, meu filho de 11 anos, um prato cheio!
      A proposta do Make and Takes é fazer um criatório de passarinhos irritados e porquinhos do jogo, usando pompons de lã.
      Depois é só “soltar a franga”, quer dizer: os passarinhos, sobre o castelo de porquinhos.

      Tutorial dos pompons, aqui: Meyamo.
      Mamães e papais corujas entenderão bem, o motivo de tamanha irritação desses ex-doces passarinhos:
      Mãos à obra e, divirtam-se!

        "Passaredo"

        Postado por Laély, no dia 11-12-2010 - Categoria: adesivos,Música,paredes,passarinhos - 6 Comentários
        Esta imagem, do Havtorn Design, consegue transmitir serenidade numa composição muito simples porém, harmônica:
        Cor suave na parede, casinhas de madeira e adesivos de passarinho.
        Então lembrei de Chico, e da música que fez em parceira com Francis Hime-Passaredo(1975-76). Wagner Homem conta uma história curiosa a respeito, no livro História de Canções-Chico Buarque. Peço licença para transcrevê-la, aqui:
        Quando recebeu a música de Francis, Chico achou que ali havia um clima para passarinho. Partiu do refrão “o homem vem aí” e, valendo-se de enciclopédias, dicionários, ornitólogos e amigos, desfilou uma verdadeira coleção de aves brasileiras.
        Para surpresa de muitos que passaram a ver o compositor como um militante ecológico, Chico revelou durante um programa de televisão que não só não entendia de bichos como os detestava. E admitiu até um sacrilégio: deliciou-se com uma capivara assada ao som de sua composição. A vingança viria logo depois, quando, no terraço de sua casa, ouvindo “Passaredo”, um representante dos ofendidos fez cocô na sua cabeça.
        
        Depois dessa, vou dormir assobiando…

          Tuitando…

          Postado por Laély, no dia 09-11-2010 - Categoria: passarinhos - 10 Comentários

          Confesso: abri uma conta no Twitter(@saladala) e meu passarinho deve estar morrendo à míngua. 
          O mundo virtual não fala em outra coisa ou, de outra forma, mas ainda protelo investir mais tempo nisso, pelo mesmo motivo que troco o modelo de celular e acabo não usando nem metade das funções do novo. Digo, que é falta de tempo; na verdade é pura preguiça de abrir uma nova pasta, na minha já sobrecarregada mente, só para guardar mais informações. O único manual de instruções que ainda gosto de usar é livro de receita.
          Mas, o ano ainda não acabou. Quem sabe, uma hora aprendo a pilotar esse passarinho moderno e alço voos mais altos?…
          Por enquanto mostro outros passarinhos, como estes ganchos, frutos do design sueco:

          
          Versão nacional, genérica-simplificada( não menos fofa):
          Tok&Stok

           (Preço Loja, de: R$69,00 por:R$55,00Você compra e retira nas lojas Tok&Stok.)

            Vai um kitsch, aí?…

            Postado por Laély, no dia 01-09-2010 - Categoria: filhos,mesa rústica,Minha casa,paredes,passarinhos,quadros na decoração,salas - 20 Comentários

            Phillippe Stark e seu banquinho kitsch

            Quando se é mais novo e inseguro, a tendência é não arriscar, pelo menos, no quesito moda e decoração.
            Interessante é que, ao mesmo tempo que alguns jovens são capazes de se lançar em aventuras de final imprevisível e, até perigosas, na hora de vestirem a casa e o corpo costumam ser caretas.
            Meu filho do meio, por exemplo: de vez em quando surge com alguma ideia mirabolante.
            Filhos
            Ano passado cismou que faria de bicicleta os 60km que separam nossa casa, em Santa Teresa, do sítio da avó, em Colatina. A estrada é perigosa, cheia de curvas, sem acostamento, com muitas subidas e descidas. Respirei aliviada quando ele desistiu do plano.

            Logo, veio com outro: contou que gostaria de passar as férias na roça, sem TV, sem internet, sem celular ou telefone. Quando perguntei sobre o motivo do isolamento, respondeu que tinha a ver com o seu futuro profissional(?!).
            -Como assim?! continuei.
            -Eu quero saber como é viver da terra…Talvez, faça Agronomia…
            Quase tive um chilique. Nada contra a profissão mas, não me parecia que tivesse algo a ver com o perfil dele.
            Enfim, resolvi deixar o vento soprar no barquinhho dele pra ver em que porto, finalmente, irá atracar. Ele é “sabido”.
            Mas, em relação à arrumação da casa e moda o rapazinho é bem mais tradicional que eu. Vez ou outra implica com alguma roupa que coloco ou, com alguma das mudanças que faço na casa.
            Quando não sabe exatamente que argumento usar para explicar seu desagrado, resume: “tá brega!” diz assim, “na lata!”
            Não esquento. Levo em consideração a opinião dele mas, se não tiver nenhum embasamento, toco pra frente: “brega” porém, convencida.

            Cada dia, aprendemos um pouco; mudamos paradigmas. Se isso pode acontecer comigo, mais avançada em idade, muito mais com ele, um menino de 16 anos!

            Isso tudo pra mostrar um pedaço da minha sala, avisando de antemão: é meio brega, meio kitsch.
            Durante a semana ela vive “às moscas” mas, no fim de semana, transforma-se em estúdio de música ou, local para receber os amigos mais íntimos:

            sala
            Os instrumentos-violão, violino, teclado-ficam todos lá, sempre à mão. Aliás, todos não, porque o menino do meio gosta de chegar da escola e tocar violão no próprio quarto. O meu, que uso menos, resolvi colocar numa capa colorida e integrá-lo à decoração.
            A capa de patchwork é da Farm Rio:
            Capa de violão
            Mãozinha felina ajudou a sustentar o instrumento:
            Gatinho dá uma mãozinha
            Acima do gatinho pendurei uma casa de passarinho porque, nesta casa, diferenças devem ser toleradas e diferentes, tolerantes.

            Casa de passarinho
            Capa de violão
            Apesar de gostar de cor, não escondo meu desgosto por este sofá. Em breve deverá ser trocado por outro, mais neutro.
            O banquinho, feito por artesão aqui de Santa Teresa, é resultado do reaproveitamento de árvores caídas na mata. Aqui, virou mesa de centro:
            Mesinha de árvore reciclada
            Mas, entre os meus sonhos de consumo para a casa, o banquinho de anão de jardim do Philippe Starck não poderia faltar(além, daquela cadeira transparente)!

            Como diz, naquela música dos Titãs:
            Você tem sede de que?
            Você tem fome de que?…

            E você: tem medo de quê?…

              Hora de vestir!

              Postado por Laély, no dia 28-05-2010 - Categoria: organização,PAP,paredes,passarinhos,quartos de criança - 12 Comentários

              Coisa fofa, a forma como este cabideiro foi montado, fazendo um “diálogo” com a imagem na parede: ohdeedohGostou da ideia? Tutorial, aqui

                "A insustentável leveza do ser"…

                Postado por Laély, no dia 09-04-2010 - Categoria: adesivos,crianças,Música,paredes,passarinhos - 16 Comentários

                Não se trata de frase de efeito, mas de um romance de Milan Kundera que marcou o início da minha vida adulta.
                Nada-a-ver, mas tudo-a-ver, pensei que a frase se casaria à imagem: Canadian Home&Country

                Então, que tal uma aventura, mais leve que a indicada no post anterior?
                Se lhes encantaram estes delicados passarinhos é possível fazer adesivos personalizados, em Contact.

                Sugestões de silhuetas, aqui.

                Do livro à parede com pássaros. Dos pássaros à música dos Beatles, interpretada lindamente por um “passarinho”. Uma doce surpresa para o fim de semana:

                  Preparando o ninho…

                  Postado por Laély, no dia 30-03-2010 - Categoria: crochê,Cúpulas de abajur,Na sala dos outros,passarinhos - 21 Comentários

                  A previdente mamãe passarinho, e às vezes também o pai, (dependendo da espécie) costuma preparar um lugar especial para a chegada dos filhotes.
                  Minha amiga Kamila passa por essa fase: trabalha, estuda, cozinha, constrói, prepara e espera…a segunda da “ninhada” está à caminho.
                  Quando me pediu uma sugestão de lembrancinha para maternidade, dividi a responsabilidade com vocês, aqui.

                  Pois bem: ela decidiu. Nada do que foi sugerido, mas, agradecendo a nossa ajudinha, enviou-me as fotos da sua escolha, aproveitando a mesma ideia para enfeitar o bercinho do bebê e a porta da maternidade.
                  Quando me disse que gostaria de fazer um móbile, sugeri-lhe usar bastidor. Ficou assim:Também fez uma guirlanda de feltro e crochê: E as penosas coloridas, que servirão com lembranças: Não sei se alguém percebeu, mas eu sim. Quando vi a primeira foto, meu olho clínico bateu na cúpula de abajur florida, ao lado do berço, “captaram a minha mensagem”? Aceso ou apagado, valoriza qualquer cantinho.No quarto do menino mais velho, ela personalizou outro abajur, aplicando passarinhos:
                  Fiu, Fiu!

                    "Olhar 43"

                    Postado por Laély, no dia 18-01-2010 - Categoria: cores,Filmes,Minha casa,paredes,passarinhos,patchwork,quadros na decoração,salas,vintage - 34 Comentários

                    Não acompanho BBB, mas ontem tive meu momento “celebridade-instantânea”: voltando da minha caminhada com o Hulk, fui parada por uma família, num carro, vindos de Colatina. Estavam visitando a cidade serrana e fugindo do calor. A mulher ( Desculpa: eu esqueci o seu nome. Será que era Renata?…) me disse, animada em me reconhecer e conhecer, que era minha “fã” e que acompanhava o blog, todos os dias. Imaginem, a minha sem-graceza…Quem tem fã é artista!

                    Artista então, somos todos nós, que damos conta de um monte de coisas ao mesmo tempo, combinado?

                    Já pensaram eu, precisando usar óculos escuros para não ser reconhecida, até em lugares fechados e durante a noite?

                    Quero nem pensar…


                    Mas na última noite, acabei usando óculos exatamente assim: num lugar fechado e escuro. Fugindo ao assédio? Também, nem tanto. Estava só me divertindo.

                    Depois de muito ensaio e promessa, finalmente ontem, conseguimos programar as agendas, dos adultos super-ocupados com a dos filhos super-desocupados( estão com as férias contadas)
                    : descemos à tarde para Vitória, arriscando assistir Avatar em 3D. Disse “arriscando” pois, conseguir ingresso para a família toda era tarefa meio difícil. Chegando ao cinema: assentos, apenas para a sessão das 21:40h. Eu, teria desistido e me contentado com Sherlok Holmes, mas a turma topou a espera. Fizemos uma horinha, no apartamento do filho.

                    O filme ameaça quebrar o recorde de bilheteria do próprio Cameron: até agora, já arrecadou mais de US$ 1,6 bilhão, superado apenas por “Titanic”, que rendeu US$ 1,8 bilhão.
                    ( É muito dólar pro meu caminhãzinho!)

                    Apesar do horário, custamos a encontrar um lugarzinho bom numa sala de exibição lotada.

                    Depois, foi sentar na cadeira, colocar nossos óculos especiais e…viajar para Pandora, o planeta fictício criado pelo visionário Cameron.

                    Pandora é um planeta hostil para humanos que, não se contentando em explorar e destruir o próprio, resolvem dominar o povo nativo usando métodos, digamos assim…muito “humanos”.


                    Paradisíaco, selvagem, psicodelicamente colorido e fluorescente: assim, foi o planeta idealizado por Cameron.

                    A relação dos Nav’i com a natureza é, quase que literalmente, umbilical. Nota-se até, uma filosofia panteísta permeando a história.

                    Análises à parte, se o objetivo principal do filme era entreter e divertir, isto foi alcançado com louvor!

                    Terminada a sessão( às 00:25h), achei até que poderia levar os óculos como lembrança. Quem sabe assim, poderia enxergar o mundo à minha volta com outros olhos, tão coloridos quanto Pandora?…Quebrei a cara: já na saída, a moça do cinema recolheu minhas más intenções numa caixa, cheia de outras.

                    O jeito é improvisar, e tentar ver as coisas com estes “olhos que a Terra há de comer”, mesmo.

                    Estava então, sentada na sala acompanhada pelo filho mais velho, quando ele fez uma observação durante o fim de semana:

                    -Você não acha que esta sala está cheia demais, não?

                    -Cheia de quê? contra argumentei.

                    Ele não soube explicar: apenas, apontou as paredes e os detalhes sobre a lareira, que parecia preferir vazias…

                    Admito que sou mulher de fases: sou capaz de passar uma tarde toda pintando, ou pendurando quadros e, chegando ao fim, concluir que ficou tudo uma droga! Aí, é recomeçar o trabalho, depois de pendurar a plaquinha: “sob nova direção”.

                    Então, sugiro que todos coloquem seus óculos de lentes coloridas, para poder julgar com mais condescendência alguns dos meus “excessos” na sala da La( na versão do meu filho)
                    .

                    Depois que guardei o presépio de natal, ocupei a lareira com gaiola e um passarinho fake:
                    Este passarinho já sobreviveu à algumas quedas, precisando de “cirurgias reparadoras”: As flores são fake, como os passarinhos: Mantive as luzinhas de LED, cobertas por fuxicos:Iluminaram a minha tarde:Outro ângulo: Pra ampliar, cliquem na imagem: Os gatinhos e ursinhos, encomendados à Mara Porto, ficaram em cima da lareira, numa convivência pacífica com os passarinhos da gaiolinha rosa: A mesinha de canto: Troquei espelho (novamente!) de lugar: Uma parte da minha parede de quadros( deu pra notar, que sou compulsiva por passarinhos e flores?!): Este quadro de moldura vermelha, foi um antigo trabalho de patchwork que fiz há tempos e, acabei não concluindo o bloco( afinal, não tenho a agilidade das minha amigas Cecília e Helena). A proposta do trabalho é uma aplicação de tecidos, imitando vitrais. Gostava tanto dele, mas estava guardado, sem uso. Não virou panô. Ao menos, virou “quadrô”.

                    O quadro de Klimt,
                    O Beijo, na verdade é uma bela reprodução, bordada pela Sandra Bessi: uma almofada, que também resolvi enquadrar.Até o momento( 18/01/2010, às 18:00h), minha sala está assim: Mas um comichão nas mãos já me “obriga” a pintar a parede, atrás do sofá ( odeio essa cor do móvel, que eu mesma escolhi! Vai entender…).

                    A cor pretendida para a empreitada? Uhm…Digamos, que estou pensando em algo que lembre isto:

                    Tá gostoso?…