Amizade sem fronteiras

Foi, assim:
Lá, nos primórdios do blog, quando fiz a promoção “Que cara tem sua casa” baseada no livro do filósofo Alain de Botton, “A Arquitetura da Felicidade”.
Ganhariam, os autores das melhores frases.
Entre as finalistas uma profissional das palavras; mais, que isso: alguém, que me conquistou pela sensibilidade. Foi afinidade instantânea e recíproca!
Desde então mantemos contato, estreitamos os laços, marcamos até um encontro.
Corajosa veio ela, lá do sul, conhecer a amiga virtual, aqui no ES. Em seguida, minha vez de retribuir a visita.
Depois de mais de 2 anos sem nos ver, achei que já era hora.
Casa da Rosana-RS
Uma filial de casa, em São Leopoldo, RS.
Casa da Rosana-RS
Parece até que foi ontem, que nos despedimos a última vez.
Ainda lembro do chão, com detalhe de mosaico, e do banquinho pintado pela jornalista, mandaleira, cozinheira, crocheteira, arteira…
Casa da Rosana-RS
Mas a parede de pratos foi novidade:
Casa da Rosana-RS
Tantos detalhes, que relembro o texto anterior, da Marta Medeiros: o que faz uma casa feliz não são os objetos, mas as significâncias que damos a cada um, a provocação, a surpresa, o sorriso, a lembrança…
Casa da Rosana-RS
A cortininha sobre a pia, assim como a prateleira, outra intervenção:
Casa da Rosana-RS
Pra cada canto que olho nessa casa vejo significâncias…
Casa da Rosana-RS
Sei, por exemplo, que a moringa sobre a prateleira foi presente meu, da minha última visita.
Casa da Rosana-RS
As palavras, escritas com giz, obra do sobrinho, que sempre lhe faz companhia.
Casa da Rosana-RS
Allain de Botton cita, no referido livro, Sigmund Freud. Segundo esse, ser capaz de amar qualquer coisa atraente, por mais frágil que seja, seria um sinal de saúde psicológica.
Observo tudo e me acho…saudavelmente feliz!
Casa da Rosana-RS
Nessa casa cercada por verde, ao som de tagarelas maritacas, fui recebida com um lauto e gaúcho(redundância?!…) almoço: churrasco!
E, quando acho que nada mais cabe no meu pequeno estômago, eis que a confeiteira( sim, esqueci de mais esse “eira”) desenforma mais uma tentação, escultura doce e gelada:
Na casa da Rosana tem...
Não me fiz de difícil, aliás, é fácil o “sacrifício”.
Depois, como faria na minha casa, levanto e ajudo a tirar a mesa, coloco a mão na água fria, pra lavar a louça e refrescar-me, naquela tarde quente de sexta-feira.
Casa da Rosana-RS
Então nos sentamos na varanda e ficamos ali, jogando conversa fora ou, dentro( daqueles papos, de guardar no coração e memória afetiva…).
Casa da Rosana-RS
Sinto-me privilegiada, especial, por me aproximar de pessoas assim, especiais.
“Para conseguir a amizade de uma pessoa digna é preciso desenvolvermos em nós mesmos as qualidades que naquela admiramos.” (Sócrates)
Estava esses dias papeando com a carioca Milena, outra amiga virtual, que virou real. Ela me escreveu:
“…às vezes somos melhores perto de outras pessoas.
Os amigos nos tornam melhores…”
Complementei, com uma frase da música do Arnaldo Antunes:
“O teu olhar melhora o meu…”
Casa da Rosana-RS
Esse é o meu olhar…
Casa da Rosana-RS
O olhar dela, melhorando e complementando o meu!
Continua…

Leia Mais

Cidade Maravilhosa!

Foi paixão à primeira vista: eu, pelo Rio! Isso, há mais de 20 anos! E depois de tanto tempo, ainda não desencantei. Continuo enamorada, como naquele nosso primeiro encontro.
Não é apenas a luz da cidade, a praia, as montanhas, a história, que esbarra conosco a cada esquina; são as pessoas: os cariocas, sua maior atração.
No Rio, é preciso andar com muito atenção. Não, apenas, por uma questão de segurança mas, de aprendizado.
Olhando para cima…
Largo da Carioca-RJ
(Estátua em bronze, no Largo da Carioca. O pombo é de carne, osso e penas.)
Para frente, ou para o alto há sempre o que admirar…
Pão de Açúcar-RJ
Até nas subterrâneas estações de metrô…
Metrô do Rio
Metrô do Rio
Metrô do Rio
Metrô de Ipanema
Praia de Ipanema, Dois Irmãos, ao fundo
(Praia de Ipanema. Ao fundo, Morro Dois Irmãos)
Marquei de encontrar uma amiga em Ipanema, que me levou a almoçar num acolhedor restaurante na Visconde de Pirajá, a duas quadras da praia:
Market Ipanema-RJ
Market Ipanema passa quase desapercebido a olhares desatentos mas, vale a pena conhecê-lo!
Market Ipanema-RJ
Vá disposto a sentar e aguardar sua vaga numa mesa, porque o restaurate é pequeno, mas disputado. Não irá se arrepender, pela espera.
A amiga virtual( que virou real), a carioca Lucia Simões:
Encontro em Ipanema
Companhia agradável e cardápio delicioso, a começar pela cestinha de pães artesanais, servida com azeite no pratinho.
Pedi um atum em crosta de gergelim e sementes de girassol, mal passado no centro: simplesmente fantástico!
Gostei tanto, que voltei no dia seguinte, dessa vez arrastando o marido, que pediu uma refrescante salada de lentilhas vermelhas com brotos de rúcula, como entrada:
Salada de lentilha vermelha
Lugar frequentado, inclusive, por Marcos Palmeira: demos de cara com ele, à saída.
Depois do almoço com a Lucia, andança pelas ruas do bairro, até a praia.
Numa das esquinas, Du Moscovis na sua lambreta vintage, com a mulher, Cynthia Howllet, na garupa.
Muitas lojas e restaurantes bacanas. Parei pra fotografar o interior deste, com um paneleiro no teto, filtrando a luz:
Lustre paneleiro-Ipanema
Lustre paneleiro-Ipanema
E a parede, na loja Totem-Ipanema, inspirada nos anos 70:
Loja Totem-Ipanema
De Ipanema ao Leblon, um pulinho.
Não resisti a esta escada, na loja Maria Filó( Shopping Leblon):
Escadaria loja Maria Filó-Leblon
Noutro dia de andanças, parei na pequena loja da Saraiva, na Cinelândia. Ambiente acolhedor para um café e leitura, com decoração caprichada:
Saraiva Cinelândia-RJ
Rio antigo estampado na parede:
Saraiva Cinelândia-RJ
Pratos alegram outra:
Saraiva Cinelândia-RJ
E a vista da rua, em frente:
Saraiva Cinelândia-RJ
Centro do Rio
Cada passagem pelo Rio, um pulinho indispensável à mais antiga loja da Granado, bem no Centro da cidade, região de igrejas e prédios históricos:
Centro do Rio
Esta é a entrada do Liceu Literário Português:
Liceu Literário Português-RJ
Liceu Literário Português-RJ
Liceu Literário Português-RJ
Casario antigo:
Casario, Centro do Rio
Casario, Centro do Rio
E, na véspera da prova da meia maratona, encontro com pessoas muito especiais, na Forneria Santa Filomena, para saborear as empadinhas do André Nogal( o brigadeiro de colher, com chocolate belga, é de comer de joelhos!):

Além da comidinha boa e atendimento simpático, vale conferir cada detalhe da decoração, engedrada pela própria Vivianne Pontes, nossa musa bloguística do Dcoração.
Eu, pra variar, acabei esquecendo de colocar o cartão de memória na minha máquina fotográfica. Perdi a chance de registrar tudo. ( As fotos são do site da Forneria)
Entrada:

Banheiro feminino:

Mais fotos detalhadas do interior do restaurante, aqui!
Um delicioso encontro:

Milena Orlando, Kátia Bonfadini, Vivianne Pontes e eu!
Não é pra amar a Cidade Maravilhosa, de pessoas maravilhosas?…

Leia Mais

Comida de domingo

“Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.” – Eduardo Galeano
Lembro de haver lido essa frase em algum lugar e anotado na minha agenda mas, se somos o que fazemos, devo sofrer de personalidade múltipla: interesso-me por assuntos tão diversos à minha profissão e faço tantas coisas “nada-a-ver” que, já não sei bem quem sou. Como Raul Seixas, uma “metamorfose ambulante”, quem sabe?
Ontem foi a vez de ser a padeira.
Talvez por influência dos programas de culinária e gastronomia que tenho assistido ultimamente ou, pela hora-bônus do final do horário de verão ou, o ensolarado domingo, animei a passar o dia na cozinha.
E como aquela hora a mais rendeu!
Para o almoço:
Almoço de domingo
Purê de batatas, brócolis e medalhão de filé com manteiga de ervas*. Como é casa de brasileiro, também não faltou arroz integral e lentilha.
*Para a manteiga de ervas:
Deixe a manteiga em temperatura ambiente, pique as ervas de sua preferência( usei o que tinha na horta: sálvia, manjericão e alfavaca) e misture. Transfira tudo com uma espátula e coloque sobre filme plástico: com a ajuda do plástico molde um salame, fechando as bordas( para que a manteiga não vaze e mantenha a forma cilíndrica). Leve à geladeira, ou congelador, até endurecer. Na hora de usar é só desembrulhar, fatiar na espessura desejada e colocar sobre o filé, ainda quente.
De sobremesa fiz bolo americano de chocolate, uma receita que sempre dá certo:
Bolo americano de chocolate
A cobertura é ganache de chocolate.
A reação química entre o leite azedo, chocolate e bicarbonato dão a esse bolo uma bonita cor marrom avermelhada:
Bolo americano de chocolate
Enquanto encaminhava o almoço, resolvi fazer os pães. Comecei pelo australiano, meu preferido. A receita já foi explicada, aqui.
Pão australiano
É um pão bastante substancioso e perfumado, pois leva: cacau, mel, café instantâneo, pitada de canela, açúcar mascavo, além de farelo de trigo e trigo integral.
É a minha fatia de prazer permitida, no dia: saboreio-a, junto com uma boa lasca de queijo branco, no meio da manhã.

Coloquei os ingredientes do pão australiano na panificadora e me pus a bater à mão a massa do pãozinho de leite, um pedido do meu menino. Essa receita é uma das mais antigas aqui do blog, sem dúvida, sucesso entre as crianças!
Pão australiano e pão de leite
Tenho evitado embutidos, principalmente, salsichas, mas para o recheio usei mini-salsichas de frango, sem corante, com requeijão Catupiry.
Pão de leite
Revelando-se:
Pão australiano e pão de leite
Como sobrou bastante purê de batata do almoço, resolvi arriscar e fazer um pão de batata, sem receita: aproveitei o purê e adicionei ovos, um pouco de óleo, fermento, trigo e, não é que deu certo?
No forno
Só tenho comido pão integral, mas provei uma fatia, assim que saiu do forno( um “sacrifício”, por uma causa científica!):
Pão de batata
Ok. Passou no teste de maciez e qualidade!
Então, podem me perguntar:
“Mas como se faz dieta, cozinhando essas coisas?”
O segredo está no equilíbrio. Descobri que me satisfaz comer um tabletinho de chocolate meio amargo com pimenta, meu preferido, quando tenho vontade! É um pequeno prazer que não ameaça minha dieta( mas, só de vez em quando!).
A outra dica é exercitar o desapego: você faz, pelo simples prazer de cozinhar e depois, divide! Presenteia uma amiga com uma fatia de bolo, para um outro, dá um pedaço de pão, e assim, “mata 2 coelhos, de uma vez só”: agrada uma pessoa querida e, de quebra, fica longe da tentação de comer algo mais calórico, o resto da semana!
Foi o que fiz semana passada:
Levei pão caseiro, biscoitos e geleia de Santa Teresa para a amiga Taia, do blog Epa e Taia pelo Mundo.  Combinamos um encontro, em Vila Velha, para nos conhecer pessoalmente: foi tudo uma delícia, com gosto de “quero mais”!
Eu e Taia

Leia Mais

"Divinha donde…"

Há certas palavras que enchem a boca de cócegas, de tão gostosas de falar: pipoca, paquera, soneca, vintage, claraboia…

E claraboia, além de tudo, é chique demais: uma abertura no teto, que permite a passagem de luz natural e/ou ventilação.
Revendo meu arquivo de fotos percebi que havia deixado várias, da minha viagem ao Rio, para trás.
Proponho uma brincadeirinha de adivinhação, para os que conhecem a cidade. Àqueles que não a conhecem, vale a dica de passeio.
A seguir, algumas claraboias de edifícios históricos no centro do Rio. Adivinhem, se puderem…

Real Gabinete Português de Leitura-RJ

Entrar nesse edifício, faz-nos esquecer que estamos no século XXI e, em pleno centro da cidade: um silêncio ensurdecedor. A instituição foi fundada 1837( 15 anos após a proclamação da República), por um grupo de emigrantes portugueses.

Esta outra não exibe vitral tão rico quanto o anterior, mas a luz que adentra o prédio do início do século XX é muito agradável:
CCBB-RJ
Reformado há pouco, esse tradicional edifício conta com uma programação cultural variada, como: exposições, apresentações de teatro, cinema e música, visitas guiadas, além de ter biblioteca e restaurante.

Esta última claraboia fica num lugar movimentadíssimo! 
Cúpula da Confeitaria Colombo-RJ
Em estilo art nouveau, seu mezanino é local disputado e os corredores, no térreo, ficam abarrotados de turistas, ávidos por saborear os quitutes lá servidos.


Com tantas dicas, ficou fácil, não?


A primeira claraboia fica numa biblioteca, onde o mais ilustre dos poetas portugueses ilustra um ponto no teto:
Real Gabinete Português de Leitura
Entrar naquele salão, de pé direito tão alto, coberto por tantos livros, faz-nos sentir pequenos.
Real Gabinete Português de Leitura
Estou falando, do Real Gabinete Português de Leitura:

Real Gabinete Português de Leitura-RJ

O segundo prédio é o Centro Cultural Banco do Brasil:


(Imagem: dAqui)

Vale a pena, estando no Rio, conferir a programação cultural do CCBB.

E a última dica é a tradicional confeitaria Colombo:
Colombo-RJ
Os corredores ficam sempre cheios:
Colombo-RJ
Impressionou-me, a altura desse armários de vidro:
Colombo-RJ
Na minha passagem pela cidade, encontro com duas queridas:
Encontro no Rio
Milena, recente mãe do Felipe, e Cecília, do Quilts são eternos.

O local do encontro foi mudado, na última hora, para uma confeitaria em frente à Colombo, mais tranquila àquela hora.
Leia Mais

"As preferidas do chef"

Pernas, pra que te quero?

Meia pata multicor

Para escondê-las sob uma saia longa, coberta de corações:
Saia romântica
‘Paixonei nessa estampa e no movimento que a saia ganha, ao andar.
Blusa de malha e cinto de veludo: Dress To
Saia longa: Dimpy
Sandália meia pata: UZA

Falando em bater perna, esta semana fui à Vitória e encontrei a Ivanete, fonoaudióloga que conheci através do blog e está sempre por aqui, comentando. 
Depois da sessão de cinema, pausa para uma conversa, Coca-Cola e passeio pela livraria do shopping:
Encontro com a Ivanete em Vitória
Ficamos numa sessão que é a nossa cara: Infantil.
Mas o que acabei mesmo levando foram 3 livros de culinária. 
Acho que precisaria de um projeto, tipo o que Julie Powell fez com o livro de Julia Child, para dar conta de executar as receitas dos últimos livros adquiridos. 
Folheio as páginas, admiro as fotos, analiso os ingredientes, salivando e planejando: 
“Quando tiver mais tempo quero fazer essa receita, ou essa, ou outra…” Dúvida cruel. E deliciosa!
Mas, numa coisa não teria dúvida!

Imagine se você precisasse correr ao supermercado mais próximo para comprar fermento porque, justo na hora de fazer um bolo, percebeu que não o tinha em casa. Saiu sem pentear os cabelos, de chinelos mesmo e, naquele moletom velhinho.
Enquanto escolhe o fermento na gôndola do mercado, eis que aparece à sua frente um homem lindo, loiro, de olhos azúis, fala mansa, perguntando se não gostaria de uma ajuda para o jantar?
Que resposta daria ao educado chef, diante das câmeras de TV( esquecendo o mico!)?
Esse é o mote do programa de Curtis Stone, Chef a Domicílio, no Discovery Traveling&Living.

Mas agora, acorde! O gato, quer dizer, o chef australiano ainda não fez nenhum programa no Brasil. Mesmo assim, quer levá-lo para casa?
Para não criar celeuma e ciúme, levei apenas o livro:   
Belo livro!
Receitas doces, salgadas, ideias para lanches rápidos, preparo de carnes, frutos do mar, biscoitos: o livro é bem variado.
Cookie de manteiga de amendoim com pedaços de chocolate
Eu amo cookies! 
Curtis Stone
E rosa!

Ainda não pude testar nenhuma dica do loiro, mas deixo estas panquecas quentes com mirtilo:
Panqueca quente com mirtilo
Descrição do próprio Curtis:
“A ricota torna esta panqueca tão macia quanto um travesseiro…os mirtilos…à medida que esquentam durante o cozimento, se rompem e liberam seu suco, tornando as panquecas suculentas e leves. O sabor fresco de hortelã e a adstringência do iogurte natural não as deixam ficar doces demais.”


Não tem mirtilos? Faça-a com morangos!
Panqueca quente de mirtilo
Então leve a receita pra casa, teste-a e diga se ele tem razão.
Leia Mais