Casa de estilo

O Facebook vive de futilidades, mas tem lá suas utilidades.
Foi onde conheci o projeto “Toy Stories“, do italiano Gabriele Galimbert, que fotografou crianças ao redor do mundo, acompanhadas de seus brinquedos favoritos:

A espontaneidade em retratos remeteu-me ao trabalho de outro fotógrafo, Todd Selby, que se propõe mostrar casas criativas de pessoas criativas, no site The Selby.

Um dos destaques foi Rita Konig, escritora e designer de interiores, que criou um espaço feminino e acolhedor na charmosa Manhatan :






Leia Mais

Aprendendo com Gaby

A palavra “cool” tenta definir o indefinível; aquela reação, ao vermos algo que desperte nossos sentidos e nos faça exclamar: “Uh, que bacana!”
Gaby Amarantos é “over” mas também, “cool”!
Está na TV, rádios, revistas…
Com 1,66m e 76Kg a cantora foge do padrão de beleza convencional, mas demonstra não se importar muito com isso:
“Meu peso não me incomoda; isso só incomoda os outros”, assim declarou à revista Cláudia ( edição de julho), quando foi desmontada…

E remontada (com direito à decotão e casquete com LED), em toda sua exuberância!
Gaby Amarantos
Neta de escrava, mãe solteira, cheinha, Gaby não se rendeu ao que chamou de “coitadismo”. “Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”.
Mesmo não sendo fã do techno-brega, confesso-me fã dessa mulher de atitude!
Apesar do visual “poluído”, montado, quase uma “drag queen” a moça nasceu para brilhar!
Parodiando aquela propaganda de shampoo, se não fosse assim, não seria tão Gaby!

Para alguns parece simples sair do padrão e, mesmo assim, não causar estranheza; chamam a atenção, pela espontaneidade com que se assumem diferentes. Isso pra mim é ser “cool”.
Isto pra mim é ser “cool”:
Photobucket
Um flat antigo, em Buenos Aires, ganhou jovialidade e descontração com pinceladas de vermelho no branco e muito bom humor.
O mix de texturas, sofás de diferentes épocas, padronagens de tecido não pesou, na decoração da sala: contribuiu, o aproveitamento da luz natural e a parede rústica de tijolos, pintada de branco.
Na sala de jantar, prateleiras deixam toda a louça à mostra, e a mesa antiga convive bem com as cadeiras estilo escritório:
Photobucket
Três pendentes de luz vermelhos destacam a cozinha americana. O letreiro de lanchonete dita o tom de descontração.
Photobucket
Na varanda, toldo listrado de vermelho controla a entrada de luz. Espaço para cultivar temperos e espreguiçar no sofá:
Photobucket
Não é cool?

Via Full House e Remodelista.

Leia Mais

Estúdio colorido

O blog Thompson Family está nos meus preferidos há bastante tempo.
Os anos 60 são referência para o trabalho e decoração da casa de Danielle Thompson, a autora do blog.
Neste projeto pessoal, um quartinho virou estúdio e brinquedoteca: liberdade para misturar cores e estampas criando um ambiente alegre, lúdico e bem feminino.
A seguir, um resumido tour pelo estúdio:
IMG_2851
Lembra algumas imagens de casas escandinavas que costumamos ver por aqui, com paredes brancas, salpicadas de cores e flores.
A poltrona com pés de ferro é cheia de graça.
Papel, tecido, estampas vintage: tudo junto e misturado!
Cortinas pra todo lado: em cima(bandô florido vermelho e estampa gráfica contrastante), em baixo( sob a mesa de trabalho escondendo baguncinhas, muito provavelmente).

Ah, mas o que me deixou mais apaixonada foi este lustre de vime, com aplicação de pompons gigantes:
IMG_2854
O armário é bem antiguinho. Danielle aproveitou as portas de vidro para expor seus materiais coloridos e aplicou papel estampado nas laterais, amenizando assim o ar sisudo da madeira escura.
IMG_2907
Mais cortina e pompons:
IMG_2878
Ela gosta de bonecas, e a casinha delas não poderia ficar de fora dessa reforma:
IMG_2922
Noutro armário antigo, o toque de cor e alegria ficou por conta da aplicação de botões de flores de plástico nos puxadores de madeira:
IMG_2923
Detalhe exclusivo e fofo!
IMG_2885
Amei tudo!
Mais detalhes, aqui!

Leia Mais

Rita Lobo, na Estilo

Falar de alguém que admiramos é fácil. Por isso a mencionei várias vezes aqui, começando com uma resenha sobre “A “Conversa chegou à cozinha”, lançado de 2008:

O post acabou perdido na mudança de layout do blog, mas o livro é de crônicas, todas, escritas por Rita Lobo e, claro, concluídas com uma receitinha deliciosa.
Na Estilo desse mês podemos conhecer um pouco da intimidade dessa ex-modelo, mãe, dona de casa, escritora, autora do site de culinária Panelinha e, mais recentemente, apresentadora do programa Cozinha Prática, no GNT, na matéria:
Casa da Rita Lobo, na Estilo
O programa (que vai ao ar às noites de quinta) é gravado no próprio apartamento de Rita, localizado num prédio dos anos 60 no bairro dos Jardins, SP.
Antes que se mudasse com a família para lá, o apartamento passou por uma reforma: a parede que separava a cozinha da sala de jantar foi derrubada, integrando assim os dois ambientes, afinal, para Rita, a cozinha é a alma da casa!
Casa da Rita Lobo, na Estilo
Bem iluminada e ventilada, a única coisa que a separa dos demais ambientes é a bancada de madeira rústica( freijó maciço):
Casa da Rita Lobo, na Estilo
As banquetas no chão de madeira convidam a uma conversa informal, enquanto a comida é preparada.
Na parede lateral da cozinha, pintada com tinta esmaltada verde-escolar, Rita anota a agenda das crianças e os ingredientes que precisa comprar:
Casa da Rita Lobo, na Estilo
Muitas das peças e móveis do apartamento foram garimpados pela própria Rita. Este lustre de murano da sala de jantar foi arrematado, depois de 2 anos de persistentes visitas a um antiquário:
Casa da Rita Lobo, na Estilo
A mesa é uma Saarinen( do finlandês Eric Saarinen, anos 50) e as cadeiras tubulares com encosto de palha, da década de 20:
Casa da Rita Lobo, na Estilo
Das suas andanças pelo mundo Rita guarda lembranças, exibidas pela casa. Durante a reforma, algumas paredes foram descascadas até os tijolos:
Casa da Rita Lobo, na Estilo
Na revista Estilo desse mês, mais fotos( em melhor qualidade) e detalhes.

Então, sempre que posso, às quintas aguardo ansiosamente Rita vir à minha casa, com alguma receita fácil e dica de culinária imperdível.
O “pão piadina” virou queridinho, desde a primeira vez que o fiz:
Taco de carne no pão piadina
Já experimentei a massa integral mas, para fazer o taco, uso fubá, na mesma proporção ensinada na receita( 2 xícaras de trigo branco+1 xícara de fubá. Nesse caso, a quantidade de leite diminui, para 1 xícara).
Taco de carne no pão piadina
Tacos de carne, no pão piadina integral( ou, de fubá) são uma excelente opção de almoço, ou lanche:
Taco de carne no pão piadina
Refeição leve, completa e gostosa! Dica da Rita.
Quer saber como faz? Aqui:

Leia Mais

Herchcovitch, no “The Selby”

Não faz muito tempo a Vivianne Pontes, Dcoração, fez uma série interessante de posts discutindo, se: “Gosto se Discute” parte I, II, III, com direito a desdobramento em comentários, na parte IV. Só para constatarem que o assunto rende e, muito provavelmente, nunca chegaremos a uma conclusão definitiva( ainda, bem!)…
Foi o que lembrei, quando vi o apartamento que o estilista Alexandre Herchcovitch divide com o antiquário Fábio Souza, em São Paulo.
Para retratar um artista, outro, não menos: o fotógrafo americano Todd Selby, mais conhecido pelo site The Selby is in your place. Mais que retratar casas, Selby retrata estilos de vida de pessoas criativas ao redor do mundo. Ano passado, em setembro, ele visitou o Brasil para participar de um evento organizado pela Casa&Jardim, ocasião em que foram feitas as fotos.

O tour pelo apartamento de Herchcovitch a princípio poderia causar uma certa estranheza: “será, que isso funciona?” Uma mistura de vintage e kitsch que, com certeza, foge ao lugar comum: questão de treinar o olhar, para encontrar o belo nas entrelinhas? Pois, como escreveu Exupèry: “O essencial é invisível aos olhos”.

Eu, por exemplo, jamais imaginaria instalar uma barbearia num dos cômodos da casa:

Mas amei a hortinha de temperos cultivada por ele, na varanda:

A cozinha pareceu-me clean, mas o detalhe fofo da lixeirinha “Hello Kitty” denuncia um algo mais( além da roupa do “cozinheiro”, nada convencional!)…

Teto trabalhado e cadeiras “Chair”, do designer francês Xavier Pauchard para Tolix, na sala de jantar:

Isso é que é “pisar no tapete vermelho!

Um charme, essa porta vai-e-vem que separa a copa:

A sala é dramática, superlativa, “over”, com paredes desgastadas, quadros e cheiro de museu; mas a casa deve reproduzir a personalidade de seus moradores, então, o que poderia nos parecer “estranheza” caberia muito bem na rotina de outro, diferente de nós!

Achei interessante essa mistura eclética de peças de design, como a poltrona “Mole”, de Sérgio Rodrigues, convivendo pacificamente com peças vintage, obras de arte, cartuns…

Uma tradicional poltrona capitonê, o ícone do “fast food” americano e um lustre, estilo “art nouveau”:

Uma miscelânea de estilos, origens e épocas diferentes que se repete no quarto:

Gostei da ideia da sobreposição de espelhos, ampliando e enfeitando o banheiro:

Só como curiosidade, para provar que paixão por sapatos não é “coisa só de mulher”, o armário dele:

Caso a apreciação não tenha sido unânime cito Alain de Botton, em “A Arquitetura da Felicidade”(Ed. Rocco, 2006):
“Stendhal propôs a expressão mais cristalina da íntima associação entre gosto visual e os nossos valores quando escreveu: ‘O belo é a promessa da felicidade’.”
E completa outro parágrafo, com o mesmo escritor francês:
“Existem tantos estilos de beleza quanto visões de felicidade”.

Então, se a casa é o palco para exercer com maestria essa “felicidade”, palmas para Alex!

Selby costuma fazer anotações usando canetinhas coloridas, no rodapé do post: é um “quizz” divertido, retratando os hábitos e preferências dos moradores.
Ele pediu a Alexandre uma receitinha brasileira, que pudesse ser feita em casa.
Nada mais típico que o nosso brigadeiro. Até aí, nenhuma novidade: todo mundo conhece a tradicional receita com leite condensado e chocolate, mas o estilista costuma acrescentar mel à sua.

Se tiver de responder a um “quizz” sobre meu filho mais novo perguntando qual o doce preferido dele, tenho certeza que acertaria: brigadeiro ganha de “lavada”, talvez, seguido por pudim de leite. Resolvi, então, testar a dica do Hertchcovitch e, surpreendi-me com a cremosidade e maciez deste docinho!
Brigadeiro com mel
Reparem, na qualidade do “puxa”:
Brigadeiro com mel
Vamos à receita?:
Brigadeiro com mel( by Alexandre Herchcovitch)
-1 lata de leite condensado
-4 colheres de sopa  de chocolate em pó
-1 colher de sopa de manteiga( ele usa a Président, com sal, mas, como “nóis é mais povão”, vamos substituí-la por outra marca porque, deixar de fazer não pode, né?)
-1 colher de chá de mel
Misture tudo numa panela e leve em fogo brando, mexendo sempre até desgrudar do fundo.
Deite sobre um prato, untado com manteiga, e espere esfriar para enrolar os docinhos( dá pra esperar, por favor?!…).
Coma!
Brigadeiro com mel

Esse, não há o que discutir: é beeem gostoso! Um brigadeiro com assinatura e estilo, pra chamar de seu!
Sejam felizes!

Leia Mais