Herchcovitch, no “The Selby”

Não faz muito tempo a Vivianne Pontes, Dcoração, fez uma série interessante de posts discutindo, se: “Gosto se Discute” parte I, II, III, com direito a desdobramento em comentários, na parte IV. Só para constatarem que o assunto rende e, muito provavelmente, nunca chegaremos a uma conclusão definitiva( ainda, bem!)…
Foi o que lembrei, quando vi o apartamento que o estilista Alexandre Herchcovitch divide com o antiquário Fábio Souza, em São Paulo.
Para retratar um artista, outro, não menos: o fotógrafo americano Todd Selby, mais conhecido pelo site The Selby is in your place. Mais que retratar casas, Selby retrata estilos de vida de pessoas criativas ao redor do mundo. Ano passado, em setembro, ele visitou o Brasil para participar de um evento organizado pela Casa&Jardim, ocasião em que foram feitas as fotos.

O tour pelo apartamento de Herchcovitch a princípio poderia causar uma certa estranheza: “será, que isso funciona?” Uma mistura de vintage e kitsch que, com certeza, foge ao lugar comum: questão de treinar o olhar, para encontrar o belo nas entrelinhas? Pois, como escreveu Exupèry: “O essencial é invisível aos olhos”.

Eu, por exemplo, jamais imaginaria instalar uma barbearia num dos cômodos da casa:

Mas amei a hortinha de temperos cultivada por ele, na varanda:

A cozinha pareceu-me clean, mas o detalhe fofo da lixeirinha “Hello Kitty” denuncia um algo mais( além da roupa do “cozinheiro”, nada convencional!)…

Teto trabalhado e cadeiras “Chair”, do designer francês Xavier Pauchard para Tolix, na sala de jantar:

Isso é que é “pisar no tapete vermelho!

Um charme, essa porta vai-e-vem que separa a copa:

A sala é dramática, superlativa, “over”, com paredes desgastadas, quadros e cheiro de museu; mas a casa deve reproduzir a personalidade de seus moradores, então, o que poderia nos parecer “estranheza” caberia muito bem na rotina de outro, diferente de nós!

Achei interessante essa mistura eclética de peças de design, como a poltrona “Mole”, de Sérgio Rodrigues, convivendo pacificamente com peças vintage, obras de arte, cartuns…

Uma tradicional poltrona capitonê, o ícone do “fast food” americano e um lustre, estilo “art nouveau”:

Uma miscelânea de estilos, origens e épocas diferentes que se repete no quarto:

Gostei da ideia da sobreposição de espelhos, ampliando e enfeitando o banheiro:

Só como curiosidade, para provar que paixão por sapatos não é “coisa só de mulher”, o armário dele:

Caso a apreciação não tenha sido unânime cito Alain de Botton, em “A Arquitetura da Felicidade”(Ed. Rocco, 2006):
“Stendhal propôs a expressão mais cristalina da íntima associação entre gosto visual e os nossos valores quando escreveu: ‘O belo é a promessa da felicidade’.”
E completa outro parágrafo, com o mesmo escritor francês:
“Existem tantos estilos de beleza quanto visões de felicidade”.

Então, se a casa é o palco para exercer com maestria essa “felicidade”, palmas para Alex!

Selby costuma fazer anotações usando canetinhas coloridas, no rodapé do post: é um “quizz” divertido, retratando os hábitos e preferências dos moradores.
Ele pediu a Alexandre uma receitinha brasileira, que pudesse ser feita em casa.
Nada mais típico que o nosso brigadeiro. Até aí, nenhuma novidade: todo mundo conhece a tradicional receita com leite condensado e chocolate, mas o estilista costuma acrescentar mel à sua.

Se tiver de responder a um “quizz” sobre meu filho mais novo perguntando qual o doce preferido dele, tenho certeza que acertaria: brigadeiro ganha de “lavada”, talvez, seguido por pudim de leite. Resolvi, então, testar a dica do Hertchcovitch e, surpreendi-me com a cremosidade e maciez deste docinho!
Brigadeiro com mel
Reparem, na qualidade do “puxa”:
Brigadeiro com mel
Vamos à receita?:
Brigadeiro com mel( by Alexandre Herchcovitch)
-1 lata de leite condensado
-4 colheres de sopa  de chocolate em pó
-1 colher de sopa de manteiga( ele usa a Président, com sal, mas, como “nóis é mais povão”, vamos substituí-la por outra marca porque, deixar de fazer não pode, né?)
-1 colher de chá de mel
Misture tudo numa panela e leve em fogo brando, mexendo sempre até desgrudar do fundo.
Deite sobre um prato, untado com manteiga, e espere esfriar para enrolar os docinhos( dá pra esperar, por favor?!…).
Coma!
Brigadeiro com mel

Esse, não há o que discutir: é beeem gostoso! Um brigadeiro com assinatura e estilo, pra chamar de seu!
Sejam felizes!

Leia Mais

Color blocking

A mistura de cores fortes promete ser a febre do próximo verão.
Antes mesmo que a poderosa perua Teresa Velmont arrasasse em seus modelitos de cores impactantes, Frida Khalo já era a referência:


Fotografia: Nickolas Muray (1939) 

E por que não aplicar a ideia na decoração?

Apartment Therapy
Minha aplicação foi bem mais modesta. Poderia dizer até que, estaria mais para Cantão blocking, que color blocking:
Color blockingColor blocking

Camiseta, calça e bolsa: Cantão
Rasteira: Luíza Barcelos


A tendência invadiu a underwear. A coleção Lace Colors traz Gisele e lingerie, disponíveis em 7 cores diferentes: pink, verde, azul, amarelo, uva, acerola e preto. 
Essa dá vontade de mostrar.
Assim como os detalhes da bolsa e rasteira:
Bolsa e rasteira
Purpurina
Esmalte: “Cashmere”, Colorama

Então, coloque o seu bloco na avenida, para desfilar e arrasar no fim de semana! 
Leia Mais

Desconectados

Estreia logo mais, a nova fase da velha novelinha teen Malhação. Como sempre, faz-se suspense em torno do que já se sabe: novos atores( às vezes, velhos!), nova direção, novo roteiro, mas tudo, com o mesmo PGI(Padrão Globo de Idiotice)


Analisando a grade da programação infantil da emissora, difícil crer que seja aquela mesma, a responsável por produções tão caprichadas quanto Cordel Encantado.
Os apresentadores da TV Globinho, por exemplo, parecem seguir à risca alguma plaquinha, escondida no estúdio: “Sorria, você está sendo filmado!” Que forçados!
E os filmes da “Sessão da Tarde”: quem os assiste?…

Outro dia, seguindo de carro para Vitória tentei sintonizar as rádios locais. Nada diferente, de: sertanejo, música gospel, pagode.
O que me fez lembrar da antiga propaganda da Tostines e desejar perguntar ao sábio guru:
-Toca-se apenas esse tipo de música porque é o que o povo gosta de ouvir, ou, eles só ouvem isso porque é a única opção que lhes dão?…

A resposta pode estar na piora da qualidade da TV, dependendo da hora do dia: é o IBOPE, quem decide o que vamos ver e ouvir.
Seriam nossos gostos pessoais, então, meras projeções da mídia?…
Não se sabe. Mas seria presunção minha achar que “descobri a pólvora”, numa conclusão tão simplista. Foi apenas um argumento retórico.

Independente do meu gosto e/ou opinião, há promessas de novidades para a novelinha da Globo:

Investir na interatividade, suspense e paranormalidade, esperando assim atrair o público adolescente. A palavra-chave, é: Conectados.

Mas aqui, é justamente o contrário!
As salas de jantar, encontradas no Bolig Plus, exibem a mesma ideia: cadeiras desconectadas, mas que juntas podem fazer um bom papel.

Lyseblå  himmel

Svensk landstil
Skien
Gammel tapet
Tapetserte bordben
Vintagetapet
O que vale é o conjunto da obra.
Leia Mais

A(con)chegue-se!

Esta semana tem sido apertada. Tá sobrando compromisso, no fim do meu dia. Isso porque, além de casa, trabalho, blog, minha atual meta é manter um disciplinado treino para voltar à antiga boa forma.
Mas há quem insista em “boicotar” meus planos…

Jantarzinho

O frio finalmente começou a dar as caras por aqui e hoje, depois de um dia cansativo de trabalho, não resisti à tentação ao chegar em casa e encontrar sobre o fogão uma panela com capeletti, já preparado. Santa Rose! 
O caldinho com essa massa artesanal, tão tradicional aqui em Santa Teresa, é carinho para o estômago, principalmente em noites de frio! Para acompanhar: chazinho de cidreira, pão preto com margrina e uma fruta de sobremesa.
Depois desse jantar de rainha, só me basta uma cama bem quentinha:
Caminha musical
Hoje eu vou dormir mais cedo(prometo-me isso todos os dias, sem contudo conseguir cumprir!)
Se alguém for ficar por aí, puxe uma cadeira e, sinta-se à vontade…
Leia Mais

Assentos de patch

Mostrei aqui, o passo a passo de uma transformação que fiz, nos assentos das cadeiras da minha cozinha. Na última vistoria, vi que pelo menos 1 delas precisaria ser re-renovada.
Uma cadeira comunzinha pode ganhar ares de trono usando tecido e bom gosto, como o patchwork feito nestes assentos:
Anna Maria Horner
Uma boa maneira de reaproveitar sobras de tecidos. Que tal?

Leia Mais