“Legião Política”

Abro o jornal, todos os dias, e vejo tanta notícia ruim! Especialmente, em relação aos jovens.
Só neste sábado:
Jovem de 21 anos é presa ( depois de sair da cadeia há cerca de 6 meses), acusada de tráfico e suspeita de assassinato/ Duas amigas adolescentes, de 14 anos, fogem de casa e simulam sequestro pra justificar o sumiço à família/ Garoto de 15 anos é suspeito de chefiar quadrilha acusada de cometer sequestros relâmpago/ Seis adolescentes detidos por desacato à guarda/ Alunos de 13 anos levam arma à escola…
Depois de tudo isso eu poderia ser comparada àquelas mulheres ranzinzas, com uma das mãos no quadril, a outra ao céu, clamando: “No meu tempo não era assim! Aonde iremos parar?”
Mas recobro a esperança na humanidade, especialmente, nos jovens pensantes deste país, ao chegar à página 26 do jornal “A Gazeta” (ES), na seção “Política”, em “Outro Olhar”, e ler o artigo escrito por um universitário, de apenas 2o anos: Gabriel Tebaldi!
De tão bom, gostaria de reproduzi-lo, aqui. Ei-lo!

Legião Política

O cenário brasileiro mostrou-se afinado com as canções de Renato Russo, cujo filme estrou ontem, compondo uma trilha sonora digna de longa metragem

Ontem, a vida de Renato Russo tomou os cinemas do país. Foi a estreia do filme que conta a história do vocalista da Legião Urbana. Em homenagem, o cenário brasileiro mostrou-se afinado com as canções de Renato, compondo uma trilha sonora digna de longa metragem.

A educação é a primeira a receber os tons da Legião. De Mimoso do Sul vem o caos: enquanto a escola municipal não é reformada, alunos de 1ª a 5ª série estudam num antigo curral e bebem água de um córrego onde já se encontraram animais mortos. Ainda sem planilha de custos para obra, o máximo que a prefeitura garante é a construção de um poço artesiano. O descaso e a ineficiência do poder público com o chamado “futuro da nação” matam a esperança e levam aos acordes de “Mais uma vez”: “Se você quiser alguém em quem confiar / confie em si mesmo”.

O filme de Renato Russo declara: ?Somos tão jovens?. Já o nosso script do dia a dia não poderia ser outro: ?Que país é esse??
A certeza da beira do abismo ganhou a mídia nesta semana e tem nome: Gabriela Natália. Ou Lola Benvenutti. Formada em Letras, Gabriela é garota de programa e explica o porquê: “Dando aula você quase não se sustenta”. A professora diz que, quando ingressou na UFSCar, sonhava em mudar o país. Diante da realidade, Renato Russo cantou “Índios”: “Nos deram espelhos / e vimos um mundo doente. / Tentei chorar / e não consegui”.

A informação também vive ameaçada. E não só pela censura de quem diz já ter lutado por liberdade. Em 2012, o Brasil foi o terceiro país onde mais jornalistas foram mortos, perdendo apenas para Síria e Somália. Assim, vive-se o conflito entre a missão de informar e o desejo de viver. A canção “Há Tempos” compõe a vinheta do jornalismo: “Há tempos nem os santos têm ao certo a medida da maldade / Só o acaso estende os braços / A quem busca abrigo e proteção”.

Indiferente a tudo e todos, os senhores de Brasília vivem o inacreditável, como Renan Calheiros (PMDB), que tem, em sua residência oficial, um mordomo cujo salário é de apenas R$ 18 mil. Despreocupadas com a realidade, as excelências comemoram os “avanços” que só os números veem. A música da festa é “Perfeição”: “Vamos celebrar a estupidez do povo / nossa polícia e televisão / Vamos celebrar nosso governo / e nosso estado que não é nação / Celebrar a juventude sem escolas / as crianças mortas / Celebrar nossa desunião”.

Por aqui, bandidos condenados têm Legião. Mas não Urbana, e sim de fanáticos que esqueceram o bom senso no mesmo lugar onde colocaram uma estrela no peito. Assim, os defensores de Dirceu, Delúbio e Paulo Cunha travam batalhas contra quem for, seja jornalista seja ministro do STF. As aberrações têm grito de guerra: “Dirceu, guerreiro do povo brasileiro”. Mas, para os soldados lunáticos, melhor seria “A Canção do Senhor da Guerra”: “Existe alguém / que está contando com você…/ Já que nessa guerra / não é ele quem vai morrer./ E quando longe de casa…/ O inimigo você espera / Ele estará com outros velhos / Inventando novos jogos de guerra”.

Além do exposto, uma questão instiga: como Renato, homossexual assumido, se manifestaria diante do levante fundamentalista no tema? Na próxima semana será votada a proposta que autoriza psicólogos a tratarem gays como doentes. A bancada religiosa, que esquece a laicidade do Estado, celebra a situação. Nosso vocalista também: “Vamos celebrar a intolerância, a incompreensão…/ Vamos celebrar a aberração / toda nossa falta de bom senso…/ Vamos celebrar o horror de tudo isso / com festa, velório e caixão”.

O longa metragem da política brasileira pode ser finalizado com “Os anjos”, que dá a receita do que aqui se vive: “Pegue duas medidas de estupidez / junte… partes de mentira / Coloque tudo numa forma…/ Com promessas não cumpridas. / Adicione a seguir o ódio e a inveja / as dez colheres cheias de burrice / Mexa tudo e misture bem / E não se esqueça: antes de levar ao forno / temperar com essência de espírito de porco / duas xícaras de indiferença / e um tablete e meio de preguiça”.

Com roteiro completo, falta-nos apenas o título da obra. O filme de Renato Russo declara: “Somos tão jovens”. Já o nosso script do dia a dia não poderia ser outro: “Que país é esse?”.

Gabriel Tebaldi (gab_meira@hotmail.com), 20 anos, é estudante de História da UFES( Universidade Federal do Espírito Santo)
Fonte: A Gazeta

You may also like

12 Comentários

  1. Por mais absurdos que vemos acontecer no nosso país.Não podemos perder a esperança.Ainda tem um juventude que tenho certeza vai mudar muita coisa por aqui…
    Texto maravilhoso do Gabriel.Lindo mesmo!
    Abraços e tudo de bom!

  2. O que mais me impressionou no texto foi a informação da classificação do Brasil em mortes de jornalistas, perdendo apenas para a Somália e a Síria. Calando-se a classe dos bons jornalistas, cala-se o país, se é que ainda não está calado…
    Abraços, bom domingo.

  3. ah, Laely, tantas coisas “politicas” fervilham na minha cabeça e coçam a minha lingua, mas te digo que a libertinagem geral em que estamos, veio de um excesso de liberdade e de interpretação de nossas leis… Nosso pais não tem condições de prover direitos fundamentais, e talvez devido a isso também que não pode cobrar os deveres, na forma da lei… mas a parte politica está manipulando a massa ignorante… calando o país, em forma de voto comprado… e também, cadê os valores, né, sumiram em algum lugar entre a programação da TV e a influência das ruas… ótimo texto, isso nos faz ainda ter esperanças….

  4. O que me deixa tão triste é saber que são dos anos 80 essas músicas e que eu “era tão jovem” nessa época.
    Os jovens de hoje são um reflexo da inércia de gerações que continuam elegendo os mesmos políticos desde sempre.
    Somos os filhos da revolução
    Somos burgueses sem religião
    Somos o futuro da nação
    Geração Coca-Cola
    É,ele sabia o que estava falando…
    bjs

  5. As letras do Renato Russo continuam tão atuais e ainda refletem nossa triste e decepcionante realidade.
    Assisti o filme com minhas filhas adolescentes que aprenderam apreciar o Legião Urbana e buscam em suas músicas um pouco de senso crítico e reflexão.
    Quem sabe um dia – embora não acredite muito – essas letras possam ser temas de estudo de uma época ultrapassada.
    Abraços!

  6. Olá!! Sabe q sempre espiei seu blog, gosto do que escreve, são assuntos que me interessam, resolvi criar um blog pra chamar de meu, pra poder falar um pouquinho também! Sabe que quando vc escreveu em se render ao facebook, eu fiz o contrário, deletei o face, a futilidadades, poses escolhidas só pra postar no face, estavam me irritando, pra que tanta exposição? Já pensei em voltar, pq sei q há um lado útil, mas por enquanto estou num detox de face!!!! Bjcas, Grazi

    1. Cada um no seu quadrado, né, Grazi?
      O Facebook é o que você quiser que ele seja. Depende do que você posta. Assim como num blog: é você que deve ditar o ritmo.
      Sucesso no seu novo empreendimento virtual! rs
      Beijo!

  7. Queridona, tudo bem ?
    Tá sumidinha daqui … a maratona já foi ?
    Sempre gostei muito das músicas/letras do Legião e gostei muito do paralelo que este universitário fez com os fatos atuais.
    Beijão
    Patricia Tedeschi

    1. Muitos compromissos, semana passada. Esta semana, gripada.
      A maratona é só em julho mas o treino tá numa fase bem puxada, outro motivo do meu “sumiço”.
      Mas, estamos por aqui. Espero poder atualizar, logo.
      Beijo!

  8. Cheguei aqui através dos “mimis’;)) Quer dizer, estava procurando artigos para brincadeira para os felinos e, para minha alegria encontrei um cantinho recheado de bons textos, inteligente, sensível! Eu diria – “aconchegante”, gosto de adjetivar o que me encanta e o fiz agora! Vc me parece ser assim tb;)))Amei tudo aqui, sigo e visitarei sempre!!! Visite meu blogue!! Tem poesia e fiz várias para os felinos, espia?!!! quando sobrar um tempinho, o que me parece difícil, não?!!!rsrsrs! Tb sou da área da saúde, gosto de escrever e amo felinos e “caninos”;))) Bjo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *