Agenda de ano novo

Olavo Bilac escreveu, sobre…
O tempo

Sou o Tempo que passa, que passa,
Sem princípio, sem fim, sem medida!
Vou levando a Ventura e a Desgraça,
Vou levando as vaidades da Vida!

A correr, de segundo em segundo,
Vou formando os minutos que correm . . .
Formo as horas que passam no mundo,
Formo os anos que nascem e morrem.

Ninguém pode evitar os meus danos . . .
Vou correndo sereno e constante:
Desse modo, de cem em cem anos
Formo um século, e passo adiante.

Trabalhai, porque a vida é pequena,
E não há para o Tempo demoras!
Não gasteis os minutos sem pena!
Não façais pouco caso das horas!

Foi Einstein quem nos mostrou a “Teoria da Relatividade”.
Mas já parou pra pensar nisso, de forma prática e simplificada?
Que o tempo, independente de teorias comprovadas por fórmulas da Física, pode ser relativo?
Em 1 ano, por exemplo, quanto pode ser feito, apesar de parecer um período curto!:
Você pode emagrecer 10 Kg.
Apaixonar-se.
Desapaixonar-se.
Enfrentar alguma perda:
Camuflagem: Maizena no edredom
Fazer novas amizades…

Completar sua primeira meia maratona.

Despedir um filho para o exterior…
Despedida no Galeão
(Então, nesse caso, o tempo a princípio parece arrastar-se, amorrinhando…)
Aprender uma língua estrangeira.
Conhecer uma nova cultura.
Cometer muitos erros.
Acertar, às vezes.
Aprender com os erros.
Sobreviver ao “fim do mundo”.
Então, quando se apercebe, o ano chegou ao fim.
O filho que foi, voltou.

E trouxe junto, experiências que não cabem na mala.

A passagem de ano é apenas uma mudança de calendário, a não ser, que aproveitemos a data pra pensar no que fizemos e o que faremos com o tempo. Erros e acertos, tudo deve ser pesado. “Se chorei, ou se sorri o importante”… é que experiências vivi.

Obrigada pela companhia virtual, nesse ano que finda.

Cortar o tempo

Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.
Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente.
(Carlos Drumond de Andrade)

Feliz 2013!

Leia Mais

Devo, não nego…

Uma coisa boa é entrar num novo ano, sem dívidas. Tenho muitas. Uma delas, pelo menos, pretendo pagar neste post: os looks, atrasados há dias!

Mesmo morando num lugar a 600m de altitude e, cercado pela mata Atlântica, o calor desse último mês tem batido recordes. Felizmente, a noite é mais amena e tolerável.

Nada fácil enfrentar essa estação com elegância. O jeito é investir em regatas, bermudas e vestidos fluidos.

Amarelo outro e azul: amo essa combinação!
DSC03507DSC03483
Regata de seda
Calça encerada
Scarpin: Capodarte
Bolsa: Dumond

DSC03448DSC03462
Vestido: Cantão
Peep toe anabela: UZA
Bolsa: Colcci

Preto&branco, com renda: clássico!
DSC03386DSC03388
Regata de crepe e renda
Saia de crepe
Cap toe: Luíza Barcelos

Regata arrumadinha, com detalhe no ombro:
DSC03342DSC03348
Regata
Calça: Cantão
Sapato: AREZZO

Dia de folga e de pernas de fora:
DSC03265DSC03275
Regata de cetim
Short de seda: Açúcar Moreno
Peep toe anabela: Schutz
Bolsa: Uncle K

Vestidinho já conhecido, que acho a cara do verão:
DSC00116DSC00157
Vestido vichy: Leeloo
Bolsa: Quilts são Eternos
Peep toe anabela: Schutz

Regata+saia=aparente vestido navy!

Regata de crepe e malha: Iódice
Saia encerada: Sacada
Sandália: AREZZO
Bolsa: Dumond

Top de lantejoulas deixa qualquer produção mais rhyca:
DSC00201 (2)DSC00233
Regata de lanteljoulas e renda
Saia: Antix
Scarpin: Carmen Steffens

Este vestido é muito fresco! Amo!

Vestido: Totem
Sandália de franjas: Ferrucci
Bolsa: TNG
DSC00216 (2)
Short boxer:
DSC00229
Regata e short de seda
Rasteira: Cantão
Bolsa: Dumond

Vestidinho com jeito vintage:
DSC00198 (2)DSC00200 (2)
Vestido de seda: Farm
Cinto: Lança Perfume
Sandália: Schutz
Clutch: Melissa, Isabela Capeto

Look de domingo: pé na estrada, com meus companheiros de corrida!
DSC00187
Vestidão branco iluminado!
DSC00220
Vestido de linho: Dress to
Rasteira e bolsa: Cantão
DSC00226
Apesar do calor, este vestido jeans é bem leve:
DSC00040
Vestido: Hering
Sandália: Andarella
Bolsa: Cantão

DSC00013
Tudo verdinho:
DSC00039DSC00055
Regata de malha
Bermuda de linho: Cholet
Rasteira e cinto de purpurina: Luíza Barcelos
Chapéu: AREZZO
Bolsa: Cantão
Falando em vestir, por falta de tempo esse ano a casa ficou meio pelada. Deixo apenas um detalhe das nossas luzes, na noite de natal:

E a mesa, quase arrumada:

Contei com uma ajuda mais que especial(se alguém notou): Pingo, sentado na cadeira, do outro lado da mesa.
E estou num misto de alegria e ansiedade, como uma criança em véspera de natal! Meu presente chega um pouco atrasado porque vem de longe, lá da Alemanha: amanhã, depois de quase 1 ano, poderei ver meu filho, olhos nos olhos!
Por enquanto, o olhar sedutor da Chanel:

Leia Mais

Ainda é natal!

Natal é período apropriado para reconciliações. Aproveitando, faço “mea culpa” e peço perdão: pelo meu sumiço e aparente falta de interesse com o blog.
Havia programado alguns posts, mas a correria acabou me atropelando.
Aliás, foi assim que me senti, ontem à noite: como se um caminhão tivesse passado por cima de mim, tamanho o cansaço! Se papai noel tivesse aparecido, nem teria percebido.

Essa época também é propícia a lembrar daquelas pessoas que realmente fazem diferença na nossa vida. Mas a situação não tá nada fácil: nem sempre dá para presentear cada um, como gostaríamos.
Pensando nisso, resolvi rechear umas marmitas com biscoitos feitos por mim. E embora o natal já tenha passado, antes do ano acabar, ainda vale presentear.
Alfajores que desmancham na boca, deixando um gostinho de quero mais, mais…
Alfajores
Marmitas de natal (mostradas num post do ano passado) foram minha opção para embalar os alfajores.
Marmitas de cookies
Falando em biscoitos, a Ana Resstel pediu-me, via Facebook, que lhe mandasse o link de uma receita de cookies de aveia publicada há tempos, aqui no blog.
Pra quem ainda não sabe, na barra lateral D há uma “caixinha” de pesquisa onde podem acessar, com palavras-chave, posts mais antigos.
Entendi a dificuldade da Ana, pois só de “cookies”  há várias receitas.
Como esta:
“Biscoito chama menino” 
Ou esta:
“I love cookies” 
Mais esta:
“Cookie triplo de chocolate da Nigella” 
Mas a que a Ana queria, mesmo, era esta:
“Cookies de aveia” 
E até mandou foto, do feito:

A Lu Gastal republicou a receita“os melhores biscoitos do mundo” e eu, encasquetei de fazer, para o natal!

Esses são os que ela mesma fez. Os meus, não deu pra fotografar.
Tive uma dificuldade inicial para trabalhar a massa no calor que fazia, véspera de natal: apesar de ter acabado de sair da geladeira ela parecia dissolver-se, e grudava com facilidade, na hora de ser aberta com o rolo. Mas foi só dividi-la em duas partes e guardar a massa restante na geladeira, enquanto abria a outra metade um pouco mais grossa, para contornar o problema.
Também achei, que apenas 14′ não foram suficientes pra os biscoitos ficarem bem crocantes( talvez, por tê-los aberto um pouco mais grossos).
Outro senão é que a receita não ensina como fazer o glacê: como não sou confeiteira e estava com pouco tempo, ficaram sem decoração, mesmo. Como minha primeira experiência com a receita,  até que o resultado foi bem razoável mas o “melhor biscoito do mundo”, mesmo, é aquele que é feito com carinho, para agradar( embora alfajores estejam nessa disputa, como os melhores!).

Falando em carinho e doçura, como presente de natal atrasado deixo este vídeo mostrando Dona Canô, que morreu aos 105 anos, depois de ter passado a noite de natal com a família( data apropriada para um anjo partir…): “Música velha é que é música boa!”

Enquanto isso fico por aqui, na contagem regressiva para o retorno do filho, que chega da Alemanha na sexta.
Reiterando o convite para me acompanharem, lá no Facebook. Apesar de mais curtas, as atualizações são diárias.
Abraço de tigre!

Leia Mais

Maratona do natal

Se você é como eu e deixou tudo pra cima da hora, não se desespere! Ainda há tempo.
Isto é, se o mundo não acabar na sexta!…
É que eu tô “quiném” carro velho: demorando a pegar…o “espírito de natal”.

Às vezes acontece( enquanto a maioria está envolvida nos afazeres prazerosos das festas de final de ano) sentir-se solitária e melancólica. Talvez influência do Grinch…

Deixando de lado o pessimismo, vale inspirar-se nalgumas ideias simples para acrescentar um toque de alegria a esse dia tão especial!
Do site Panelinha, a sugestão de substituir os prendedores normais por outros, natalinos:

Também do Panelinha estes lindos biscoitos, vencedores do concurso #FimDeAno do site:

Na revista Estilo desse mês, um bolo brownie com cara de festa:

Guirlandas sempre foram minha paixão natalina!
Esta, feita com refugo de madeira e muita criatividade é da La Calle Florida:

A Lucila Turqueto, do Casa de Valentina, até fez um post com guirlandas dos leitores. Ela mesma colocou a mão na massa e confeccionou a dela:

Decorando um espelho, parede ou porta, em qualquer lugar a guirlanda será destaque:



Imagens acima: Decorology
A árvore de natal é um caso à parte.
Também do Casa de Valentina, papel crepom sobre uma base de isopor( PAP, no link):

Casa de Valentina
Da página da Lu Gastal no Facebook saiu esta, para amantes da costura:

E a Lu ensina como incrementar as luzinhas de natal, neste vídeo:

Vamos correr?

Leia Mais

Sobre a maternidade


A artista plástica, escritora, filósofa, professora, conferencista…Márcia Tiburi( também atuou como debatedora, no programa do semanal do GNT, Saia Justa) concedeu entrevista à Anelise Csapo, do blog Manhê…abaixa o som!, e a publicou, integralmente e sem edição, em seu próprio blog “Filosofia Cinza“.

Você pode não concordar, assim como eu, com todas a ideias da filósofa mas, a intenção é provocar e fazer pensar.
Compartilhei no Facebook e aqui, também.
A seguir, Márcia, sem cortes:

Manifesto breve de um movimento sutil

MLM precisa continuar!

E foi com essa recente e necessária afirmação acima, que a filósofa, professora, escritora, mãe, feminista e livre pensadora (não necessariamente nessa ordem e muito menos categoricamente), Marcia Tiburi, criou o Movimento pela Libertação das Mães – Manifesto Breve de um Movimento Sutil – ao qual, o “manhê” destrincha numa entrevista de cair de queixo (e eu nem sei se essa expressão existe)!

Uma reflexão nada sutil partindo do ponto de vista da maternidade, onde nada é breve, efêmero ou superficial, mas insistimos socialmente em tratar a questão sempre em tons do nada bom e velho mais do mesmo!

Eu quero parar prá pensar mais! Você também vem nessa?

Então reflete que nem espelho:

Você dá as mãos à Elisabeth Badinter quando ela diz que a Maternidade é um mito?

Antes de mais nada, deixe-me comentar como é divertido o seu jeito de perguntar. Agora vamos à resposta à pergunta, em si mesmo, libertadora. A maternidade é um mito? Sim, podemos dizer que em alguns aspectos, a maternidade é um mito. Mas o é, sobretudo, por ser uma peculiar condição política. Uma condição em que a figura denominada mãe ocupa um lugar especial em um contexto social. Só que este lugar guarda uma contradição, mais ainda, guarda um paradoxo. Aquele que implica que a maternidade é a política da dominação das mulheres por meio de seu culto. De uma lado, temos o posicionamento da mãe como a “rainha” do lar. De outro ela é uma espécie de escrava. As de antigamente, quando não eram ricas, deviam cuidar da casa e dos filhos, as de hoje tem tripla ou quádrupla jornada de trabalho. Sem falar no fato de que a mãe é sempre a culpada de tudo do que ocorre ao filho. Se um filho tiver sucesso na vida, dificilmente lembrarão da mãe. Se um filho cair no crime ou tiver qualquer outro tipo de problema, a culpa será da mãe. O que temos que nos perguntar é o que esta figura denominada mãe ganha aceitando a mística da “rainha” do lar? Penso que as mães são eleitas (e elas caem nisso tão facilmente) para um lugar que é de bode expiatório, sagradas e profanadas ao mesmo tempo. Tudo o que é sagrado pode ser sacrificado. É isso o que acontece com as mães. Elas caem facilmente nesta armadilha deste lugar especial, quando na verdade, são as eleitas para um grande sacrifício. Vivem num limbo, num estranho estado de exceção, adoradas desde que façam tudo certinho, execradas desde que cometam qualquer tipo de “erro” em relação ao que se esperava delas, que não correspondam ao padrão, à regra, à verdadeira ordem que é a maternidade. A maternidade pode ser muito bacana, mas é muito mais fácil que seja para as mulheres uma tirania que não deixa para elas outras escolhas e possibilidades. Não desejo a maternidade para ninguém que não conheça suas armadilhas. E quase ninguém conhece essas armadilhas. Quem quiser ser mãe precisa começar combatendo o mito da maternidade.

O que poderemos pensar pelo esclarecimento e desconstrução da maternidade? 

Mostrar que se a maternidade não é ditadura, ela tem que ser coletiva. Se olharmos para a maternidade como algo que está além da neurose, como algo prático, ela é necessariamente um trabalho de várias pessoas. E isso porque ela é uma condição de responsabilidade para com um outro. Ninguém cria um filho sozinho. Antigamente haviam amas de leite. Hoje quem pode pagar tem uma babá, um berçário, creche ou escolinha onde deixar o filho. Cuidar o tempo todo de uma criança pode ser um inferno para uma pessoa que não tenha muito desejo de fazer isso. Aliás, as pessoas chamam de “mãe desnaturada” aquela mulher que pariu um filho e não conseguiu desejar a maternidade. Como se a maternidade (na espécie humana) fosse simplesmente algo natural e não um dado da cultura. Verdade é que podemos falar de maternidade como uma condição subjetiva. Mãe seria aquela pessoa que teria a capacidade de cuidar de um outro. Acontece que o fato de ser mulher e de ter parido um bebê não é a condição para a maternidade se a penarmos nestes termos. Nem todo mundo consegue isso, nem todo mundo gosta disso. Este fato deve ser respeitado. As mulheres bem que poderiam se libertar desse peso. Parir um bebê é uma coisa, ser mãe de uma pessoa é outra. A meu ver, ninguém deveria sentir-se obrigada a ser mãe nem depois que a pessoa nascesse. Inclusive, digo isso pensando que você pode ser alguém legal com a pessoa que nasceu de você, sem precisar encaixar-se no estereótipo da boa mãe. Além disso, esse pensamento melhoraria a questão da adoção entre nós. Do mesmo modo, aquelas pessoas que perguntam “quando você terá um filho?” deveriam calar. Esta pergunta é performática, ela surge como uma cobrança e cria uma dívida. “Toma que o filho é teu” é algo que as mulheres deveriam dizer a qualquer um que as colocasse nessa situação em uma sociedade que mistifica a maternidade, pressiona as mulheres para que sejam mães e ao mesmo tempo proíbe o aborto.

Por que o peso pela criação e educação dos filhos recai tão diretamente sobre a mulher?

Como eu disse, porque as mulheres são eleitas para este papel da procriação que é um papel questionável do ponto de vista dos valores políticos. Você acha que as mulheres teriam tantos filhos se pudessem não ter? Muitas não teriam nenhum. É verdade que outras teriam por motivos muito próprios. Mas creio que estas seriam as que não tem que trabalhar, porque tem maridos muito ricos (elas ainda existem?) e que não tem problemas físicos com a gravidez e a amamentação e tudo o que vem depois. É certo que a sustentação da maternidade historicamente precisou de muito bombardeio ideológico da sociedade patriarcal, da qual as próprias mulheres fizeram parte. E, infelizmente, ainda fazem.

Como discutir, socialmente, o direito ao não desejo de maternar?

Isso também tem que ser desmistificado. Uma mulher quando pare pode descobrir que gosta do filho ou não gosta. As mulheres, na maior parte não se colocam esta questão porque elas mesmas introjetaram os discurso que as oprime. Uma mulher até pode vir a gostar do filho depois do parto, mas não quer dizer que tenha gostado de pari-lo ou que tenha se encantado com sua condição de bebê. Não podemos mais naturalizar isso. Naturalizar é mistificar. Pois a condição da mulher que pariu sofre muitas mediações. Ela descobre que a coisa de cuidar lhe interessa ou não, que ela tem condições ou não. Na verdade, o termo exato não é bem esse. Não se trata exatamente de descobrir isso ou aquilo, porque isso não vem à consciência. Muitas mulheres ficam se culpando porque não levam jeito para a maternidade. Ninguém leva, me desculpem, a não ser que comecemos a teorizar sobre mães heroínas, super mulheres e super mães. Isso não nos ajuda a desmistificar a questão. As mulheres que parem crianças precisam de ajuda, porque não é algo nada fácil em nossas vidas complexas. Quando há ajuda tudo é mais fácil. Além disso, gostaria de dizer que não há nada de anormal em ficar deprimida após o parto. Dizemos que isso é anormal por conta do padrão da maternidade defendido em nossa cultura. A maternidade não é tudo na vida, não é a realização do ser humano denominado “mulher”. Pode ser momentaneamente, pode ser durante um tempo, mas um filho não é em si mesmo o sentido da vida de uma mulher. Ele é uma grande responsabilidade, uma terrível e assustadora responsabilidade que precisa ser partilhada. Do contrário, não há porque tê-lo. A responsabilidade é tão grande que o patriarcado inventou o mito da maternidade para jogar isso tudo sobre a figura denominada mãe. E ela, como vítima culpada, ou seja, como otária, deveria aceitar. Agora, é claro que a sociedade, cínica em relação a este assunto, afirmará sempre que quem tem filho que trate de criá-lo. As coisas são assim, mas isso não quer dizer que sejam justas. Se houvesse justiça neste campo, as mulheres poderiam escolher com mais tranquilidade o aborto, não ter filhos, viver sem filhos.

Haveria alguma maneira de colocar o assunto em pauta e efetivamente pararmos de apontar o dedo prás mães que não querem ou não podem cumprir essa “função”?

Acho que a desmistificação do aborto é uma saída. Além da crescente manifestação de mulheres que não desejam ter filhos, mesmo quando casadas. Como já acontece em vários países e aqui no Brasil também.

Quantos anos tem a sua filha e qual é sua relação com ela? 

A minha filha tem 15 anos. Eu a tive aos 27 anos, num momento em que me deu uma vontade imensa de ter uma filha. Naquela época eu era muito, mas muito ingênua. Muito devotada a todas as causas auto-sacrificiais. Meu feminismo ainda não tinha acontecido. Vejo minha filha como uma pessoa linda, maravilhosa. Ela é, sem dúvida, pessoa que mais amo na vida. Sorte que a tive naquela época, pois hoje, depois de perceber muitas implicações da procriação, seria difícil fazer esta escolha. O que mais me atinge hoje em dia é o tamanho da responsabilidade. É a intensidade da responsabilidade. Naquela época eu tive ajuda de muita gente. Minhas irmãs, minha mãe, as pessoas que pude pagar. Como separei do pai dela muito cedo, ele quase não ajudou, como até hoje, praticamente não tem participação em suas questões de ordem subjetiva e prática. Para mim isso não é um problema. Ao contrário. Eu me sinto mãe de muita gente, no sentido de que tenho o gosto de proteger e ajudar várias pessoas. E acho que, neste sentido, a maternidade é boa, desde que ela não seja jogada e imposta às mulheres. E é neste sentido que ela pode também ser praticada pelos homens. Podemos ter filhos adotivos, diversos, vários. A maternidade, neste caso, é uma subjetividade de acolhida que não precisa ter relação com um corpo capaz de parir.

Você acredita que haja diferença em educar meninos e meninas? Em qual aspecto o gênero influencia na criação dos filhos? 

As pessoas fazem esta diferença. Educar está intimamente atrelado ao gênero, só que o gênero é histórico e, por isso mesmo, limitado. Basta você entrar numa loja de brinquedos e ver a divisão dos sexos. Deste modo, a educação que os pais dão aos filhos também é limitada. Eu, por exemplo, não educo minha filha para ser mulher. Nem para ser homem. Não gosto aliás, da ideologia do sexo binário e heterossexual. Educo a minha filha na convivência, com a mesma sinceridade que tenho com qualquer outra pessoa. Eu falo com ela como falaria com qualquer um e falo com qualquer um como se fosse meu filho, com a mesma sinceridade. Pelo menos é o que eu tento. Espero que minha filha seja sempre ela mesma como já é e sempre foi desde pequena. Ao mesmo tempo, lembro da minha educação. Nem minha mãe, meu pai e meus avós e parentes e professores, me educaram para assumir papéis ou agradar alguém. Não lembro de ter sido conduzida a isso ou aquilo. Eu nunca fui ensinada diretamente a ser mulher, mãe ou coisa parecida. Percebi o quanto minha mãe sofreu sendo mãe e esposa. Ela literalmente estragou a sua vida. E ela mesma acha isso. Podia ser diferente. Mas naquela época, naquela cidade, com aquela cultura… ela, como muitas mulheres neste Brasil, estava numa situação sem saída.

Como criar filhas feministas, conscientes e ruidosas?

Falando tudo. Sendo sincera. E, sobretudo, sendo livre para pensar, dizer e fazer. Penso que o que damos uns aos outros diariamente é a nossa coerência ou incoerência. Os filhos percebem e sofrem ou alegram-se com a liberdade de ser e pensar que podem também ter.

Qual sua maior dificuldade como mãe?

Nenhuma. Eu sou uma mãe no sentido bom, não sou culpada, sou solidária e responsável com a minha filha, os filhos dos outros, os que não tem pais, os que não tem filhos. Enfim, não vejo nada demais em ser mãe, nem para pior, nem para melhor. E acho que este modo que colocar a questão é bom pra todo mundo.

Tenho a impressão de que a maioria das mães quer falar de maternidade no âmbito funcional, sobre partos, amamentação, chupetas, o como fazer e o o quê fazer. Estamos na superfície das questões sobre um relacionamento (mães e filhos) que requer uma reflexão mais política (não num sentido partidário) e sociológica? Por que ficamos tão neuróticas procurando respostas sobre COMO AGIR ao invés de pensar na maternidade em si?

É que para a maior parte das mulheres o filho é um brinquedo e elas estão brincando de casinha. Um dia recebi uma visita em minha casa. A moça disse que queria engravidar porque estava querendo decorar um quarto de bebê e se preocupava com quem cuidaria dela quando fosse velha. Eu, sem querer ser grosseria perguntei a ela se ela tinha certeza de que seu filho cuidaria dela quando ela envelhecesse… hoje eu diria: quem garante que vamos envelhecer? Recomendo a todos que tratam os filhos como brinquedos ou coisas leiam o livro de Julio Cabrera: “Por que te amo não nascerás”. Um livro sobre a manipulação da procriação e a falta de ética com aqueles que vão nascer.

Sou mãe solteira e levanto a bandeira pela causa. Não consigo acreditar que minha filha TENHA QUE TER um modelo masculino em sua criação, necessariamente. Principalmente um modelo com o qual discordo pessoalmente em questões, inclusive, morais. O que eu gostaria de saber é qual a sua consideração sobre esse assunto de modelo masculino e feminino e também sobre a educação de crianças por casais homossexuais.

Eu acho que isso não é uma questão. Eu lembro de que antigamente as pessoas se referiam assim às mulheres, mas hoje? Depois de toda a libertação que vivemos? Quem ainda vai se referir a uma mulher como “mãe solteira”? Não falamos em “pais solteiros”. Nem em “mães divorciadas”. Acho que estas designações são frutos de preconceitos que recaem sobre mulheres. Mas se é sua bandeira tomara que seja como afirmação e não como falta de um pai que tornaria esta mãe não solteira. Como já falei a binariedade sexual bem como o paradigma da heterossexualidade estão cada vez mais ultrapassados. Não vejo como educar afirmando isso tudo. A única saída é a desconstrução desse paradigma.

Qual seu maior medo em relação à mulher e à maternidade?

Medo? Agora me pergunto, será que tenho um? Talvez, que as mulheres banquem o machismo que as oprime como o fazem em muitos casos. Medo em relação à maternidade? Que ela continue sendo uma armadilha.

Quais mães você destacaria como modelos de sua admiração?

Não tenho admiração, tenho mesmo é pena. Pena da minha mãe e das minhas avós que não puderam ser outra coisa na vida. A admiração só reforça a mística materna e o mito da maternidade.

O que perguntaria para sua mãe? E para sua filha?

Para minha mãe: por que vc não nos abandonou?
Para minha filha eu não perguntaria nada. Mas eu já pedi desculpas por tê-la colocado neste mundo. Ela, gentil, me respondeu” relaxa, mãe, eu to gostando”.

Como o homem pode (e até deve) participar da criação dos filhos?

Eu realmente acho que essa questão não tem outro sentido senão este: um homem pode ser uma mãe!!!

Por que temos tanto medo de errar?

Qualquer pessoa sensata e que não sofra de onipotência tem medo de errar. É um medo que não é de todo ruim…

Essa entrevista não teve qualquer edição à pedidos da entrevistada – o que fez todo sentido dentro de qualquer coerência possível e imaginável!

Sinceridade conta!

E durma com um barulho desses você também!

(Também compartilhado no Facebook, pela amiga Silmara Franco, artigo pra ser lido logo após essa entrevista: “Ter filhos traz mesmo felicidade?)

Boa leitura!
Boa semana!

 

Leia Mais