Tirando o pó e fazendo torta

Pois, é! Nem deu tempo de sentirem minha falta e, cá estou de volta!
Agradecendo as mensagens de carinho recebidas e também, àqueles que aceitaram me acompanhar no Facebook( convite reiterado!).
Parafraseando nosso ex-presidente Lula, nunca antes na história deste blog fiquei tanto tempo sem postar!
Aproveitei pra fazer um detox e ficar menos tempo na internet, ir pra cama mais cedo, receber a passagem do horário de verão( sempre, um trauma!) mais serenamente, intensificar os treinos para a próxima meia maratona( daqui a 10 dias), tentar colocar algumas ideias e a casa( ou, parte dela) no lugar( assunto para um próximo post).
Milagres não se fazem em tão pouco tempo mas, naqueles dias em que nos sentimos sobrecarregados, a ponto de achar que não daremos conta, o jeito é definir prioridades e focar nelas.
E quando nada parece dar certo, fluir, fazer coisas aparentemente simples pode ajudar-nos a ganhar confiança e preparar-nos para executar tarefas mais complexas.
Obriguei-me a esse exercício( tão difícil de cumprir, quanto um treino de maratona!), nessas curtas “férias” de blog.
Sexta-feira me encontrei com a Beatriz, conhecida por aqui. Falou-me, a certa altura, sobre o lugar da casa onde costuma ficar, que mais gosta, a sala. Ali, ela é mais Beatriz.
No meu caso, quando se diz, pejorativamente, que “lugar de mulher é na cozinha” eu concordo! É onde as coisas começam a acontecer, na minha casa. Onde sou mais eu. Onde me sinto supercapaz ou, um grande blefe! Um lugar, onde não passo incólume. Enfim, “onde os fracos não têm vez”!
Mas não foi lá, que gestei a ideia para o almoço do sábado. Começou aqui, na cabeça, buscando alguns arquivos na minha memória gustativa. Relembrando uma visita à Forneria Santa Filomena, no Rio de Janeiro, do chef André Nogal( casado com a Vivianne Pontes, Dcoração).
A visita foi mostrada, aqui. Era véspera de prova importante, meia maratona, e eu não podia simplesmente “enfiar o pé na jaca”, mas provei das tradicionais empadas da casa:

Exatamente como essa: profunda, bem recheada, cremosa, bem servida, tentadoramente calórica!
Era disso que precisava!
Resolvi arriscar e adaptar uma receita que costumo fazer, acrescentando uma parte de trigo integral, assim como na massa das empadas do André.
O resultado não desapontou:
Empadas de frango e carne seca, com Catupiry
Confesso que sinto maior prazer em fazer algo dar certo, que comer.
Então, vamos à receita que me fez sentir bem. Espero, que a sensação seja reproduzida em outras cozinhas por aí!
Pra não me comparar ao chef não as chamarei de “empadas” mas, de “tortinhas”. Que diferença isso faz? No fim das contas, nenhuma. Acontece, que estamos habituados a pensar em empadas como tortinhas com tampa. Quiches seriam as parentes chiques, vindas lá da França: tortas mais rasas e abertas. Então, chamemos simplesmente, de:
Tortinhas integrais
(Observação: necessita preparo antecipado, então, programem-se!)
Para a massa:
-200 g de manteiga sem sal( tirei um pouco antes da geladeira e, antes que amolecesse de tudo, usei-a.)
-1/2 xícara de trigo integral( a textura fica diferente, mais rústica, vale a pena mudar um pouco!)
-2 e 3/4 de xícara de trigo comum, mais ou menos( é melhor acrescentar à manteiga, aos poucos, sentindo-se a textura: deve ficar como uma farofa úmida)
-Uma pitada de açúcar refinado
-Sal a gosto
-1 gema peneirada
-2 colheres de sopa de água gelada( mais ou menos: acrescenta-se ao final, até a massa juntar)

Modo de fazer:
Numa vasilha junte a manteiga picada e acrescente os ingredientes secos, aos poucos: o trigo integral, sal, açúcar e o trigo comum. Com um garfo incorpore os ingredientes, até ficar como uma farofa úmida( é melhor não trabalhar muito a massa, pra que mantenha a textura rústica e quebradiça).
Teste o sal.
Acrescente a gema à farofa.
Acrescente a água gelada, aos poucos, até a massa juntar( sem sová-la). Se ficar muito seca, acrescente um pouquinho mais de água.
Enrole em filme plástico. Se estiver muito quente, guarde em geladeira, por no mínimo 1 hora.
Se fizer de um dia para o outro, retire a massa 1 hora antes de usá-la: assim fica mais fácil trabalhar com ela e forrar as fôrminhas de empadas( usei, de muffins).
Forre as fôrminhas( não pode ficar muito fina, pra não quebrar com facilidade na hora de desenformar).
Volte-as à geladeira, até a hora de assá-las.
Prepare o recheio da sua preferência:
Fiz tortinhas de frango com Catupiry e carne seca com Catupiry.
Cada um pode fazer o refogado como de costume, mas o importante é saber que o recheio não pode ficar líquido e sim, cremoso.
Para isso, uma base de molho bechamel( manteiga e um pouco de trigo levado ao fogo brando, até engrossar, acrescentando-se creme de leite ao final, caso deseje maior cremosidade).
A carne seca foi cortada em cubos, dessalgada em água fervente, cozida sob pressão e depois, desfiada. Cozinhei abóbora e fiz um purê rústico, acrescentando ao refogado da carne.
Por último, uma porção generosa de requeijão Catupiry, que deixa qualquer coisa mais gostosa( e mais calórica!…)
Outro detalhe importante é que o recheio, assim como a massa, deve estar gelado.
Pré-aqueça o forno em temperatura média(250°C).
Recheie generosamente as fôrminhas e leve-as a assar, por aproximadamente 20′ ou, até que as bordas comecem a corar.
Espere pelo menos uns 15′, antes de desenformá-las( se não quiser passar pelo infortúnio de vê-las se quebrando!). Muita calma, nessa hora: com a ponta de uma faca, descole delicadamente a massa da lateral da fôrma, depois, o fundo(ou, vire-as delicadamente sobre um prato. Pode ser que fiquem um pouco amassadas, como as minhas, mas o sabor não se altera.)
Depois é só cair de boca e correr para o abraço!
Empadas de frango e carne seca, com Catupiry
Falando no André Nogal, no site dele tem a receita da empada que eu provei na Forneria, com tudo explicadinho, inclusive, vídeo. É só clicar no link!
Então, ainda que de maneira torta, reinauguramos os trabalhos por aqui, tirando o pó do blog.
Beijo e obrigada pela paciência!

You may also like

14 Comentários

  1. Menina adorei essa receita, já anotei, vou fazer para surpreender minha família. Estou numa fase de cozinhar e comer também, bah, tenho que me cuidar. Um dica maravilhosa.
    Que bom que voltastes.
    Tenha uma ótima semana.

  2. La, como gosto de estar aqui, ver seu looks (que me inspiram muito, pois acho que temos o mesmo tipo físico), seus felinos e agora as receitas, também. Pena que a vida real nos leve por caminhos, que muitas vezes, nos faz ficar longe do que curtimos. Prometo ser mais assídua, por aqui. Afinal, pra mim é um grande prazer.
    Acredita que trabalho super perto da Forneria e ainda não estive lá? Irei me programar pra conferir de perto as delícias do chef e as belezas da decoração feita pela Vivi.

    1. Isso nunca me passou pela cabeça, Ivanete. Sinto falta, quando fico muito tempo sem escrever, mas tava muito baratinada esses últimos dias. Precisava tirar um tempo pra mim.
      Beijo!

  3. Bem-vinda de volta. Confesso que ao menos uma vez por semana eu abria o blog pra ver se você já tinha voltado. E hoje fiquei muito feliz em ver que você está de volta. Abraços e boa sorte na maratona.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *