A rede social Facebook e os relacionamentos

Fazemos amigos pela internet: acredito nisso, piamente! Nesta semana, inclusive, devo ir ao encontro de umas amigas virtuais, no Sul. Mas é preciso saber filtrá-los, os virtuais, e não descuidar dos que estão perto, os reais.
A Denize foi uma dessas amizades que surgiu através do blog e agora é fomentada com conversas, nos bastidores do Facebook. Foi ela que me indicou o video a seguir. Como curti, compartilho com vocês, usando uma linguagem “facebookeana”.
É justamente sobre esse assunto que trata a palestra do Pr. Kleber, da Nova Semente, ramo da igreja que frequento: “relacionamentos”.
O blog não tem vocação proselitista, nem é esta a minha intenção, mas como tudo que publico aqui reflete alguns dos meus pontos de vista, preferências e admirações, aproveito o início do fim de semana pra convidá-los à reflexão.
São 48′, bem empregados!
Espero que lhes seja útil, como foi pra mim:

Leia Mais

Torta de ricota e espinafre e cookie de chocolate da Nigella

De molho em casa, passei parte do dia na cozinha.
Quer uma opção de tortinha salgada, simples, rápida, saudável, gostosa e, ainda por cima, light?
Esta receitinha foi retirada de uma antiga revista Boa Forma:
Tortinha de ricota e espinafre
Tortinha de espinafre e ricota
-2 1/2 xícaras de espinafre
-1/2 xícara de cebola picada
-2 ovos
-1 1/2 x de ricota
-Sal, pimenta e noz-moscada a gosto
-2 colheres de sopa rasas de farinha de trigo

Refogue o espinafre com a cebola numa panela. Escorra bem e reserve.
Numa tigela tigela bata os ovos com um garfo, misture a ricota amassada, os temperos, a farinha e, por último, o espinafre com cebola.
Despeje numa fôrma untada e leve ao forno médio, cerca de 20′. (Usei fôrminhas de muffins)
Tortinha de ricota e espinafre
Além de pão australiano e massa de pizza, arrisquei uns cookies de chocolate:
Cookies de chocolate da Nigella
A receita é do livro da Nigella: “Nigella Express-Receitas rápidas e saborosas”. Segundo ela, estes são os “cookies mais chocoláticos que você jamais vai conhecer.”
Já a publiquei aqui, anteriormente, mas como não localizei a postagem, vale a pena ver de novo!
“Cookie triplo de chocolate”
-125g de chocolate meio amargo picado
-150 g de farinha de trigo
-30g de cacau
-1 pitada de sal
-125 g de manteiga amolecida( em temperatura ambiente, deve afundar ao ser apertada levemente com o indicador)
-75g de açúcar mascavo
-50g de açúcar( usei o refinado)
-1 ovo gelado
-1 colher de chá de baunilha
-350 g de chocolate meio amargo, em gotas ou pedacinhos.*
*Como não tinha chocolate suficiente para a receita, usei nozes picadas, fazendo assim, um cookie duplo de chocolate com nozes.

Pré-aqueça o forno a 180°C( baixo).
Derreta o chocolate em banho-maria ou microondas.
Numa tigela bata a manteiga com os açúcares. Junte o chocolate derretido e bata mais um pouco. Junte a essência de baunilha e o ovo gelado.
Peneire os ingredientes secos numa outra tigela e acrescente ao creme batido. Misture tudo.
Por último, o chocolate picado( ou nozes).

A Nigella sugere logo formar as bolinhas de cookies, mas acho que, quanto mais tempo a massa “descansa”, melhor o biscoito fica. Pode ser deixada na geladeira, de um dia para o outro.

Forre 2 tabuleiros com papel manteiga.
Molde biscoitos e os acomode nas assadeiras.
Leve em forno baixo, pré-aquecido, por aproximadamente 30′.

Como deixar seus biscoitos mais crocantes:
Leve-os para assar, ainda gelados.
Quando acomodados na assadeira, moa um pouquinho de sal sobre eles( mas é só um pouquinho!).
Deixe-os esfriar, na própria assadeira, dentro do forno já desligado.
Se eles ainda estiverem moles, mesmo depois de frios, tenha paciência: aproveite o forno quente, usado para assar outra coisa e, depois de desligar o fogo, volte a assadeira com os biscoitos ao forno.
Espere que esfriem completamente e guarde-os num recipiente bem fechado.
Cookies de chocolate da Nigella
Outra sugestão da Nigella: se não quiser assar todos os biscoitos de uma vez, pode congelar parte deles. Depois de moldados e, na assadeira, levar ao freezer. Quando congelados, retirar do tabuleiro e guardá-los num saco plástico. Voltar ao freezer. Quando quiser assá-los é só retirar do freezer, acomodá-los novamente numa assadeira, e levar direto ao forno pré-aquecido.
Esses biscoitos são absolutamente tentadores! Impossível comer um só! Mas, como a Nigella os descreveu, são bem chocolatosos: o sabor meio amargo é preponderante.
Caso seus filhos não gostem muito, pode tentar substituir o cacau da receita por chocolate ao leite.
Enjoy it!

Leia Mais

Morrer na praia…

É como nos sentimos quando, empenhados num projeto e, em vias de realizá-lo, precisamos abortá-lo.
Pesquisando para escrever este post cheguei a um interessante texto do Eugênio Mussak( Vida Simples, nº20, 01/09/2004), “É errando que se aprende“. Segundo esse a humanidade evoluiu, antes mesmo da ciência existir, a partir das tentativas, errando muito e acertando às vezes.
“Errar é próprio da condição humana. Aprender também. Infelizmente algumas pessoas não estabelecem conexão entre essas duas qualidades. Este sim é um grande erro. Na verdade, o erro só é erro quando não é percebido; quando é, torna-se aprendizado. Sem essa percepção, você corre dois riscos: o de continuar repetindo seus erros sem aproveitá-los para evoluir, ou o de parar de tentar por medo de errar.”
Citou o psicólogo e filósofo suíço Jean Piaget, defensor de que o homem é o construtor do seu próprio conhecimento e que, nesse processo, o erro é uma ferramenta importante.
O “erro bom” seria aquele que “abre alternativas”. Consta que Thomas Edison, após ter sido intimado pelo seu patrocinador a interromper suas experiências disse: ‘por que desistir agora, se já sabemos muitos modos de como não fazer uma lâmpada? Estamos hoje mais próximos de saber como fazer uma lâmpada que antes!’ Isto é, errar é a possibilidade de acertar na próxima tentativa.”
E dá o exemplo do cubo mágico. De tantos erros, poucos acertos, somos tentados a desmontá-lo e montá-lo certo. Mas essa trapaça não vale no jogo da vida. “A única alternativa é aprender a viver, o que pressupõe tentar, errar e tentar novamente.”
“Você quer um atalho? Ele existe sim: aprenda também com o erro dos outros.”

Meu sogro costumava repetir: “o sábio aprende com os erros dos outros. O bobo, nem com os próprios!”

“O erro não nos afasta da virtude. A maneira como lidamos com ele, sim…
Errou? Não faz mal, desde que você:
– Seja lúcido para admitir que errou;
– Seja humilde para assumir a responsabilidade;
– Seja esperto para consertar o resultado;
– Seja sábio para incorporar o aprendizado.”
“…Paulo Vanzolini, cientista e poeta, é autor da célebre música Volta por Cima, em que ele dá conselhos àquele que, como ele, e como todos, errou mas, por ser um ‘homem de moral, não fica no chão’. O que faz, então? Ora: ‘Reconhece a queda e não desanima. Levanta, sacode a poeira, e dá a volta por cima’.”

Essa antiga música foi interpretada por Noite Ilustrada. Numa análise superficial da letra poderíamos achá-la até arrogante, mas não: é apenas a construção do conhecimento, o crescimento, a partir da consciência dos erros cometidos, tomando coragem pra acertar na tentativa seguinte ou, pelo menos, errar menos, e menos, e menos…

Fiz um resumo (acrescentando algumas impressões pessoais) do texto do Mussak, mas vale a pena conferi-lo na íntegra, aqui.

Durante alguns meses venho me preparando pra correr. Isso mudou radicalmente a minha rotina: treinos, dieta, corpo mas, principalmente, a cabeça. Exercitar a sensibilidade, entretanto, é necessário. Reavaliar estratégias, um ato contínuo…
No início da semana precisei ser hospitalizada. É de uma cama de hospital que faço este post, na condição de paciente, não de médica. Enquanto me dirigia ao consultório do colega, curvada de dor, pouco antes da internação, não conseguia conter as lágrimas. Não sei se tanto pela dor, ou mais pela frustração. A frustração de “morrer na praia”. Foi treinando para a corrida mais tradicional do estado, a “10 milhas Garoto”, a ser realizada no próximo domingo, que adoeci. Um erro de estratégia, talvez, que ainda está em avaliação.
Por conta disso estou proibida de esforço físico, até me recuperar completamente.
Passado o susto, volto pra casa hoje, com a recomendação expressa de manter o repouso.
Depois de quase 4 dias no hospital não me restaram muitos looks a mostrar, a não ser os da semana passada. Vesti pijama e soro, nos últimos dias.

Saia lápis e scarpin é sempre um clássico:
Lápis e scarpinLápis e scarpin
Blusa de seda: Sacada
Cardigã: Cantão
Saia lápis
Scarpin: Carmen Steffens.
Numa semana em que apostei no vermelho:
Bege e vermelhoBege e vermelho
Camisa de seda e algodão
Cinto: Maria Filó
Saia: Sacada
Bota cano alto
Bolsa: Uncle K
Com tempo chuvoso, também nas botas:
Preto e cinzaPreto e cinza
Regata mullet: Afghan
Legging: Track&Field
Bota cano alto
Bolsa: ELLUS
No sábado, pra (não) variar, vestidinho:
QuimonoQuimono
Vestido de crepe: Laranja Lima
Peep toe anabela: Schutz

Já sentia dor, quando combinei de me encontrar com a Katia Bonfadini, do blog Casos e Coisas da Bonfa, no sábado à noite. Mesmo assim, não quis falhar o compromisso, marcado em Vitória. E foi uma noite de bate-papo muito agradável!
Da série encontros
Esse encontro foi uma decisão acertada!

Leia Mais

Parede em degradê

Tons pastéis, quase aguados, são uma das apostas para o próximo verão.
Que tal, levar essa tendência da moda pra vestir sua casa?
Este DIY ensina como fazer uma parede em degradê usando 3 tons de turquesa( mas outra cor pode ser a escolhida): um escuro, outro mais claro e um médio:
Between crushes, fascinations and lust-have trends, our sea of inspiration is never-ending, which brings me to my latest obsession… the color MINT!  From my manicures to my midnight snacks, I just cant get enough.  I took a cue from my go-to hue and decided to inject a happy medium (literally) into my home. A new coat of paint can transform a room and your mood, but choosing the right color can be a little nerve-racking. I dove into this DIY with my head and paint brush held high knowing that Valspar’s Love Your Color Guarantee would be my safety net.  Make your home stylish from the floor to ceiling with a freshly painted feeling! To create:  Chose three paint colors in a light, medium, and darker shade that hail from the same color family.  I chose Valspar’s Ultra Green (light), Beach Blanket (medium), and Sea Treasure (dark).   STEP 1: Trim wall with painter’s tape and use a roller to paint entire wall the lightest hue. STEP 2: Paint a bottom panel with the darkest hue. STEP 3: Mix your medium and dark shade together to create the 2nd darkest color and paint a section. Next, move up on the wall and paint the 3rd section the middle color only. STEP 4: Blend the colors together using a smaller paint brush that is DRY, until areas and lines bleed together. You may need to touch up with mixed paint as you go, as it takes on an amazing ombré effect.P.S.- A few of Erica’s favorite things:  Melissa di Menna Print, Jonathan Adler Tray,  CB2 Console Table, Satya Twena Hats,  Moroccan Rug, from my travels!
Primeiro foi aplicado o tom mais claro na parede toda, depois, um barrado mais escuro na base. Então, usou-se o tom médio para fazer a transição. Com um pincel seco foi esfumada a transição de cada cor, par não ficar marcado.
P.S.- I made this
Dress To

Leia Mais

Feitos pra ouvir!

Nunca tive a pretensão de ser crítica musical, mas indico aqui o que gosto de ouvir; apenas, uma opinião pessoal, que pode ser levada a sério, ou não.
O que tem tocado no meu radinho de pilha ultimamente são dois cantores e compositores nacionais.
Arnaldo Antunes sempre surpreende, estética e sonoramente.
Em 2010, comemorando 50 anos, convidou amigos e parentes para um show, ao vivo, num palco armado no teto de sua casa. A festa rendeu o cd e DVD “Lá em Casa”.
Gravado em dezembro do ano passado, o show Acústico MTV comemorou 30 anos de carreira do artista. Lançado em maio desse ano, contou com participações especiais e uma banda da pesada: Edgard Scandurra, Curumin, Marcelo Jeneci, Betão Aguiar e Chico Salem.

Como o palco montado no telhado de sua casa, esse, não foi menos original: giratório, como um carrossel, iluminação especial, cavalinhos e clima lúdico.

A maioria das músicas já é conhecida, tanto de trabalho solo anterior, quanto na voz de outros artistas, todas, composições de Arnaldo e parceiros( da época dos Titãs e Tribalistas). Mas há duas inéditas: Dentro de um Sonho” e “Ligado a Você”.

O show está em turnê pelo país e, sorte de quem puder acompanhar, ao vivo!

Outro mais recente, por quem me apaixonei:
A revista Rollng Stone considerou o disco de estreia de Marcelo Jeneci( cantor, compositor, acordeonista, pianista, guitarrista) “Feito pra Acabar” como um dos melhores de 2010.
O cantor Jeneci estreou há pouco, mas há mais de 10 anos tem carreira musical como instrumentista.
O pai dele, o pernambucano Manoel Jeneci, consertava eletrodomésticos e instrumentos musicais enquanto “Marcelo tocava piano e treinava nas sanfonas que os clientes do pai deixavam para consertar, mas não tinha seu próprio instrumento. O problema foi resolvido quando um dos habitués da oficina de seu Jeneci, Dominguinhos, resolveu presentear o menino com uma peça de sua coleção. Marcelo tirou passaporte e iniciou seu primeiro trabalho como músico profissional, com a sanfona do mestre, ao lado de Chico César, atualmente seu parceiro na faixa “Felicidade”, que, não por acaso, abre o primeiro disco do compositor.”

A doce voz feminina que acompanha Jeneci na maioria das músicas é da estudante de Psicologia, canto e violoncelo Laura Lievore. De timbre suave, quase infantil, Laura chega a lembrar Fernanda Takai.
Como definir o estilo de Marcelo Jeneci? Difícil.
As músicas são simples e gostosas como comida caseira, nem por isso, tediosas e pouco criativas. Não há graves, agudos, nem firulas que exaltem virtuosismo vocal dos intérpretes; o efeito colateral? Pode provocar desejo de acompanhar, cantando, todas as faixas, sem temer desafinos constrangedores.
Nota-se influência do pop-rock nacional, iê-iê-iê e até da música brega!
É o caso da quinta faixa, “Quarto de Dormir”: a música inicia em tom de Odair José e finda, com cara de rock progressivo do Pink Floyd. Uma das parcerias com Arnaldo Antunes.
Salada musical? Pode ser. Mas, salada boa!
O encarte do cd traz letras e ficha técnica escritas, cada uma, em cartões, como se fossem imagens de Polaroid: original e simpático.
Enfim, um disco para quem está apaixonado ou, querendo apaixonar, curtir.
A música “Pra Sonhar” foi composta para o casamento de Jeneci; ganhou clipe usando cenas reais, enviadas por casais do Brasil todo, inclusive, do próprio.
Pra sonhar…

Marcelo já tem o aval de artistas conhecidos, como Arnaldo Antunes, Chico César, Vanessa da Mata, Zélia Duncan…
Falta o seu…

Leia Mais