Invasão de privacidade(?)

Postado por Laély, no dia 27-04-2012 - Categoria: textos

Há cerca de 2 anos escrevi um texto, aqui no blog, metendo-me à política e comentando “A vida dos outros“. Não se trata de fofoca: esse foi um filme alemão lançado em 2006, que levou o Oscar de “Melhor Filme Estrangeiro”, no ano seguinte.

Em tempos onde o tempo parece não andar, mas correr, 2006 parece uma data longínqua, já esquecida no passado. Porém, o tema abordado no filme é mais atual que à época de seu lançamento. Muito resumidamente trata-se, de: “invasão de privacidade” e no quanto podemos e, se devemos, interferir na “vida dos outros”.

O que me leva a questionar: o que seria “privacidade”, hoje em dia?…
( Ainda cética acabo de ler uma “notícia”, no mínimo escatológica: Ke$ha posta uma foto dela no Twitter, fazendo xixi na rua!! O mais incrível é que a rapper americana tem mais de 3 milhões de seguidores, dispostos à bizarrices como essa!…)

Não sou uma especialista no assunto, mas interpreto essas atitudes( também, o cultivo de excentricidades e comportamento autodestrutivo) como um mecanismo de defesa: parece ser um paradoxo mas, quanto mais me exponho, mais invulnerável e intocável me torno! Adquiro os superpoderes de um ser “superior”, quase uma figura mítica.

Então o BBB tornou-se opção de programa-família e, falar da vida própria, e a dos outros nas redes sociais, rotina!

Demóstenes Torres, que o diga: “essa invasão é uma m…”
Ao menos tem servido para expor as entranhas fedorentas dos bastidores da política nacional! ( Anotem aí, minha dica de acessório “must” para a nova eleição: prendedor de roupa no nariz! Garanta logo o seu!)

Essa semana cheguei a um templo da vaidade feminina, o salão de beleza: e esse é um ambiente onde a perturbação “metafísica” mais desconfortável seria decidir, se a nova cor do cabelo combinaria com o seu tom de pele, se a atriz, ou grã-fina revelada em Caras exagerou, ou não, no botox e/ou nas cirurgias plásticas…mas era exatamente a hora em que a TV exibia um daqueles programas “jornalísticos”, especializados em mostrar o “mundo Ke$ha”(ops!), quer dizer: o “mundo cão”.

A “matéria” mostrava um video caseiro, flagrando um pai espancando a filha pequena.
E quando falo “espancar”, não estou dizendo: “tapinha no bumbum”! Estou dizendo: espancando, repetidas vezes e, com toda a fúria, uma criança indefesa!

Percebendo meu mal estar, imediatamente a atendente trocou de canal. Tarde demais. Estrago feito.
Lembrei do vídeo da mulher, maltratando o cachorrinho até à morte( que fiz questão de não ver!).
Lembrei da parábola do “bom samaritano”( daqueles, que passaram ao largo do homem caído e machucado)…
Lembrei do caso dos 5 jovens de Brasília, que atearam fogo no índio Galdino José dos Santos, em 1997…(Se é que mão tem boca podemos dizer que, caladas, coniventes, nenhuma daquelas 10 fez o que era necessário, àquela noite: “Não! Peraí! Não podemos fazer isso!”… 5 jovens, 10 mãos inertes, incapazes de se pronunciar a favor, contra…)

Mas, alguém aí filmou tudo isso?…
Apenas mais um detalhe.

O que realmente incomoda é me colocar no papel daquele que parou para gravar a cena, mas não acudiu, não impediu o ato!
Chego a refazer o passo a passo:
Percebeu, que algo de errado acontecia.
Correu, pegou a máquina, ou celular.
Ligou.
Fez  ”zoom”.
Focou.
Ficou ali estático, vários segundos gravando já que, chacoalhar a câmera comprometeria o resultado final de seu “trabalho”.

E a vítima, enquanto isso?…
Se alguém ao menos pudesse testemunhar seu sofrimento e, ajudar…

Não discuto, que uma gravação como essa é prova inegável de culpa. Graças ao video aquele pai foi preso em flagrante, mas a criança não foi liberta antes de suas mãos insanas, porque outra não se levantou para impedir tamanho mal.

Millôr, totalmente avesso à exposição da sua figura em público, escreveu( na era pré-internet):
“Descobri afinal o que significa a sigla TV: Terror Visual.”

Mas, como cantaria Roger Waters, ou Fred Mercury:
“The show must go on”…

    18 comentários

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


    

    18 Comentários to “Invasão de privacidade(?)”

    1. LAÉLY ,EU FICO PENSANDO ONDE O MUNDO VAI CHEGAR AINDA COM TANTA CORRERIA E COISAS ABSUDAS ACONTECENDO MAIS E MAIS,PENSO QUE A TECNOLOGIA POR UM LADO (PEQUENO) FOI PARA O BEM ,MAS EM GRANDE PARTE ESTA ACABANDO COM AS PESSOAS EM TDOS OS SENTIDOS.TDO MUNDO SÓ PENSA EM CONTATO VIRTUAL A TDO INSTANTE ,PELO CELULAR PELO COMPUTADOR ,GENTE ISSO É UM ABSURDO CONTATOS PESSOAIS ESTA SENDO DESCARTADO PORQUE TDO PRECISA SER MTO RAPIDO,EU SÓ ME PERGUNTO ,PRA QUE ????????????

      • Laély disse:

        Com um filho morando em outro país, não tenho do que me queixar da tecnologia e internet.
        Só precisamos cuidar, pra não sermos anestesiados e nos distanciar dos que estão à nossa mão.

    2. Erika disse:

      Ola flor!

      Você consegui dizer tudo que sinto mas não sei descrever, agora sei.
      Concordo plenamente que TV é mesmo um TERROR VISUAL, onde as pessoas acham que se divertem com maus tratos ou pegadinhas dos outros.
      Vamos lutar juntas para que nosso tão LINDO planeta volte a ser como DEUS criou com tanto AMOR!

      ABRAÇO e ótimo feriado!
      Erika (kit)

    3. Barbara disse:

      Gostei do: TV: Terror Visual. acho que deu certinho para a sigla.
      Aqui em casa tb não consigo ver tv aberta, graças a Deus posso ter uma tv a cabo onde posso ver realmente o que me interessa, como discovery, History e tele cine.
      achei seu texto digno de ir para uma pagina de jornal.
      bjus

      • Laély disse:

        Obrigada, Bárbara.
        Ultimamente, até nos canais Discovery e History Chanel tá difícil encontrar bons programas: fico nos mais frugais, como os de culinária e moda.
        Internet concentra muita porcaria, mas tudo é questão de saber escolher, ainda bem.
        Abraço!

    4. Com certeza Laély, a tecnologia presta um grande serviço quando estamos longe dos filhos.
      Ontem postei algo sobre a comunicação nas redes sociais e como às vezes pode causar dissabores.

    5. Betânia disse:

      Gosto muito do seu blog,sempre que posso,venho aqui dá uma olhada.Gostei da sua abordagem e lhe digo que, tenho sido mais feliz quando não assisto a certos programas na televisão pois a minha tv é aberta,aí já viu…rssrss.

      • Laély disse:

        Betânia, o que escreveu fez-me lembrar da última coluna escrita por Lia Luft, na Veja( semana passada): ela trata do mal que pode nos fazer, só ver e ouvir coisa ruim, o tempo todo.

    6. Ivanete disse:

      Muito legal,este post,gosto quando você joga uma certa acidez nas letras.Não gosto nem um pouco dessa invasão que estamos todos sujeitos de um jeito ou de outro.Tempos difíceis esses que estamos vivendo,bem difíceis. Abração.
      Ivanete

    7. Srta.Formiga disse:

      ví o vídeo tbém…
      tem tanta coisa que preferia não ver!

    8. Oi Laélly!!!
      Como dizia Albet Einstein “o mundo não está ameaçado pelas pessoas más, e sim por aquelas que permitem que a maldade aconteça”… triste saber que hoje vale mais gravar uma cena como esta em que a pessoa vai ganhar “um dinheirinho” do que ajudar um ser humano… triste!
      Beijossss e um ótimo domingo!!!

      http://www.jmisturinhas.blogspot.com.br
      http://www.jmisturinhasfashion.blogspot.com.br

      • Laély disse:

        Eu estava tentando lembrar dessa frase, Jane. Obrigada por complementar.
        Não julgo quem grava esse tipo de coisa: às vezes é por medo de uma reação violenta, ou retaliação.
        Triste é pensar que, um pouco de coragem poderia fazer toda a diferença.
        Pior é quando não se interfere, por achar que seria “invasão de privacidade”(como se não fosse “problema nosso”).

    9. Fernanda disse:

      Gostei dessa sigla para tv: terror visual! Adequadíssimo. Aliás, gostei muito desse texto.
      Ainda há dias vi de passagem um canal onde eram exibidos vídeos caseiros, de crianças a cair, na piscina, no jardim, de cima de um banco…e isso deixou-me perplexa; que mãe, pai, não larga a câmara para amparar a criança?! Mas não, filmam e divulgam! Por mim deveriam ser presos, ou multados. E o canal que passa uma coisa dessas também.
      A indiferença é a conivência com o mal. Devemos agir no momento. Como sou muito impulsiva em casos de injustiça, fico muito zangada com a inércia das pessoas; um dia todos pagaremos a nossa conta.
      Uma braço, Láely.

      • Laély disse:

        Fernanda, é exatamente isso que me incomoda!
        Avaliou certo: às vezes, a falta de reação diante de uma ação errada, poderia ser considerada conivência.

    10. sandra maria disse:

      concordo em parte com vc, porque no caso do espancamento da menina o pai só foi preso porque havia provas, a imagem, e lembrei outro caso de um pai que espancava os filhos,3, um dia espancava o filho de 7 anos enquanto o de 17 filmou e levou para a policia já que ele já reclamara por diversas vezes e não foi atendido, ele produziu provas. Mas eu concordo com vc quando se refere ao filmar a tragédia alheia.

      • Laély disse:

        Sandra, mencionei isso no post: produzir provas é importante, mas não, deixar de prestar socorro!
        Tira uma foto, filma, enquanto corre, grita, pra assustar o agressor mas, não deixa de defender quem precisa!
        Obrigada pela opinião.
        Abraço!

    Comente!

    Por favor, preencha os seus dados e comente abaixo.
    Nome (obrigatório)
    Email (obrigatório)
    Site
    Seu comentário