"Celebração da voz humana/2"

  Tinham as mãos amarradas, ou algemadas, e ainda assim os dedos dançavam, voavam, desenhavam palavras. Os presos estavam encapuzados; mas inclinando-se conseguiam ver alguma coisa, alguma coisinha, por baixo. E embora fosse proibido falar, eles conversavam com as mãos.
 Pinio Ungerfeld me ensinou o alfabeto dos dedos, que aprendeu na prisão sem professor:
 –Alguns tinham caligrafia ruim – me disse -. Outros tinham letra de artista

 A ditadura uruguaia queria que cada um fosse apenas um, que cada um fosse ninguém: nas cadeias e quartéis, e no país inteiro, a comunicação era delito.
 Alguns presos passaram mais de dez anos enterrados em calabouços solitários do tamanho de um ataúde, sem escutar outras vozes além do ruído das grades ou dos passos das botas pelos corredores. Fernández Huidobro e Mauricio Rosencof, condenados a essa solidão, salvaram-se porque conseguiram conversar, com batidinhas na parede. Assim contavam sonhos e lembranças, amores e desamores; discutiam, se abraçavam, brigavam; compartilhavam certezas e belezas e também dúvidas e culpas e perguntas que não têm resposta.
 Quando é verdadeira, quando nasce da necessidade de dizer, a voz humana não encontra quem a detenha. Se lhe negam a boca, ela fala pelas mãos, ou pelos olhos, ou pelos poros, ou por onde for. Porque todos, todos, temos algo a dizer aos outros, alguma coisa, alguma palavra que merece ser celebrada ou perdoada.
Eduardo Galeano-“O Livro dos Abraços”
(L&PM Pocket)

Foi paixão à primeira lida: as crônicas de Eduardo Galeano, em Bocas do Tempo( da mesma editora). O livro dos abraços foi uma das últimas aquisições e, a mais nova paixão.
 
De vez em quando publicarei por aqui crônicas de outros autores, conhecidos, ou não. Textos, que eu gostaria de ter escrito.

Espero que gostem, assim como eu.

“O Livro dos Abraços” está disponível em PDF, aqui.

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *