Lá na ladeira

Há pouco Hugh Hefner, o dono da Playboy, anunciou seu casamento com uma garota de 24 anos, “apenas” 60 anos mais jovem que ele.
O magnata encara a idade como algo relativo( será que a “dona artrose” acha o mesmo?…) e se declarou ainda “muito jovem”.
Com o perdão do trocadilho: velho combina com novo?
Se estivermos dispostos a nos desvencilhar de preconceitos e ver, além do que a idade mostra, sim! 
Como diria a raposa ao pequeno príncipe:
” Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.”
(A noiva de Hefner deve ter decorado e aplicado essa frase de Exupéry à risca…)

Desde pequenas as irmãs gêmeas Julia e Joana, à frente do Lá na Ladeira vêm exercitando uma forma diferente de “olhar”, principalmente, garimpando móveis e objetos antigos e, reformando-os:
"Lá na Ladeira"
“Nunca gostamos do óbvio. Mesmo quando crianças, nossas escolhas tanto para roupas quanto para a cor do quarto em que dividíamos eram bem peculiares. Frequentemente nossa mãe chegava em casa e se surpreendia com nosso armário pintado de rosa ou, com colagens que fazíamos nas paredes. Sem qualquer influência, já tínhamos um olhar diferente da maioria das pessoas que ainda hoje se limita ao que podemos chamar de ‘normal’.”

Apaixonadas por decoração, as duas criaram uma loja de sonhos coloridos num casarão do bairro histórico da Glória, no Rio.
Foi a mudança para o sobrado de 1770, propriedade do marido de Joana que inspirou as primeiras aventuras em reformas de móveis, modernizando-os, sem descaracterizá-los. 

A paixão virou negócio sério e, desde maio de 2010, a atividade( antes, paralela) virou ofício exclusivo das irmãs. 
Em menos de 1 ano o Lá na Ladeira já foi destaque em várias publicações nacionais.

Depois de mencionar o trabalho delas aqui, a Joana entrou em contato comigo e programamos um post especial. O material que me enviou era tão rico que, apenas um post seria pouco para mostrar.

Elas renovam qualquer coisa: cadeiras, mesas, sofás, pufes, luminárias, criados…Tornaram-se especialistas, as “pitanguys” da movelaria! Tudo que passa por suas mãos ganha um toque ousado e alegre misturando estampas, tecidos e cores berrantes, sem medo ou parcimônia!
"Lá na Ladeira"
O patchwork é base para, praticamente todas as criações.
Impossível não notar este sofá azul “bic” com estampa de oncinha:
"Lá na Ladeira"
Um toque artesanal em todos os detalhes, incuindo as cúpulas da sala:
"Lá na Ladeira"
Na parede ao fundo, a ilustração das gêmeas feita pela artista Jana Magalhães.
Outros ambientes da casa-loja-ateliê:
"Lá na Ladeira"
"Lá na Ladeira"
"Lá na Ladeira"
Uma das coisas que me encanta no Rio, além das belezas naturais e do povo hospitaleiro é o privilégio de poder caminhar sobre a história: Ruas, igrejas, monumentos, casarios antigos são testemunhas mudas do tempo.
“Bairro da Glória muito antes da praia do Russel ser aterrada para dar lugar ao Parque do Flamengo.” (Foto, de 1894-dAqui)

Encantou-se com a casa das meninas e mora na cidade maravilhosa? De terça à quinta, das 11h às 17h é possível conhecê-la. Nos demais dias elas terão o maior prazer em receber visitas, desde que, previamente agendadas.

Mais alguns trabalhos encantadores:

Se você for de Brasília, Belo Horizonte ou São Paulo e desejar adquirir um móvel exclusivo Lá na Ladeira, poderá encomendar, para recebê-lo com a garantia do Waldecyr, fiel escudeiro de entregas da loja. 
No site há mais opções, todas lindas!
Mas, não é só isso!
A Joana concedeu-me uma pequena entrevista, falando sobre o trabalho e mostrando outras imagens da casa que não encontrarão no site, só aqui! Aguardem o próximo capítulo…

You may also like

20 Comentários

  1. Ameei todos os produtos delas! Bem minha cara, quero dizer minha nova cara, porque eu era bege, lembra rs? Tb gostei da analogia do começo! gde beijo

  2. Muito bacana mesmo. Este post ficou ótimo, tal qual o trabalho das meninas.
    Não as conheço pessoalmente ainda, mas já tenho um trabalho delas em casa. Mostrei ele no meu blog.
    Tudo foi tratado por e-mail e telefone e tudo correu perfeito. Portanto, as pessoas que não moram no Rio, podem encomendar, sem medo.
    E além de tudo elas dão uma ótima assessoria pós venda.

    Valeu!

  3. Podes imaginar o estado que estas meninas me deixaram, Lá? Pra quem "humildemente" forra banquinhos e cadeirinhas, todas essas possibilidades multicoloridas são de tirar o sono. Tô sentadinha aqui à espera do próximo capítulo. Beijo!

  4. Ontem aproveitei uma das maravilhas do Rio que ainda é tomar um bom banho de mar e ver o pôr-do-sol.
    Mas,confesso que também admiro a parte histórica,que inclusive em alguns lugares,está bem abandonada.
    Mas esses móveis e objetos mexem comigo,nada como o bom gosto e o olhar afiado para a transformação!!!
    Quanto ao sr.Playboy,prefiro não comentar…foi uma boa introdução para a beleza do trabalho das meninas.

    Bjs

  5. Vovôs e bebês são mais parecidos do que adultos em si. Velho combina com novo e as comparações que você fez combinam mais ainda. Dá vontade de morar dentro das fotos.

  6. Laély,
    Que colorindo lindo nas criações dessas meninas, adorei!!!
    Aguardo ansiosament eo próximo capítulo.
    Bjs e que seu fim de semana seja glorioso!

  7. Que trabalho lindo das duas!!!
    Encantador!!
    Adoraria ter poltronas delas… pena que moro longe da "cidade maravilhosa"
    Sabe que a obra delas tem a cara do que eu imagino ser a tua sala!?!
    Colorido, acolhedor!!!
    =D
    Tenha um ótimo final de semana!

  8. Saudades do seu blog!
    Nao tenho tido tempo de ler!
    COnfesso que o seu blog e um dos que mais sinto falta, pq o Sala nao e um blog em que eu entro vejo as imagens, leio rapidamente e comento, e um blog que eu entro, leio, reflito, tem td um processo produtivo envolvido, vc nao produz posts, produz vida!
    AI que saudade!!!
    Vou tirar um dia so pra ler teu blog!
    Bjs

  9. Laély, o trabalho das meninas é realmente o máximo! Estou encantada e doida pra dar uma repaginada em um banquinho sem graça que sustenta uma planta no cantinho da sala!!!! Adorei o colorido dos móveis cheios de personalidade e me identifiquei com esse trecho: "Nunca gostamos do óbvio. Mesmo quando crianças, nossas escolhas tanto para roupas quanto para a cor do quarto em que dividíamos eram bem peculiares." Sinto que eu e minhas irmãs somos assim. A gente gosta do diferente, do que ninguém faz. Acho que desse jeito, qualquer criação fica mais divertida e marcante!!!!! Um grande beijo!!!! Estou tentando ler com calma os posts que perdi durante as férias, estava com saudades daqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *