Ateliê inspirado(r)

Esses dias o filho do meio  disparou: 
-Mãe, você é tããão prolixa!
(Parafraseando a resposta do Lobo Mau à Chapeuzinho Vermelho:)
-É pra melhor me explicar, filhinho!”…



Quem acompanha meus posts já deve ter se acostumado a essas minhas “viagens”. O problema é que, quando falamos em público, nem todo mundo está disposto a embarcar nesse barco, às vezes furado…


-Ok, filhinho! Como sei que gosta de clareza e de, Clareza Meridiana, vou me esforçar para ser mais direta.


Enquanto não aprendo: se o mundo dá voltas, não há como não entrar no ritmo. Porque somos, em essência, criaturas complexas; justamente por isso, únicas.
Todos temos nossas referências e sofremos influências, que ajudam a moldar nosso gosto e definir nosso estilo: de comer, vestir, viver e até, de morar!
No fundo é o que buscamos, nos blogs e sites de decoração: boas referências; dependendo do que mais nos toque e, combine melhor com nosso estilo, definimos como queremos nosso lar.


Numa dessas viagens virtuais cheguei ao blog da crafter Alicia Paulson

Já conhecia o Posie Gets Cozy, mas o que mais chamou minha atenção foi a reforma no ateliê dela, há pouco. 


Neste post, ela fala das influências que nortearam a reforma, principalmente, o trabalho do pintor realista sueco Carl Larsson.


As belas aquarelas do artista, retratando a rotina da casa e as pessoas, serviram-lhe de referência na escolha das cores e estilo do ateliê:

Ingrid
O pintor teve uma infância triste, mas superou as dificuldades através da arte. 
Nesta comparação curiosa, Carl, à D, parece ter sido referência clara para o estilo e visual do mythbuster Jamie Hyneman:

Cheezburger

Carl se casou com Karin: não “foram felizes para sempre”, mas ao menos, “até que a morte os separou”. Tiverem 8 filhos, que logo viraram tema e modelos para muitas das aquarelas do artista: registros em Ett Hem ( a Casa), Larssons (Os Larssons) e Åt solsidan (O Lado Ensolarado). 
A “grande família” habitou num minúsculo, mas simpático chalé, presente do pai de Karin ao casal: 
BW gården utomhus
Lilla Hittnäs, residência dos Larsson

A obra de Carl influenciou, inclusive, o design de interior sueco, justamente por retratar muito da rotina do lar.

Vejam mais, na galeria de Carl, no Google: os tons de verde e azul inspiraram Alícia a escolher a cor das paredes. Além disso, a luz natural e os ambientes suavemente acolhedores do interior das casas suecas determinaram o estilo do ateliê:

Studio20
O azul escolhido foi o buxton blue, mas há similares nacionais à altura. Basta usar alguma referência na hora de mandar preparar a tinta, assim como Alícia usou. 
Particularmente gosto muito desse tom, assim como o turquesa e o azul calcinha( Acreditem! Essa cor existe!).
O profundo azul acinzentado ganha tons diferentes, conforme a luz, natural ou artificial:
Studio2a
Os pendentes, onde ela precisa de mais luz: no canto de costura.
Numa outra mesinha, onde deixa o note e impressora, uma parede artesanal de lembranças:
Studio7
Outro aliado na reforma foi a loja escandinava Ikea.
Luz natural entra sem cerimônia pelas amplas janelas e portas de vidro, integrando o ateliê ao quintal. O piso claro casou muito bem com a parede: cores calmas.
Studio36
Uma grande mesa funciona como uma ilha de trabalho:
Studio27
A visão privilegiada do tranquilo jardim, com um pendente de vime na varanda:
Studio5
Conforme a luz, o azul vira verde:
Studio33
Quem parece ter aprovado a reforma foi o cachorrinho de Alicia:

Studio18
Posie Gets Cozy

(Ops! Ela também tem 2 gatinhos, mas eles preferiram não opinar…)
Afinal, é pra isso que serve a casa, em qualquer lugar ou época: acolher e abrigar seus moradores.


Woman Lying on a Bench

(Carl Larsson-1913)


E você: o que lhe inspira?…

You may also like

11 Comentários

  1. Pois então,blogueira prolixa,comentaristas também.Já reparou??
    Muito fofo esse ateliê!E essas janelas(muitos suspiros).
    Sendo que não posso reclamar,essa época do ano,quando acordo a primeira coisa que vejo é um flamboyant maravilhoso,cheio de flores e muito passarinhos cantarolando.

  2. Uau,que lindo!!
    Ah,não fabrico absolutamente nada,mas vendo essas imagens,quem não tem vontade de ter um atelier como esse? Dá até vontade ser artista só pra ter um atelier (aliás atelier é uma palavra chique ,ne?)rsrs.
    Abraço,
    Ivanete

    1. Thiago, você pode mandar fazer qualquer tom de cor. Use algum objeto ou figura, como base.
      Na dúvida, peça pra manipular umas amostras e teste em um pedaço de parede, pra ver qual melhor se aproxima do que deseja.
      Boa sorte!
      Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *