Vai um kitsch, aí?…

Phillippe Stark e seu banquinho kitsch

Quando se é mais novo e inseguro, a tendência é não arriscar, pelo menos, no quesito moda e decoração.
Interessante é que, ao mesmo tempo que alguns jovens são capazes de se lançar em aventuras de final imprevisível e, até perigosas, na hora de vestirem a casa e o corpo costumam ser caretas.
Meu filho do meio, por exemplo: de vez em quando surge com alguma ideia mirabolante.
Filhos
Ano passado cismou que faria de bicicleta os 60km que separam nossa casa, em Santa Teresa, do sítio da avó, em Colatina. A estrada é perigosa, cheia de curvas, sem acostamento, com muitas subidas e descidas. Respirei aliviada quando ele desistiu do plano.

Logo, veio com outro: contou que gostaria de passar as férias na roça, sem TV, sem internet, sem celular ou telefone. Quando perguntei sobre o motivo do isolamento, respondeu que tinha a ver com o seu futuro profissional(?!).
-Como assim?! continuei.
-Eu quero saber como é viver da terra…Talvez, faça Agronomia…
Quase tive um chilique. Nada contra a profissão mas, não me parecia que tivesse algo a ver com o perfil dele.
Enfim, resolvi deixar o vento soprar no barquinhho dele pra ver em que porto, finalmente, irá atracar. Ele é “sabido”.
Mas, em relação à arrumação da casa e moda o rapazinho é bem mais tradicional que eu. Vez ou outra implica com alguma roupa que coloco ou, com alguma das mudanças que faço na casa.
Quando não sabe exatamente que argumento usar para explicar seu desagrado, resume: “tá brega!” diz assim, “na lata!”
Não esquento. Levo em consideração a opinião dele mas, se não tiver nenhum embasamento, toco pra frente: “brega” porém, convencida.

Cada dia, aprendemos um pouco; mudamos paradigmas. Se isso pode acontecer comigo, mais avançada em idade, muito mais com ele, um menino de 16 anos!

Isso tudo pra mostrar um pedaço da minha sala, avisando de antemão: é meio brega, meio kitsch.
Durante a semana ela vive “às moscas” mas, no fim de semana, transforma-se em estúdio de música ou, local para receber os amigos mais íntimos:

sala
Os instrumentos-violão, violino, teclado-ficam todos lá, sempre à mão. Aliás, todos não, porque o menino do meio gosta de chegar da escola e tocar violão no próprio quarto. O meu, que uso menos, resolvi colocar numa capa colorida e integrá-lo à decoração.
A capa de patchwork é da Farm Rio:
Capa de violão
Mãozinha felina ajudou a sustentar o instrumento:
Gatinho dá uma mãozinha
Acima do gatinho pendurei uma casa de passarinho porque, nesta casa, diferenças devem ser toleradas e diferentes, tolerantes.

Casa de passarinho
Capa de violão
Apesar de gostar de cor, não escondo meu desgosto por este sofá. Em breve deverá ser trocado por outro, mais neutro.
O banquinho, feito por artesão aqui de Santa Teresa, é resultado do reaproveitamento de árvores caídas na mata. Aqui, virou mesa de centro:
Mesinha de árvore reciclada
Mas, entre os meus sonhos de consumo para a casa, o banquinho de anão de jardim do Philippe Starck não poderia faltar(além, daquela cadeira transparente)!

Como diz, naquela música dos Titãs:
Você tem sede de que?
Você tem fome de que?…

E você: tem medo de quê?…

You may also like

20 Comentários

  1. Acho que a sua sala está linda!!!
    Gosto dos quadros,e o que é aquela capa da Farm,ser kitsch assim não vale,La!!!!
    Vou te falar,eu tenho medo em decoração de salas com cara de show romm.E paradigmas na decoração me incomodam bastante.
    Bjs

  2. Graças aos céus perdemos mesmo muitas das inseguranças bobinhas conforme o tempo anda. Sem medo da breguice, me rendo desde sempre à mesinha do gnomão (sabes da minha paixão por eles, não é?). Seria um gigante em meio aos meus miúdos, que hoje também estão na vitrine do Amém, mais uma "coincidência" das nossas, Laély! Adorei ver o trio (todos produzidos, hein?). Beijos pra eles e pra ti!

  3. Laély, sua casa tem sua alma, cheia de cor e objetos que dizem um pouco sobre o seu momento e sua vida. O interessante é que agrade a você e basta.
    Quero ter muitas coisas pra casa, enchê-la com o que gosto sem me preocupar se é legal ou não, brega ou não, eu quero é ser feliz. E quem não quer?
    Beijos

  4. He, he…Bianca, acho que a sala é onde bagunça menos, porque circula menos gente, durante a semana. Mas, não pense que aqui é tudo arrumadinho. Tem dia que fica siniiistro! rsrs

  5. Que lindo!!! Estou decorando a minha casa e estou sempre por aqui tentando catar alguma idéia. Adoro kitsh. Somos fã de glam rock, meu marido acha o Wando o máximo, sou pink addict e somos totalmente viciados em estampas de oncinha. Então brega pra gente é elogio. Comentei com a minha mãe que ainda insiste em achar toda vez que pretendo arriscar que vai ficar feio que não posso usar bege na minha decoração se não o suporto. Acho que nossas roupas, cabelos, decoração e tudo que nos envolve tem que ser exatamente como agente se não é fake. E quanto a bagunça, acredito que até certo ponto é saudável quer dizer que têm pessoas interagindo. Parabéns pelo blog! Beijos!

  6. Tua sala tá linda Lá, adorei, tá mais linda do que nunca, mas acho que não precisa do duende, deixa ele viajando e conhecendo o mundo com o pai da Amélie rs. Gostei do seu vestidinho tb! beijo

  7. Oi Laély
    adorei a capa do violão… sabe meu marido trabalha numa fábrica de capas para instrumentos musicais, e eu estou fazendo um catálogo dos produtos deles para uma feira que acontecerá em Sampa no fim do mês, a Expomusic… nós vamos trabalahr na feira durante três dias… ai que já tô com saudades dos filhotes que ficarão com meus pais… Eu estava aprendendo a tocar (pela quinta vez) mas meu professor simplesmente foi embora do seminário, assim de uma hora pra outra, pelo menos pra mim, pois acho que na cabecinha dele essa decisão vinha tomando forma há algum tempo, e agora só o marido pega no violão pra tirar umas notinha toda noite… Música é essencial numa casa, adoro o som de um violão bem tocado… acho que é por isso que gosto tanto de ouvir um violeiro em especial, o Almir Sater…
    beijinho Laély
    Não achei a sala brega, não. Brega pra mim são coisas feias no lugar errado e que não tem história nem nos fazem sorrir.

  8. Oi Laély,

    Adoro suas histórias :)
    Acho que brega é tão relativo não é!?
    Sei lá. Ás vezes vejo uma casa linda, mas que nada tem a ver com os moradores. E isso sim é brega. Ter uma casa que é a cara …do decorador. Ou da revista.
    Inspiração é uma coisa, mas sem perder a identidade.
    E o banquinho do Philippe Starck é um luxo, mesmo sendo kitsch 😉

    Beijo,

    Andreia
    http://universoemcores.blogspot.com

  9. Você está linda entre seus pintinhos. Em casa não costumo ter problema com a opinião da prole, eles encaram com tranquilidade minhas viagens…rsrsrs. Sua sala é linda, alegre e cheia de vida. Medo? Acredito que eu não tenha, uso coisas para me deixar feliz…o resto é bobagem. Beijocas!

  10. Oie, Láely

    Eu por aqui novamente…sua sala tá linda, colorida, alegre (assim como a sua cozinha), ou seja tem a sua marca registrada e isso que é importante.
    Particularmente não gosto de casa que parece loja, mega sofisticada que dá até medo de usar pra não quebrar nada ou sujar, ou como casa da novela das 8, tudo certinho combinandinho, claro demais ou escuro demais.
    Sua sala não tem nada de brega, mantenha assim no mesmo astral.
    bjs

  11. HAhahah!! Menina, também tô maluca pela cadeira transparente do Starck…lindonas!! Sempre amo tuas produções 'salísticas', suspirei na capa do violão!! Ultimamente nem pergunto a opinião alheia, vou logo fazendo, tá certo que às vezes enfrento uma ou outra represália…dou de ombros na cara de pau…hahahah!! Lindos Mamãe e filhotes!! Bjobjo!!

  12. Alo,Laely!
    Ah,menina…Que brega que nada, a tua sala me parece cheia de alma e repertorio musical!Um lugar bem gostoso pra se estar e relaxar do corre-corre da vida…
    E quem sou eu pra reclamar, ja que tenho um olhar meio kitsch ( ou meio brega ? )pras coisas ao meu redor?
    Adoro os lugares que exalam esse aroma de naturalidade e personalidade…Pra mim, o que mais importa e o nosso bem estar e a simpatia informal dos ambientes em que vivemos!
    A minha casa, como ja te disse antes, e um recanto pra nos no meio desse Rio de Janeiro tao agitado…Tem mais jeito de casa rural, do que urbana… Tem cogumelos e sapinhos "kitsch" no jardim, tem lustre com jeito colonial, tem bica com azulejos bem na sala de jantar,tem vasos de plantinhas nas janelas, tem varanda que da para a mata la nos fundos…Ou seja, e uma mistura de estilos talvez considerados como brega ou antigo… Mas e o nosso refugio precioso! Sei que precisamos melhorar ainda muita coisa, mas com certeza, queremos preservar esse jeito meio rural e kitsch de ser…
    O nosso unico medo atual e a destruicao da natureza ao redor de nossa casinha, que podera nos levar a perder esse encanto especial que so a natureza pode nos oferecer…Porque ela sim,tem sido a nossa inspiracao maior.

    Meu abraco caloroso pra ti e os teus meninos !

    Teresa

  13. Amo esses detalhes!!! Cada cantinho pensado com carinho, contando a história da Dra. e de sua família. Que brega!?!??????? Estilosa, baby!!!!!
    BJs!

    * E o filhote já escolheu a futura profissão?

  14. Li o comentário de cada uma com atenção. Obrigada pelo apoio.(rs)
    O que não rendeu hoje foi meu tempo.
    Depois, com mais calma, procurarei responder a todas, individualmente.
    Abraços!

  15. Boa tarde Laély! Andei meio sumida. Eu que sempre fui desencanada da vida, nos últimos tempos ando preocupadíssima com o futuro do país. Tudo por causa dos meus filhos. Tenho pavor de imaginar o tipo de país que eles terão que viver no futuro-breve. Acho que todo mundo se preocupa com isso, mas eu estava "numa nóia". Dei um basta e acabei aparecendo pra te visitar e dizer que ler seus posts sempre me põe pra cima.
    Aliás, adorei sua salinha. Acho que precisa ser muito segura de si pra assumir um estilo assim. Eu sou meio certinha e básica nesse negócio de decoração. Prefiro não correr riscos. E acho bárbaro essas casas coloridas, "atravancadas" de coisas que por si só dizem: aqui mora gente, viu! Gente de sentimento!
    Parabéns mais uma vez.

    Bjs e ótimo fim de semana. Já!

  16. Márcia, nem me fale em preocupação com o país!…
    Meu pequeno anda "maravilhado" com o horário político! Analisa tudo: dos discursos, aos jingles!
    E eu, "maravilhada", estupefata com o endeusamento de uma figura pública, que não se constrange em afagar ditadores!
    Falta um "bolsa-consciência"…
    Quanto à casa, a opinião e o gosto mudam, conforme o tempo e entendimento. Mas, até as mudanças, falam a respeito dos seus moradores.
    Abraço!


  17. Eu sempre gostei da sua sala (ja tinha visto antes de vc. mudar a posição dos quadros tb).
    Essa capa para o violão da Farm esta um arraso. Nunca tire ele dai, por favor é lindo. Gosto também da colcha que cobre o sofá.
    Kitsch é tudo de bom!
    bjus e bom feriado

  18. Oi Moça,
    Com a blogosfera, ns conhecemos o gosto e a opinião de muitos que as vezes são iguais, muito parecidos e pouco diferentes dos nossos. Então a "ditadura" de decoração e do que é brega e do que não é aabou. Viva a pluraridade de gostos e troca de idéias.
    Adoro sua sala e os detalhes…
    Ai menina mostra o quarto logo. acho que nunca o vi por aqui. E olha que já olhei tudo dsrsrrs.

    Parabéns pela inspiraçãopara nós.

    Beijocas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *