O QUE FAZ VOCÊ FELIZ?


Woman’s Day

Assistindo à TV paga, na quarta à noite, uma das propagandas chamou-me a atenção:

A voz, que parecia ser de Gilberto Gil, recitava um poeminha daqueles de rimas simples, não simplórias, descrevendo uma sucessão de imagens de apelo emocional, não piegas.

A campanha já é antiga mas, novidade pra mim, já que não temos supermercados da rede Pão de Açúcar por aqui.

A agência de publicidade responsável está de parabéns! Fui atingida, em cheio! Objetivo, alcançado: convencer donas de casa e mães de família, futuras clientes fiéis, que é melhor comprar num supermercado que pensa…na felicidade da família!

Exageros à parte, o comercial é perfeito!

Fiz uma busca na internet e descobri um outro, com Seu Jorge e este, na voz de Arnaldo Antunes, que aprendi a admirar.

Quem não conhece, dê uma olhadinha e depois a gente continua…
Posso até não deixar transparecer, ainda que, de vez em quando tenda à lamuriações por aqui, mas estou numa fase, meio “borocoxô”.

Tento “pollyannizar” lembrando o livro, versão kid e moça, lido e relido na adolescência.
Lembro também da frustração que sentia, após empreender tanto esforço procurando “ver sempre o lado bom das coisas”, mesmo nas piores, tentando praticar o tal “jogo do contente” e, mesmo assim, simplesmente não conseguia ser como aquela menina positiva da ficção!
O tempo passa e acabamos descobrindo que Pollyanna é apenas mais uma daquelas idealizações, que apontam para nossas fragilidades e limitações: não somos mais bonitos, nem mais inteligentes, nem mais felizes que ninguém, em especial.

Ok. Também não precisamos exagerar e sair, do otimismo irreal de Pollyanna para o pessimismo surreal de Kafka!

Mas, “sou brasileira e não desisto nunca!” Começo o dia, recitando o mantra do LAR( Lamuriadores Anônimos, em Recuperação):


-Só por hoje, eu não vou reclamar.

-Mais um dia, e: proponho-me a valorizar pequenas coisas, que me trazem grandes prazeres.

Alguém aí, precisa engrossar o coro?!…

Neste exercício, de podar a erva daninha do pessimismo que teima em crescer no campo das ideias, até que comecei o dia bem, na quinta: lembrei de pequenos detalhes, porém, importantes o suficiente para me fazeram sorrir, esses dias.

*Na quarta fui “resgatar” o filho do meio em Vitória, longe de casa, há 1 semana. (O mais novo pediu arrego e voltou pra casa, antes.)
Andamos pelo Shopping, de mãos dadas, coisa que ele não fazia, desde que era “criança pequena, lá em Barbacena”!
Perguntei-lhe, se não sentia vergonha de andar daquele “jeito”, com a mãe. Respondeu, tranquilamente: “não”. Mas tratou de emendar, com um sorrisinho maroto: “não tem nenhum conhecido meu, por aqui!”
Seguimos rindo, mas ele continuou segurando a minha mão e, sendo paciente, cada parada que eu fazia e, ouvindo comigo o cd que eu acabara de comprar e, dizendo que eu não precisava mais comprar cd, porque ele poderia gravar pra mim…

*Semana que vem é o aniversário, desse garoto: faz 16 anos.
Quer ele mesmo fazer a janta, aceitando minha ajuda, desde que o cardápio não inclua carne! Também, não quer nada que lembre festa de aniversário, como o bolo do parabéns.
Repetindo, aquele dito popular:
“O que ele me pediria rindo, que eu não faria chorando?!”
Só se for, de alegria: pelo orgulho que sinto dele!

E, se isso não for motivo pra deixar alguém feliz, eu deveria ser malhada como Judas, em praça pública!


*Além do menino, fui buscar em Vitória uma encomenda que minha mãe mandou, lá de Belém.

Segundo Calvin(Calvin e Haroldo), “os melhores presentes não vêm em caixas.”

Não, neste caso: a caixa de isopor, repleta de polpa congelada de açaí, cupuaçu e bombons de cupuaçu, carrega também o carinho de mãe e irmã, que moram longe.

*Ainda numa caixa, chegaram esta semana presentes de 2 amigas queridas:
Cynthia, do
Fala Mãe!, mandou camiseta personalizada com passarinho, latinha vintage com caramelos, chaveirinho digital e fita adesiva de cupcake. Um kit de fofuras!
Rosana, do Amém…, mandou-me um livro especial:

*Quando levanto na madrugada de quinta para trabalhar, quem sempre me acompanha e desce as escadas “conversando” comigo é o gatinho, embora não interrompa o seu café da manhã para despedidas.
Tudo bem: não posso exigir-lhe tanto.

*Quem costuma acordar, só pra me dar um abraço de despedida é o pequeno.

Então, pego minhas coisas, entro no carro e…”Pela estrada afora eu vou, bem sozinha…”

*Coloco pra tocar, o cd de Ná Ozzetti.
Entre os vários prêmios conquistados como cantora, em 2000 r
ecebeu o de Melhor Intérprete do Festival da Música Brasileira(Rede Globo) com a música Show, de Fábio Tagliaferri e Luiz Tatit.

E, enquanto chego ao meu destino final, Ná chega ao clímax do cd, interpretando a música tema!

Canto junto e me emociono com a interpretação dela:

É só uma voz
A minha voz
Sem coral
Cadê o coral

Cantava aqui
Estava aqui
Cadê o pessoal

A música avança
Lança
Em mim
Um gelo geral, solidão

É só uma vez
A minha vez
De fazer
O solo final

Eu entro aqui
Eu entro em mim
Voz principal

Solei, solei
E um coro virtual
Eu ouvia anunciando sem dó
Sou eu, e só

E assim eu refiz meu caminho
Com voz e com muita emoção
O coro virtual eu troquei
Por um vigoroso violão

E quem sonhou
Sofreu, chorou
Pode fazer de uma só voz
Um show

Pode não ser
Um mega show
Um festival com multidões
Mas quem chorou
Já tem na voz
Um show

Ok. Na quinta quem dá o “show” sozinha, sou eu. Seria algo como, “No Limite”: 24h de plantão!
Mas tento começar animada, embora saiba que vou acabar acabada, mas a “gente vai levando, vai levando…”

Faço um esforço para, no outro dia cedo, dia de mais correria, relembrar o “mantra”.
Porque há certas “coisas”, como as que citei, que não têm preço. Para todas as outras, existe cartão de crédito(citando outro comercial famoso)!

Daquelas coisas debitáveis em cartão de crédito, que me fariam abrir um sorriso, eu escolheria:
Um sapatinho, que me fizesse sentir como princesa…
The Storque/Etsy Handmade Blog

Broches, presilhas, anéis, pingentes fofos do minifanfan:
Anel de gatinho, vintage:
FFFFOUND!

Babushcups:
Neatoshop

Babushcamera:


Jarra e copos coloridos:

Suporte vintage para celular:
Etsy

Pra ninguém ficar triste, chupando o dedo, algo desejável e manufaturável:


Ops! Mas, esperem aí!
Aonde vão, com tanta pressa?!

Galeria pública de Shelly no Picasa

Uma festa é sempre por um motivo feliz.
Após alguns meses esperando por isso, ontem, enquanto fazia este post, o blog chegou aos 1000 seguidores.

Taí, uma coisa que me deixou feliz, principalmente porque pode ser um rito de passagem. Espero que seja um sinal de amadurecimento.

Taí: tenho me esforçado pra mostrar aqui, sempre algo relevante. Ao menos, algo que possa fazer o dia de quem lê, mais feliz. Não sou o Pão de Açúcar, mas eu tento…
uúte
Então, diga aí:
O que faz você feliz?

You may also like

28 Comentários

  1. Laély,
    Preciso de muito pouco para ficar
    feliz.
    Olhar para os filhos e ver o quanto estão crescendo, que rápido!
    Terminar de servir o jantar e ouvir: mamãe, que comidinha gostosa…
    Ouvi isso ontem e fiquei deveras emocionada.
    Assistir um filminho e chorar, chorar, chorar.
    Ler o seu lindo post.
    Parabéns pelos 1000 seguidores.
    Beijinhos carinhosos.
    Fátima.

  2. Ah, menina, eu me candidato a fazer coro no seu mantra. O que me faz feliz? Ah, precisa de tão pouco pra me fazer feliz….Uma música que me lembre um passado bonito, um cheiro que me dê saudade, olhar no meu passeio matinal que já tem manguinhas miudinhas nas mangueiras.
    Bom demais passear por aqui, viu? Isso também me faz feliz.
    beijo
    Berê

  3. O que me faz feliz, no momento, tomar uma sopa fumegante, salpicada de lascas de queijo, num dia e chuva e muito frio, lendo uma postagem maravilhosa, de uma pessoa tão culta, de tão tão distante, e sentí-la tão próxima.
    Bjs

  4. Ô, minha querida, posso ser piegas (só por hoje… rsrs)? Nossa amizade me faz feliz. Taí o que diz a autora do "Mulheres que…" sobre o estado "borocoxô": "O jardim precisa ser revolvido no outono a fim de que se prepare para a primavera. Ele nao tem como estar florido o ano inteiro". 1000 beijos!

  5. Humm…tanta coisa…jogar conversa fora, falar um montão de bobabens com minhas filhas ou com minhas amigas do peito e rir muito e despreocupadamete com essas bobagens, navegar pela internet e ver tantas idéias bacanas, ler posts legais como este, viajar com meu marido, ver o sorriso da minha netinha, comer e servir coisas que eu mesma fiz ou plantei, ver alguém fazendo gentilezas, ser gentil com alguém….bjs.
    mamélia

  6. Sra.Laély,
    Desde que comecei a acompanhar blogues,(faz pouco tempo) me agradou muito, a forma como o seu pensamento sobre um assunto é colocado .
    Eu gosto muito desse comercial a que a sra. se referiu, e já me questionei,por conta dele,sobre ser feliz.Realmente são coisas simples, as que nos fazem mais felizes!
    Um forte abraço!
    Izabel – Guapimirim_RJ

  7. Isso é tão simples, não é?
    Demorar-se pra comentar, mas se importar em deixar um pouco de sua impressão, impressa neste folhetim virtual!

    Nesses dias, tenho andado com os nervos tão à flor da pele(não fugindo à frase clichê)! Mas, ler cada comentário: tão singular, tão carinhoso, de pessoas tão especiais quanto vocês, ajuda a dissipar minhas dúvidas, que o esforço de escrever não valha a pena. É tão simples, mas faz meu dia feliz!
    Queria ter publicado o post ontem à noite e, na verdade o fiz, mas a internet estava ruim lá no plantão. Acabei perdendo metade do post.
    Já passava da meia noite e não tive mais condições físicas e emocionais pra recomeçar.
    Enquanto me refazia da frustração, a "maioridade" chegou: tudo bem, que é apenas um número, mas o crescimento do blog é um termômetro que uso, pra avaliar se o que escrevo está sendo bem recebido.

    Fátima, querida, sinto daqui, o quanto você torce por mim!
    Obrigada pelo seu carinho e prestígio!

    KIBOMBERÊ! Parece marca de sorvete mas, é porque a sua presença é, semelhantemente gostosa.

    Rosana, minha amiga, que aprendi a guardar no coração: é a lição da humildade e da paciência. Sei, sei: preciso exercitar mais isso!
    Cheguei ao final da tarde de hoje tão exausta, física e emocionalmente, que sentei na beira da cama e chorei um pouqinho. Depois: banho, encher a barriga, conversar um pouco com os filhos, tocar com o Vinícius…Isso é combustível, que alimenta minha maquininha de felicidade. Do contrário, a gente pifa!

    Mamélia, você é uma vovó muito cute!

    Izabel, obrigada por sua participação, mas pode se sentir à vontade pra me chamar pelo nome, por aqui.
    Simples, né?

    Abraços!

  8. Laély,
    Sinceramente?
    Ler um texto assim,bem escrito, cheio de emoções, sensações e vozes me deixa muito feliz, com certa pontinha de inveja, confesso(ai,ai como eu queria escrever com essa fluidez), mas que logo passa, pois me sinto compensada por ter tido a felicidade de acessar e sentir.
    Também ando assim,meio borocoxô, cheia de reflexões e apronfundamentos ,vez ou outra isso pega a gente ,ne?

    Abração
    Ivanete

  9. Ivanete, sinto-me recompensada quando consigo escrever algo assim, tão "vivo"! Mas o mérito não é só meu. Simplesmente, identificamo-nos com palavras que conseguem traduzir o que sentimos.
    Eu ando pensando em futuro. Alguns caminhos são claros. Outros, nem tanto e, isso me aflige…
    Um beijo grande!

  10. Laély,passei a manhã tentando entrar no blog,para ver esse post e não consegui,só via o Melissando…
    E me lembrei imediatamente do comercial quando li a frase.
    O que me deixa feliz é ver uma pessoa igual a você,por exemplo!!!
    Não consigo falar mais nada do seu post,quando há só sentimento,as palavras fogem…
    Resta-me agora me embrulhar na sua colcha de retalhos que foi esse post,
    Bj

  11. Muitas coisas me deixam feliz:
    ver um filho realizando um sonho;
    abrir a janela cedinho e perceber que o sol esta se abrindo;
    goiabada com queijo;
    nao sentir dor…. e mais um mundo de coisas que definitivamente nao vem numa caixa ou pacote para presente.
    Vir aqui e ler seu belo post me faz feliz!
    bjus

  12. Laely,
    também estou numa faze "meio borocoxô", mas seu post tem o poder de levantar meu astral. Te admiro pela facilidade (?) que tem de expressar seus sentimentos de uma forma tão bela… Quando crescer quero ser assim… Respondendo à pergunta: O que me faz feliz? Só penso numa coisa: minha família.
    Parabéns pelo 1000. Voce merece!!
    Com carinho,
    Helena

  13. Lá querida!
    Vc merece qualquer todo tipo de carinho dentro de uma caixinha ou fora.
    O que vc assisti quarta a noite? (curiosa?)Eu ando viciada em Glee da fox, que é bobinho, mas amo as músicas, instigam meu lado cantora de banheiro… Alias uma coisa que me faz feliz, é cantar e tocr com meus compadres, a gente inventa uns tributos malucos e canta várias músicas da pessoa, fazia tempo que nao fazíamos isso, mas o próximo já está marcadoe será um tributo atrasado a michael jackson (com inglês macarrônico claro)Essas bobeiras, a gente ri muito.. acho lindo esse comercial do pao de açúcar…beijocas

  14. Alo,Laely!

    Minha querida fada hi-tech…Nao fique borocoxo nao! Senao eu tambem choro…snif!
    Todos temos os nossos dias dificeis, em que o cansaco e o desanimo tentam tomar conta do nosso coracao… Acontece muitas vezes comigo mesma,mas a boa noticia e que muitas vezes estas fases tristes nos levam a novas e boas estradas!
    E sao realmente as pequenas alegrias da vida que alimentam a nossa alma!
    Sabe de que eu me lembrei? Daquele filme antigo da Novica Rebelde ! Numa das musicas que ela canta pras criancas, ela fala das "coisas favoritas "da nossa vida, e que quando nos lembramos delas,tudo fica melhor…E sabe que isso frequentemente nos ajuda? Quando me sinto "atolada "de coisas que me desanimam, eu busco na minha mente lembrancas e sonhos que me facam voar para outros horizontes! E quando percebo, estou animada novamente!
    Outro dia desses, fiz esse "jogo"pra animar o meu filho pequeno…Comecamos a lembrar das coisas boas, belas e gostosas da vida!
    "tigela cheia de morangos"
    " jardim cheio de flores"
    " um bolo de aniversario"
    " pinguins engracados rolando na neve ! "
    " a gente pintando um quadro colorido"
    "a musica Aquarela do Toquinho"
    " a risada gostosa dos nossos amigos"
    " a praia suave e linda que fomos no ultimo verao"
    "o nosso cachorrao fazendo bagunca no quintal "…

    Ta certo que a brincadeira e pras criancas…Mas de vez em quando, esse pequeno "remedio"da certo pra gente grande tambem,viu?
    Mas sabe minha amiga, o que a gente mais precisa nessas horas e de calor humano, uma gostosa soneca,um abraco forte de alguem que amamos e a certeza de que amanha o sol vira novamente…E havera sempre uma nova chance de ser mais feliz!

    Meus parabens pelos 1000 !
    Meu beijo grande e abraco carinhoso pra ti!

    Teresa

  15. Sem dúvida: descobrir que vocês se identificam com o que divido por aqui, deixa-me muito feliz!

    Milena, assim, derrete meu coração…
    Quero um pedaço dessa colcha pra me cobrir, também!

    Yvone, acho que você está numa fase, especialmente feliz.
    Ficamos felizes, quando alguém que amamos, está!

    Helena, isto aqui também é uma espécie de catarse, pra mim.
    Ontem estava tão cansada e desanimada, que achava que nem queria concluir o post, ou, falar de algo positivo.
    Obriguei-me a fazê-lo e me senti melhor, esquecendo um pouco aquilo que estava me deixando negativa.
    Não, que seja fácil pra mim. Falar é bem mais difícil, no meu caso. Restam-me as letras.

    Cynthia, nem sei o que eu não assistia. Estava zapeando, talvez.
    Um bom progaram, este que falou.
    Apesar do cansaço, nada melhor pra me animar, como tocar com o filho, na sexta à noite. Chego a esquecer o cansaço.

    Teresa, Noviça Rebelde foi um filme que marcou minha adolescência.
    De certa forma, este seu jogo é uma reinterpretação do "jogo do contente" da Pollyanna da ficção.

    Abraços carinhosos!

  16. Olá, Laély!
    Estou em Porto Alegre e daqui a pouco vou ligar para a Rosana, pra ver se nos encontramos até o final da semana, porque só fico aqui até dia 26.
    Lembro-me de uma tarde, em Brasília, a Helena, a Helô e eu, sentadas no jardim, depois de uma saidinha para passear e ir ao jornaleiro. Era a época dessa propaganda: O que faz você feliz? Estávamos cantando,imitando a voz do cantor, quando a Helena, sempre gozadora cantou: "coçar o sovaco"; a Helô emendou: "colar figurinhas", e eu não perdi a deixa, sempre cantando: "ver revistas de tricô".
    Rimos muito, felizes, numa tarde de sábado, coisas tão comuns …
    A felicidade está em coisas simples, compartilhadas com afeto e carinho.
    Um beijo pra você, da Cecilia.

  17. Oi. Laély, sabe o que me faz feliz, é voltar a net e ler uma mensagem tão gostosa e estimulante como a sua. Os filhos crescem, as lembranças aparecem e as amizades florecem. bjs 1000 fffc

  18. Laély, faz tempo que não comento mas passo por aqui sempre e
    hoje resolvi comentar para responder tua pergunta.
    Tive uma mãe que se dizia feliz todo dia consigo mesma(acordava feliz, tinha esperança e fé), porque se considerava única responsável por sua felicidade apesar de ter que conviver com chateações ou contrariedades em quase todos esses dias.
    Te confesso que após a morte dela (faz menos de quatro meses e não há como superar a saudade), eu gostaria de atingir este patamar que ela estava, de serenidade.
    É meu desejo ser feliz independente do outro ou das circuntâncias, quero não desperdiçar nenhum dia ou noite pois se acontecer comigo quero partir como ela:num instante!Bjs. Sílvia.
    *Parabéns pelo,sempre, ótimo blog.

  19. Lá, em primeiro lugar, parabéns pela marca dos mil!!
    Parabéns também pela capacidade que tem de prender nossa atenção , do início ao fim de seu texto, e pelo bom"casamento" que faz de assuntos diversos, sempre numa sequência lógica, de dar gosto.

    Também lí os livros citados e achava que era uma exímia jogadora (às vezes ainda acho). É que, tenho que admitir, tenho uma grande capacidade de tirar proveito das situações difíceis (leia-se: de fugir da realidade…rss)

    O que me deixa feliz,mas feliz mesmo, é ver o crescimento de meus filhos, suas realizações e conquistas; se eles estão bem, também estou .
    Bjs!

  20. Lá, que pena… não conseguiu trocar o plantão. Papai disse que a experiência em Vix foi ótima… disse que foram dois concertos: o de 20h, aberto para o público em geral, e um às 15h, para uma escola, ou instituição (ele não entendeu muito bem), que recebeu mais ou menos 300 crianças. Acho que isso fez ele feliz (pra entrar no clima do seu post). Disse que ainda deu tempo de ir ao convento da Penha e à fábrica da Garoto. Acho que tbm o fez feliz ver a netinha de 8 anos no concerto de ontem (que foi aqui em Brasília), toda mocinha, comportada, pernas cruzadas, achando ruim das pessoas que tiravam fotos durante as músicas rsrsrs… foi muito bom! E isso me fez feliz! Amanhã eles seguem turnê pelo norte/nordeste. Se a sua família gostar de concerto, me avisa, que te passo a programação de Belém.
    Mil beijos
    Helena

  21. Ah Laély! Você me fez chorar e rir ao mesmo tempo, como pode isso?! Sou uma pessoa que na maioria das situações procura encontrar o lado bom das coisas… Mas tem os dias em que os nossos hormônios trabalham contra nós e aí não há santo que dê jeito, rs…Levo a vida olhando pelo lado colorido, e se tudo fica cinza digo para mim mesma que "amanhã tudo se resolverá" (plagiando a heroína/vilã de "E o vento levou")!!!
    A sua felicidade ao receber o abraço de despedida do caçula ao sair para o trabalho, e caminhar de mãos dadas com o filho adolescente no shopping, realmente não tem preço… Me peguei sorrindo ao sentir a sua felicidade!
    E como você dirijo cantando,rs! Nada é tão bom para desopilar o fígado como a alegria de soltar a voz ouvindo uma música que nos toca de alguma forma!
    Parabéns pelos 1005 seguidores, a conquista é sua, o mérito é seu, o prazer é nosso!
    Bjs e uma ótima semana!

  22. Não fique borocoxô não. Bola pra frente!
    Eu adoro o livro Pollyana, mas gosto de Kafka também. Ambos me atraem porque tenho ambos momentos intercalados em minha vida.
    Parabéns também pelos 1000 seguidores.
    Obrigada pelas felicitações pelo meu aniversário. quando é o seu?
    beijos,
    Elisa

  23. Cecília, às vezes são situações tão simples que, numa conjunção, fazem de um dia qualquer, um dia inesquecível, não é?

    Fátima, bem vinda!
    Voltou, poeticamente. rs
    Abraço!

    Sílvia, sua mãe conseguiu sabedoria, que nem uma vida inteira consegeu ensinar à maioria.
    Pessoas assim fazem falta, pois se tornam referências positivas para nós, já tão escassas, hoje em dia.
    O conforto é tentar seguir o exemplo.
    Um abraço!

    Nárriman, obrigada pelo carinho!
    Saiu-se melhor que eu como jogadora, driblando as rasteiras que a vida insiste em nos dar! Parabéns!
    Abraço!

    Helena, não deu dessa vez, mas esses programas ajudam a sair da rotina e a recarregar as baterias.

    Raquel, você é sempre tão positiva!
    Privilégio meu, tê-la sempre por aqui! Obrigada!
    Abraço!

  24. Elisa, acabei de fazer 41 anos! rs
    A vida é de fases, mesmo. Adorei Pollyanna, mas acho que hoje em dia preferiria o tom de estranheza surreal de "A Metamorfose", de Kafka: às vezes nos sentimos tão fora do contexto, que nos assemelhamos ao personagem do livro.
    Obrigada e abraço!

  25. Lá, dois livros que eu recomendo para uma fase borocoxô… comigo sempre funciona: biografia de Frida Kahlo (escrita pela Rauda Jamis)e a nova biografia da Clarice Lispector (do Benjamim Moser). Beijão de novo!
    Helena

  26. Adoro o livro Poliana ,ainda hoje trago guardado na minha vida e uso quando estou triste procuro ver as coisas boas,hoje O LIVRO POLIANA é igual a PNL (PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUISTICA) que fala para mudar o foco…quando estiver triste pensa o quanto vc faz muita gente feliz colocando posts legais,mensagens boas,dicas ,idéias,ilustrações e.t.c ai! ai! BOAS VIBRAÇÔES para vc…e estou aguardando vc me seguir…para mem fazer feliz…

  27. Que me faz feliz?! ouvir esta musica por exemplo, um dia lindo de sol, o sorriso dos meus filhotes, ouvir a minha neta ,estar em paz comigo com os outros e com Deus. bj

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *