Terra dos pomeranos

Uma vez por semana atendo em Santa Maria de Jetibá, à 28 Km de Santa Teresa.

Andando pelas ruas dessa cidade, observando o povo e ouvindo a “língua estranha” que falam, alguém poderia até achar que se trata de algum lugar perdido, no interior da Alemanha.
A avó do meu marido tem 94 anos; é brasileira, mas nunca aprendeu a falar Português, o suficiente para se comunicar desembaraçadamente. Ela é descendente dos pomeranos, vindos de uma região da Europa que atualmente pertence à Polônia. Esse povo têm dialeto, cultura e costumes próprios. A vovó não fala a nossa língua, não é porque não quis aprendê-la, mas porque viveu num tempo em que as mulheres pomeranas não costumavam sair: geralmente ficavam em casa, cuidando da roça e da família numerosa, enquanto o marido, este sim bilíngue, ia até a cidade resolver negócios.
À entrada de Santa Maria de Jetibá, lê-se numa plaquinha:

“Bem-vindos à cidade mais pomerana do Brasil”
Cidade esta, que subsiste e se desenvolve à base de hortifrutigranjeiros.
A estradinha sinuosa que liga as 2 Santas( Teresa e Maria) só não enjoa mais, por causa da bela paisagem: hortas bem cuidadas, plantações de café, eucaliptos e poços de peixe. Nesta época do ano, arma-se um grande espetáculo da natureza: o costumeiro verde da mata, marginal à estrada, ganha um tom roxo pela floração das quaresmeiras.
Fiz algumas paradas no meu percurso, para dividir com vocês estes presentes:
A religião luterana é a mais tradicional entre os pomeranos. Gosto especialmente desta bela igreja, encravada no meio de uma plantação de café e hortaliças: A espatódia, também dá o seu showzinho particular: Acho que as flores desta árvore têm cor e forma de coração: As primeiras quaresmeiras em flor:Uma robusta primavera, já na entrada da cidade: Fedegósias amarelas, também são comuns por aqui:
“Isso aqui, ô ô, é um pouquinho do Brasil, iá iá…”
E a cara que o Brasil tem, nesse interior do Espírito Santo: pele clara, olhos azuis, cabelos loiros e mãos calejadas…
(Primeira, segunda e última fotos: via web)

You may also like

21 Comentários

  1. Estou adorando esse tour por lugares tão lindos. Não conheço o Espírito Santo, quanto lugar lindo. Obrigada pelo passeio.
    Bom final de feriado, recupere as energias pra volta ao trabalho.
    Berê

  2. Laély, estamos a kms de distância mas as imagens são idênticas as do interior do RGS onde a colonização alemã é muito intensa.
    Abraços e bom dia.
    Sílvia.

  3. Eu não conheço esa cidade!Mas parece igual a Pomerode, Blumenau, Timbó…tudo aqui em SC!hehe
    Pomerânia também é um estado do território alemão ainda hj(onde eu até já morei!)
    bjs

  4. Ah este país lindo cheio de contrastes!
    No interior aqui do RS tb é assim, na serra um monte de pessoas lindas bem branquinhas de olhos de um azul de dar inveja!!!
    Que amor de cidade, uma arquitetura muito bonita!
    Bjuuu
    Pri

  5. hum..que delícia de lugar Laely, e que maravilha estar tão pertinho da sua cidade. Parece até que vc deu uma escapadinha pra um outro país. Adorei!bjs

  6. É verdade.
    Os pomeranos têm outras colônias por outros lugares de mata fria: como Santa Catarina e a serra gaúcha.
    É um povo muito simples, trabalhador, mas há coisas tristes entre eles, como o alto índice de alcoolismo e suicídios.

  7. Eita, Bia! Precisa de um bom cardiologista. rsrs
    Mas o que é interessante nesse país, são os vários países que ele abarca.
    Às vezes, não é preciso ir longe, como no meu caso: basta dobrar uma esquina e você conhece um mundo novo.

    Ei, pernambucana!
    Boas vibrações pra você, também!
    Tá animado, por aí?…

  8. Oi Laély!
    Mostrei teu post pra Edno, meu marido e ele ficou muito interresado… é que como vc deve ter percebido, meu sobrenome, Stanger, é de origem alemã e o Edno faz o estudo da geneologia da família e vive à caça de Stanger e Stange pelo mundo a fora… os estudos dele já estão bem adiantados e nas pesquisas ele descobriu que o Espírito Santo é o lugar onde chegaram e se instalaram alguns Stangers… curiosidade puxa outra, será que vc conhece algum por aí? hehehe pode ser Stanger ou Stange…
    Essa cidade deve ser linda e me lembrou muito Pomerode SC, onde já sonhei morar… o problema é que lá é muuuuiiiiittttoooo quente, fica nun vale e há o risco de alagamento todo o verão, e disso eu tenho medo!
    Beijinhos Láely.

  9. La,

    A família do meu ex-marido é de Cachoeiro de Itapemirim, então, eu passei os 12 anos em que fomos casados viajando para o Espírito Santo. Na maioria das vezes, para as praias (Itaipava, Iriri, Guarapari), mas tb conheci Domingos Martins e mais outras cidades próximas na serra. Por acaso, é por aí que vc mora? Porque eu fiquei totalmente encantada com a região!

    Na época, queria me mudar para Domingos Martins, até porque vi na Casa da Cultura jornais de melhor qualidade do que os que têm por aqui, na cidade onde eu moro, que é pequena, mas bem maior que Domingos Martins. Lembro de ficar indignada! rs

    Lindas as fotos!!!

    beijo

  10. Ah, sim…
    Me lembrei de fazer um PS pra não parecer que eu sou louca (o que não deixa de ser um pouco verdade…rs): vc sabe que eu sou jornalista, né? Senão o que escrevi ali em cima não faz sentido algum…rs

    beijo

  11. Como é lindo o nosso país!!!!!!!!!
    Esse lugar tem algo mágico. Amei! E o mais interessante é saber que existem vários países dentro do nosso Brasil. Somos abençoados por Deus, que com certeza é brasileiro. bjs.

  12. Que legal saber mais sobre a cidade mais pomerana do Brasil… nossa, como nosso país é imenso e diversificado! Suas fotos ficaram lindas, especialmente as das flores! Beijão!!!!

  13. sou de uma cultura italiana mas quando conheci a cultura pomerana fiquei apaixonado ;;por ser um povo trabalhador e o nesto parabéns por todos vocês ;;vou pedir adeus uma esposa pomerana …felicidade a todos…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *