O caminho do z(b)en… ( cap. IV)

Quer saber o que trilharemos hoje?… Quando alguém pergunta: “qual é o caminho?”
O zen simplesmente responde: “caminhe”.
E, pelo pouco que já se mostrou por aqui dos muitos caminhos do ES, é possível ter uma ideia do patchwork cultural e geográfico, costurado nesse estado: a influência alemã e italiana, a pequena “Grécia capixaba” e até, uma representação do Oriente e da cultura zen budista: Estou falando do Mosteiro Zen Morro da Vargem, em Ibiraçu( Km 217, da BR-101).
Fundado na década de 70, foi o primeiro mosteiro zen da América Latina.

Juntamente com a abertura e calçamento da estradinha, que leva o visitante da BR até o alto do Morro, o mosteiro também se abriu à sociedade:
O trabalho de recuperação da Mata Atlântica no Morro da Vargem, antes devastada, foi reconhecido pelo Ministério do Meio Ambiente, “como uma das mais bem sucedidas experiências brasileiras de desenvolvimento sustentável”.

“Em 1992, a SEAMA (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos), instituiu no Mosteiro um Pólo de Educação Ambiental.” Graças a essa parceria, com o Governo e a iniciativa privada, desenvolvem-se por lá desde então, programas de reeducação ambiental para escolares, com prévio agendamento.
A visitação monitorada é aberta ao público aos domingos, até às 14h. E foi esse passeio interessante que fizemos com nossas amigas gaúchas, há uma semana.

Após uma subida íngreme, chegamos a um lugar de silêncio, muito verde e tranquilidade:
Como a Rosana tem uma certa limitação de mobilidade, deixei-a à entrada do Mosteiro e tratei de procurar o “monge-mor”, para que me autorizasse a entrada com o carro, até um lugar mais próximo.
Encontrei um homem alto, de meia-idade, cabeça raspada, voz mansa, pés despidos, vestido num quimono azul desbotado. “Ôpa! Deve ser esse mesmo!”
Explicando-lhe a situação, não somente tive meu pedido prontamente atendido, como também me perguntou se gostaria que alguém me levasse de moto, de volta até a entrada.
Perguntem, se eu titubeei…O curto passeio de moto foi uma das coisas mais divertidas desse dia, em que o nosso anjo tomou a forma de um “careca de pé no chão”…
Uma nova espécie de peixe: tilápias-zen…Num dia muito quente, a sombrinha de qualquer árvore é um refrigério e convite à meditação…(Será que ele está pensando: “Que passeio chato?…” Acho que não. É um “gentleboy“.)
Procurando o caminho do (zen)bem…Há um pequeno santuário, para cada atividade do dia: banho, necessidades fisiológicas, alimentação, meditação e oração. Na Estação Cultural é possível ter “uma visão panorâmica dos vales e montanhas da região do mosteiro”: Se você for um artista, ou intelectual, e precisar de tranquilidade para desenvolver um determinado trabalho, é só submeter seu projeto à aprovação do Mosteiro para se hospedar, inteiramente “de grátis”, numa casa de madeira e vidro, como esta: Acho que o clima zen “contaminou” o menino…
Em frente à casa, há um deque com piso de madeira e banco panorâmico. Olha as “belezas”:
Tá bom. Não há meditação que distraia uma barriga vazia, por isso voltamos para almoçar em Santa Teresa, lá pelas 4h da tarde.
Não poderia faltar no roteiro, uma paradinha no Restaurante Café Haus, motivo de um post especial, daqui.
Enquanto aguardávamos nosso pedido ficar pronto, uma voltinha por perto, para comprar os famosos biscoitos da região.
A casinha antiga, ao lado do restaurante, ganhou um alegre tom amarelo, que deve ter sido escolhido pela cor do hibisco, plantado logo à frente:
Vamos descansar um pouqinho desse passeio, por enquanto.
Uma boa semana, colorida com esses hibiscos, tranquila como nosso mosteiro zen!

You may also like

18 Comentários

  1. Oie,

    Que lugar mais lindo!!!Na região aonde moro(SP)há um templo budista e esse post me deu uma vontade danada de conhecer.Já fui no Solo Sagrado(SP) e na verdade é um passeio para a alma.

    Beijos,bom restinho de domingo.

  2. Que delícia. Ler suas explicações é muito gostoso, a gente consegue até imaginar como seria estar aí com vc. Parabéns! bjs querida

  3. Só agora me deu por conta que a viagem ao ES foi norteada pelo conselho budista "caminhe", há anos não caminhava tanto (rsrs). E talvez o "não se preocupar com o caminho" explique um pouco o fato dessa superação física, melhor ainda, quase sem dor. Freud deve explicar o resto ao meu ortopedista… Com certeza, teu menino do meio é um menino gentil, uma joia rara. Lembra da brincadeira que levantei em frente à casa que recebe hóspedes à procura de inspiração? Vendo-a agora, volto a pensar num encontro crafter nesse cenário de tirar o fôlego. Imagina quantas artes faríamos! Topas? (rsrs) Fui aos arquivos e achei a foto do teu passeio de moto. Tá longinha e desfocada, mas tô pensando em usar num post tipo making of finalizando nossa jornada com imagens hilárias. Autorizas? Boa semana!

  4. Laély, você está se tornando uma promoter do ES, menina, assim até eu quero ir para aí conhecer todas essas belezas que vc nos mostra.
    bjos

  5. Laély, você é uma ótima cicerone, demonstra muito mais conhecimento a respeito de nosso estado, do que muita gente que nasceu e foi criada aqui…(ham ham…)
    Bjs

  6. Nárriman, eu tô aprendendo, também.
    Um abraço!

    Ah, Rosana! Você já é de casa. Pode o que quiser.
    Acho que a liberação de uma dose extra de endorfina, justificaria o bem-estar, e sem dor.
    Quanto ao encontro, é só questão do monge "ir com a nossa cara" e projeto. Eu, fui muito com a cara dele! Um charme, aquela carequinha. rsrs

    Tânia, vou me propor ao governo, um cargo de "embaixatriz virtual", com direito à vencimentos, é claro! rsrs

    Manuela, aqui é igual Rexona: "sempre tem lugar para mais um!" rsrs

  7. Que lugar lindo! Acho que vc tem que cobrar o merchan da secretaria de turismo do Estado rs, pois não há quem não queira visitar o ES com esses posts tão bonitos.
    beijos

  8. Laély,que passeio gostoso embarquei literalmente, mas me apaixonei mesmo foi pelo restaurante (ex casa)projeto de Zanine,a parede de quadros que preciosidade.

  9. Quando vou de Minas para a Bahia pelo Espírito Santo passo pela frente do Mosteiro. Vou programar uma ida qualquer hora dessa, valeu pela dica. Beijocas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *