Casa iluminada

A economia nos detalhes é quase monástica, mas o que mais gostei, nestas imgens de projetos de arquitetura do ateliê japonês Shinichiro Akasaka, foi o aproveitamento da luz natural, através da abertura de janelas estratégicas:
( Mais imagens daqui, ó: Remodelista)

You may also like

12 Comentários

  1. Gosto de casa clara, bem iluminada e aqui em Curitiba isso é muito importante pois minha cidade vive de cara amarrada (hehehee, não necessariamente os Curitibanos, mas sei que nossa fama não é das melhores!)… é uma cidade onde o vento impera, muito gelado no inverno e com dias de pouco sol.
    Beijinho
    Josi

  2. O interior de uma casa japonesa é uma caixinha de surpresa já que por fora elas são praticamente iguais…

    Me perdi algumas vezes por lá, imagina o tamanho do sufoco já que não tem nome nas ruas e nem número nas casas… como é que o carteiro e o taxista acha o tal endereço é uma incógnita até hoje…rsrsrsr…

    Belas imagens…Bjo

  3. Josi, já ouvi dizer que Curitiba é uma cidade modelo, mas, um tanto depressiva, cinza.

    Ana B., acho que no caso de lugares muito quentes, o ideal seria substiruir as paredes por janelões que pudessem arejar mais a casa.

    Cris, nossa! Eu já me perco com mapa, imagina, nesse lugar!

  4. Olha, a iluminação é boa, mas se vc estivesse por lá garanto que daria ideias de uns quadrinhos daqui uns de lá ne? rs… nada parecida com a sua sala heim…hehehehe… Muito limpo, vazio, nao? Bjs

  5. Myrian, acho que é uma casa para quem não quer distrações. Como vê, parece meio isolada; um lugar para retiro mas, dependendo de quanto tempo alguém for viver por lá, pode ser um pouco depressiva.

    Ingo, indispensável numa região que tem inverno rigoroso, com dias curtos e muitas vezes cinzentos, é esse aproveitamento luz natural.

  6. La, muito válida e inteligente, essa idéia de aproveitamento da luz natural, né? Poupar energia elétrica, faz um bem enorme para nosso bolso e para o nosso planeta.

  7. Pois é Laély, a cidade é linda, com belos parques, muito verde, exemplo de transporte urbano e limpeza… mas, sempre tem um mas no caminho… dizem que povo daqui é frio, meio antipático, sei lá… mas tenho minha teoria, é o frio que não deixa esse povo se soltar, sair mais leve, sorrir mais… tem um livro do Eduardo Fenianos, que conta um pouco dessa fama… acho que o nome é "O Urbenauta" e é meio que um guia turísico diferente pois pra contar as histórias ele ia se hospedando nas casas de moradores mais antigos e colhendo causos pitorescos de cada bairro e pesquisando … isso foi há uns 3 anos, mais ou menos e acho que edição foi limitada, vou procurar um nos sebos, era bem interessante… e sebo tem de monte por aqui… Bem, há quem goste do frio, com seu charme, de belos casacos e botas, mas eu, mesmo sendo daqui, sofro muito, hehehe, sou movida a sol!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *