Bichos…Bichos? Melhor não tê-los…

Mas, se não os temos, como sabê-lo?
A paródia acima, foi uma releitura do
“Poema Enjoadinho”, de Vinícius de Moraes. Ele estava falando sobre filhos, mas quem convive com animais dentro de casa sabe que estes, praticamente, são considerados como tais: crianças que nunca crescem e, acabam fazendo parte da família. Assim é, desde que o homem domesticou as primeiras espécies.
Fico pensando naquelas pessoas desprendidas e altruístas, que conseguem dividir a atenção e amor com uma penca deles.

Esta semana recebi uma “proposta indecente”: assumir mais um gatinho, no caso, gatinha. Aí, bateu aquela vontade e ao mesmo tempo, a dúvida: será que eu dou conta? Seria uma “traição” ao meu Pingo? Pensando bem, acho que ele não se importaria tanto, desde que a ração não diminuísse…
O gato é o nosso companheiro doméstico: o xodozinho que, na ausência de um bebê, assumiu os créditos de atenção e mimos por parte dos humanos da casa. Dentro dela, é ele quem manda.
Ao cachorro, por ser muito grande e estabanado, coube o “reino do quintal”. É ele que me acompanha nas caminhadas e corridas fazendo dessa hora, a mais esperada do dia.
Na corridinha da sexta à tarde, um pequeno susto: Hulk começou a tropeçar nas próprias pernas; percebi que estava convulsionando. Como já havíamos saída da zona urbana, tentei puxá-lo para o acostamento e chamei a ambulância, no caso, o marido( por sorte, havia levado o celular comigo). Fiquei lá, sentada no meio fio, segurando a enorme cabeça dele, até o “socorro” chegar. O cachorro, de mais de 40 Kg, é um touro. Eu e o marido o colocamos na carroceria da pequena pick-up; até chegarmos em casa ele já estava de pé, abanando o rabo, como se nada houvesse acontecido. Como não foi a primeira vez, precisarei pesar qual a conduta menos danosa, em relação a ele.

Essa convivência com os bichos, torna-nos menos “selvagens”. Às vezes, o excesso de intimidade ultrapassa as barreiras do senso comum( ou até, do bom senso...) Golden Gems
“Não julgueis para não serdes julgados” mas, aí vai uma prova:
Atenção! Tirem as crianças da sala! Não tentem fazer isto em casa:
Não sei quem é o mais desajuizado: se o gato, ou se o menino… O fato, é que eles acabam se entendendo.
Falando em falta de juízo, como expliquei anteriormente: Pingo é muito senhor de si, dentro de casa. Mas é lá fora que ele, como todo bicho, procura delimitar o território. O que mais gosta, é esconder-se debaixo da cerca de murta durante o dia e dali, fiscalizar todo o movimento na subida do morro. É de lá, que monitora quem chega e quem sai: isso é estratégico, no caso de precisar pedir uma porção extra de ração, a qualquer humano que aponte pela frente.
Porém a natureza é selvagem, literalmente. Convém respeitá-la e não dar bobeira.
No final da tarde de sábado, subimos o morro no quintal de casa. Talvez, algum gene canino presente nesse gato, consiga explicar porque ele gosta de nos acompanhar (cuidando dos “interesses” dele, é certo!)…
Como já estivesse anoitecendo, e os mosquitos enchendo as barriguinhas, resolvemos entrar. Pingo ficou pelo meio do caminho: encontrou algo mais interessante. Meu marido se aproximou para chamá-lo, mas ele estava exercendo o direito mais sagrado de um gato: tocaiar outro bicho!

O caçula foi o primeiro a notar algo estranho, quando Pingo chegou em casa logo depois: ele não conseguia abrir o olho esquerdo. Fui conferir e levei um susto: em questão de minutos, a metade esquerda da cabeça dele estava deformada, de tão inchada! De repente, todo mundo estava atrás do gato: perplexos, preocupados, tentando inferir o que poderia ter acontecido. A primeira hipótese, partiu do marido: “foi cobra”. O gato miava diferente; parecia sentir dor, mas não queria ser importunado. O caçula já estava chorando num canto, o menino do meio, também, e eu, fazendo de conta que tinha o controle da situação: tentei enfiar goela abaixo do gato, um anti-alérgico. Recusei-me crer que fosse a pior hipótese. O gato, lutou bravamente: safou-se do meu colo, depois de mostrar as garras e, sumiu na noite. É assim, quando eles não se sentem bem. São sofredores discretos, preferindo a solidão nessas horas.
Fomos dormir apreensivos, sabendo que algo muito ruim poderia acontecer. A prova de fogo, seria na manhã seguinte: se melhorasse, ele apareceria para o “café” como de costume…
Fui a primeira a levantar. Talvez, querendo que a expectativa acabasse logo. Suspirei aliviada ao ouvir o miado dele, de longe, pedindo comida
( parece sirene de ambulância, alertando: “Pode ir armando o coreto e preparando aquele feijão preto, eu tô voltando”!…).
Então, pessoal, terminando o suspense: o Pingo voltou. “
Ele voltou! O boêmio voltou, novamente…”
Ele ficou meio envergonhado do susto que fez a família passar, por causa de uma curiosidade que o domina…

(“Não acredito! Minha humana vai me fazer passar por essa humilhação, assim: a nível global e blogal?!…”)
Depois de muita insistência e negociação, ele topou mostrar a cara…e a coragem, por ter enfrentado algum bicho venenoso no quintal:
-Pingo, não seja malcriado! Pare de mostrar a língua e mostre o focinho!
E é agora, a “hora da onça beber água”:
Finalmente, um flagra da cara leonina: -Pingo! Quer parar com essa palhaçada?! Seja educado! Há pessoas aqui que o consideram, mesmo sem conhecê-lo, sabia?
-Ok, Ok. Não precisa fazer chantagem emocional…( “Essa humana!…Depois que virou blogueira, não respeita nem um pobre gato em período de convalescença!”…) É certo, majestade Pingo. Volte para o seu reino doméstico, onde terá toda a segurança, comilança, festança, abastança, bonança que um nobre gato necessita…

-E eu? E eu?! Não vai falar de mim, não?!… -Humpf! Tanto confete, desperdiçado com esse gato folgado! Isso me entedia… (Entenderam, o que eu quis dizer, sobre dividir atenções?…)
(Ah! O marido continua achando que o gato enfrentou uma cobra, mesmo! Prefiro, achar que não.)

Atualizando, para os curiosos em saber se eu adotei mais outro gatinho:
Hoje, fiquei sabendo que o meu filhote prometido fora doado a uma FSG( Família Sem Gato). Tudo bem. Era porque não era pra ser meu, mesmo. O importante é que receba carinho, tanto quanto os nossos bichos. Além, de promover uma melhor distribuição de gatos por família. Isto é mais justo, não acham?…

You may also like

32 Comentários

  1. Oi, La,

    Ótimo post! As observações da primeira parte pareciam até que tinham saído das anotações de algumas das minhas reflexões sobre os bichos à volta!
    Ai, que essas criaturas nos expõem demais a sustos e sofrimentos! Mas quem pode viver sem eles? Eu tô sempre repetindo o mantra: "melhor não tê-los", enquanto as minhas mãos vão os arrastando para dentro de casa. Afff, talvez eu precise de uma terapia!

    Beijinho e ótima semana.

  2. Lá, o assunto é sério, mas ri um bocado. Me lembrei do meu gatinho Akira, que fugiu de casa e voltou só duas semanas depois de muita boemia. Isso com cartazes com a fucinha dele estampado pela vizinhança e sabe se lá onde ele andou. Mesmo assim, sinto falta dele e acho que é sempre melhor tê-los por perto. Boa semana!

  3. Ai Laély, comecei lendo o texto rindo mas depois o negocio começou a ficar sério, foi uma eternidade ja queria rolar a barra pra ver o final,mas queria também saber tim tim por tim tim dessa nova aventura do Pingo,enfim tudo termina bem.
    Hulk nao fique enciumado.

  4. Que delícia esse post, Laély !!

    Eu tenho em casa 4 labradores. Na verdade, hoje são 12, contando com a ninhada, que já está devidamente doada, mas hospedada por aqui até o carnaval. Tinha também 2 gatas, mas elas sumiram, uma de cada vez… As inscrições pra ser o gato da casa estão abertas !

    Bjobjo

  5. Oi Laély, adorei o post…vivi isso algumas semanas atras quando o Teco o mascote aqui de casa…abocanhou um sapo…ficou todo duro, teve varias convulsões, corremos pro veterinario, quase que ele se foi…passei uma noite toda com ele no colo…Amo meu animais…Beijos…Boa semana para voce…

  6. La, não temos gato (só de pano!), embora as crianças tenham pedido muito, mas ganhou a asma e a rinite alérgica!
    Mas temos a Lucy, que é a cocker mais da filha do que da casa. Ela é doida e eu não me entendo bem com ela, que rouba meus tecidos do varal e os meus chinelos (sempre os meus).
    Depois de velha, a Lucy deu pra ser corajosa e encarou um marimbondo perto da parreira. Resultado: ganhou uma bola no lugar da pata, mas deu sossego o resto do dia (tá, maldade minha, desculpe!).
    Bjs

  7. Lá!!!
    Eu adoro, amo animais!!! Mas infelizmente depois que nossa cockerzinha foi pro céu, meus pais não querem mais… Alegam para o fato de que a gente se apega demais e depois eles acabam indo antes da gente… Todo mundo ainda chora lá em casa mesmo após quase 6 anos que ela se foi…
    Os seus bichinhos são lindos!!!! E eu imagino o quanto deves ter ficado apreensiva com os sustos que te deram!! Mas eles são mais fortes do que a gente pensa né?! Já estão por aí fazendo as mesmas artes hehehe
    Bjuuu
    Pri

  8. Vendo essas fotos lindas me dá uma vontade de ter um gatinho.. Mas vou esperar as crianças implorarem aí relutarei ate´o fim ( o fim seri aquando eu me renderia e arranjaria um) Esse pingo é cheio de personalidade e dá cada susto hein? haja coração, gato adora uma aventura né, lembro bem do meu antig Bill. Uma graça o pingo! O Hulk é lindo! E esse seu caçula de olhos verdes de eu tivesse uma menina já canditaria! beijos

  9. Lá em casa Fúmiga reina absoluta do lado de dentro e Chitara do lado de fora. Tudo milimetricamente dividido. Qualquer invasão à privacidade é motivo para briga e a Fúh sempre leva a pior. Talvez por isso é a mais protegida, é a que viaja para todos os lugares possíveis e a que dorme na cama de qualquer humano que abane o rabo para ela…hehehehe. Estão sozinhas aos cuidados da empregada desde dezembro, domingo matarei as saudades e espero que elas estejam realmente bem. Beijocas e boa semana. Saúde aos seus.

  10. Oi Lá , como diria minha avó:
    Você juntou lé com cré.
    Significando que você organizou em palavras os pensamentos alheios.
    Amo Bichos mas não me vejo com mais.No momento , tenho uma gata e uma cachorra , as duas velhinhas e não sei se vou querer outros.
    Sabicumé…
    1 ano de gracinhas e 15 de cocô.
    Fico me imaginando daqui a 15 anos recolhendo cocô.
    Do jeito que vou é capaz de abaixar e ficar…rsrsrs
    Bjs pra você e pros pets.

  11. Laely, não tenho um gatinho, mas temos nossa "gatinha", uma fox terrier, com onze aninhos, querida, amada, carinhosa, companheira, inteligente, que sabe qdo faz algo errado e leva sua bronquinha; não enxerga nada, mas, vê tudo. Tem medo de trovão, tem medo de borboleta, como eu e aminha filha. Enfim, ela faz parte da nossa família e é, de verdade, o xodó da casa. bjs

  12. Otimo post adorei.. sempre sonhei em ter um gatinho, mas agora acho que meu sonhp esta se tornando realidade… vamos ver é muita conversa com o marido pois trabalhamos fora no perído integral e não fica ninguem em casa…

    beijos

  13. Optar por cuidar de bichos, deve ser uma decisão muito bem pensada. Ainda semana passada, saiu uma reportagem na Veja mostrando que agora no verão, a quantidade de animais abandonados aumenta, enquanto os seus (ir)responsáveis donos, saem para passear. Se é pra "cuidar" desse jeito, "melhor não tê-los"!
    Levar pra casa um pet, na base do impulso, ou da moda, também é uma irresponsabilidade. É necessário ter em mente que aquela coisinha fofa vai crescer, precisar de espaço e, dependendo da raça e temperamento, poderá ser um problema, para o bicho e para a família.
    Antes de trazer um labrador para casa, estudei a raça. Eu queria um cachorro forte, robusto, ativo, que pudesse ser meu companheiro de caminhadas. Se tivesse optado por um bulldog como o Paco, da Susi, quebraria a cara.
    No caso do Pingo, nós não o escolhemos e sim, o contrário.
    É uma decisão muito pessoal, mas não deixar de investir amor numa criatura, apenas pelo temor de sofrer a perda, é o mesmo que decidir não ter filhos, porque um dia eles nos deixarão.
    Como falou Fernado Pessoa: "tudo vale a pena, se alma não é pequena".
    As alegriazinhas que nos proporcionam a cada dia, retribuindo o nosso, com um amor incondicional, compensa eventuais transtornos e sofrimentos. Meus filhos crescerão e, das lembranças que levarão de casa, os animais com quem conviveram e ajudaram a cuidar, serão motivo de um novo prazer.

    Quanto ao Hulk, o veterinário acha que deveríamos dar um anticonvulsivante, pelo menos por uns 6 meses, ininterruptos. Estou com um pouco em dúvida, pois as crises dele são muito espaçadas. Mas, como já é a quarta vez, acho que a hipótese de medicação deverá ser repensada.

    A gatinha, vou ver hoje. Será um "olho no olho" e só depois, decido.

    Os gatos são mesmos independentes e parecem fazer o próprio ritmo. Apesar de ser castrado, Pingo ainda faz as suas escapulidas diárias.

    Cibele, se você mora numa casa, é mais tranquila essa decisão. Um gatinho precisa de estímulos e lugares para explorar. Caso seja num apartamento, é bom pensar se ele não ficaria tempo demais, preso e sozinho: uma fonte de stress para o bichinho, que pode lhe trazer problemas.

  14. oi Laély…
    quando escreve das coisas de sua casa, o faz com um bom humor sensacinal… adoro!!!
    também tenho bichos por aqui: um cachorro, uma cachorra e um gato… são demais!!!

    bjs

    suzanne – enkuantopenso.blogspot.com

  15. Adoro seu bom humor em escrever, os animais são assim, mesmo lá em casa já são 3 cachorros e uma gata, mas se tivesse mais espaço acho que teria mais, srrsrsr e eles acabam sempre sendo o assunto principal nas conversas, estou aqui na praia e louca de saudades deles.

  16. Oi Lá! (Já tô me achando intima! Chamando pelo apelido!)
    Pobresinho do Pingo, mas esses nossos bichinhos são assim mesmo…
    Tenho uma São Bernardo e esses dias ela apareceu com a cara inchada e se coçando toda… Fiquei morrendo de pena dela e não sabia o que fazer, joguei um pouco de água para tentar diminuir a coceira e tentei colocar gelo na cara dela… tentei.
    No fim das contas acabou melhorando sozinha. Nós aqui em casa chegamos a conclusão que ela deve ter sido mordida por uma abelha ou algo assim e que deve ser alérgica…

    Que bom que o Pingo melhorou… Adoro "As Aventuras de Pingo"! KKKKK…

    Um bjo!

  17. Laély, o filho do meio ( que fez meu novo banner do blog…hum-hum!!) é louco por um labrador, eu sempre disse que e algum dia nos mudássemos para uma casa, eu permitiria a adoção. Agora que planejamos voltar para o interior (daqui a 2 ou 3 anos) e que provavelmente vamos para o sítio, ele está com planos de vôos mais altos, quer terminar a faculdade e morar fora (snif) Mas ele não se abala e diz que vai deixá-lo na minha casa, para quando vier de férias, ou voltar.
    Fiquei preocupada com seus bichinho,, como estão Pingo e Hulck?

  18. Laély, que desespero!! Fiquei aflita aqui, mas que bom que ele apareceu pela manhã.
    Quando meus bichinhos passam mal eu nem consigo dormir direito…fico morrendo de preocupação.
    Ainda quero ter um gatinho um dia.
    O Hulk também é uma lindeza!!!

    bjos

    e melhoras para o Pingo

  19. Alo,Laely!
    Sei que ando meio sumida,ne? Mas com meus 2 meninos de ferias,os computadores aqui de casa estao mais disputados do que ingresso do Maracana em dias de decisao de campeonato…Pura adrenalina!
    Mas quando vi esse teu post sobre o Pingo e o Hulk,nao tinha como nao escrever…Mas que sustos,hein?Imagino o sufoco que voces passaram…Todos nos que temos os nossos companheiros bichinhos,sabemos o quanto eles sao especiais pra gente…A gente se apega tanto que sao relacionamentos quase humanos …Dificil de descrever…Quem nao tem uma estoria de bichino de estimacao pra contar?Aqui em casa mesmo,temos muitas…Se voce soubesse da estoria de amor entre o nosso cachorrao akita,chamado Samurai e a Pupeza,uma cadela pastor alema da minha vizinha…Um romance entre os muros que ja rendeu uma ninhada de onze cachorrinhos e muitas situacoes engracadas!
    Mas Laely,eu penso que nao da pra viver a nossa humanidade na sua plenitude sem a companhia dos nossos pequenos animais…Eles sao os verdadeiros companheiros de todas as horas e diferentes situacoes…Tem cachorros que sao mais fieis do que muita gente por ai!
    Eu comentei sobre o problema do seu gatinho aqui em casa,e todos sao unanimes em dizer que ele pode ter sido vitima de um ataque de formigas agressivas ou de taturana…O negocio e prestar atencao e verificar,pois estes pequeninos seres podem ser perigosos para os seres humanos tambem.
    Mas e atraves da amizade com os nossos animais de estimacao,que nos religamos a parte deste todo que chamamos de natureza e experimentamos o sentimento maior que nos une ao nosso proprio planeta…
    Deixo pra voce,um pedaco de uma musica antiga do Sa e Guarabira:
    "No silencio vivem flores…
    No silencio as arvores esperam pelo vento…
    Cada quintal tem a sua calma,
    Como me ilumina a alma o meu quintal…
    Pelo zum zum zum do mundo,
    No silencio mais profundo,
    Os bichos falam,falam…"
    Um grande abraco no coracao de voces,humanos e bichinhos de Deus!

  20. Carioca Teresa: vai sair um filme agora, cujo ator principal será um cachorro akita, sabia? É uma história de amor e fidelidade canina. Tô louca pra assistir!
    Sá e Guarabira estão sumidos, né? Não conhecia esta música.
    O Pingo foi picado por algum animal com duas presas, pois ficou as marcas de sangue, acima do olho. Ou foi uma cobra, talvez não venenosa, ou aranha das grandes.

  21. OI moça,
    ahahaha ri muito, depois fiquei apreensiva. Eu já acho que foi uma formiga que atacou o pingo e ele pode ser alérgico a formigas!hehehe
    Li todos os comentários, bem legal também os depoimentos as divisões de opiniões e até mesmo a história de cada uma aqui.

    Semana passada adotei uma Tombus Egipicius*, ela é fofa demais. Marido e eu pensamos muito. Como eu tenho paciência de um monge e tenho uns truques de adestramento, egams. A pequena está conosc, não chora, já aprendeu a fazer no jornal, é uma companheirinha. Ela já sabe sentar e deitar. Fofa demais. Vou adestrando….vamos ver.

    * Tombus Egipicius = Tomba-lata, vira-lata, cão-abandonado em abrigo.(eu que inventei essa raça, todo mundo me pergunta que raça que é a Lola eu digo que é Tombus Egipicius, mas em seguid eu conto a origem ahahahah)

    Beijocas enormes.

  22. he he he, Simone! Eu também fiquei curiosa em relação a esta "raça nova".
    Fez um ato de bondade que, com certeza, será recompensado com muito carinho e alegrias!
    Abraço!

  23. Tadinhaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Vc passou com Pingo quase o mesmo susto que eu com Quincas, a diferença foi a idae, que por quincas ser novinho o medo foi enorme.
    Esses bichos dao cada susto na gente
    Ja viu o que o Huck tem? Isso dele ficar assim com esforço não é normal.
    Ainda bem que agora estão todos bem
    Paparica muito eles
    bjs

  24. Oi, Cláudia! he, he! Quem sabe, não me chamam para escrever algum dramalhão, né? Se até a mulher do Sílvio tá escrevendo novela!…

    Manu, ele já teve outra crise correndo na rua comigo, mas também, apresentou uma em casa, em repouso. Não deve ter relação apenas com o esforço.

  25. Ah, você não acredita! Acabei de passar por uma situação parecida, hahaha! Meu gato minúsculo bebê teve que fazer até exame de sangue, foi uma novela.
    Melhoras para o Pingo.
    Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *