Acenda um sorriso!

A intenção era apenas mostrar este projetinho, rápido e fácil, para aplicação num espelho de luz:

ohdeedoh
Aí, lembrei daquela propaganda antiga da Kolynos, creme dental que cedeu lugar ao Sorriso, com um jingle que terminava numa interjeição bem”refrescante”: “Ahhh!” (Lembram?)
Mas, já devem ter se acostumado às minhas viagens…
Porque faz muito calor e é domingo, para refrescar nossa memória afetiva, alguns jingles deliciosos de uma época jurássica:


Eu juro: são mais velhos que eu! ( Mas continuam simpáticos, como eu...)

You may also like

22 Comentários

  1. Oi, Laély, amei os jingles…Eram tão inocentes….Me fez voltar na historia…e é tão bom ter historia para recordar…o livro de minha vida é bem recheado…hoje tenhoa sensação de que as pessoas passam a vida em branco…deve ser muito triste…Mas viva a alegria da simplicidade, da amizade, do viver…beijos Namaste…

  2. Noooooooooooossa, saiu teia de aranha daqui,rsrsrs
    Prá ser bem sincera o único que eu lembro e sabia até a letra é das Casas Pernambucanas, os outros já são demais prá mim :)
    Reuní a familia prá ouvir. O marido prá recordar e os filhos pra conhecer!
    Muito legal.
    Ah, amei o interruptor, muito fofo, ótima idéia!
    Bjs
    Valéria

  3. rsrsrs!
    Olha, eu confesso: um fofo que eu lembro, é o do leite Mococa.
    "A vaquinha Mococa está mugindo:
    Muuuú!
    A vaquinha Mococa está dizendo:
    Beba leite em pó Mococa!"

    Mas eu acho que não lembro de outros, pois sou do tempo em que nem todo mundo tinha TV em casa. KKKK!

    Valéria: o meu post então, foi bem família hoje, né? Que gostoso!

  4. amiga sabe qual eu mais gostava?
    "pipoca na panela, começa a arrebentar, pipoca com sal, que sede que dá…"
    ah eu adorava e sempre que faço pipoca canto,kkkkkkkkkkkkkk
    adorei
    beijos

  5. Lembro de quando era criança, logo depois da descoberta do fogo e da roda. rs
    A trilha sonora da minha infancia eram os jingles.
    Meu sonho era ter uma poupança Bamerindus.
    Crescer pra tomar café Seleto.
    E comprar um cobertor das "Casas" Pernambucanas.
    Velha , eu?

  6. Trabalho com produção de áudio e deimuita risada ao relembrar destes jingles. O da Kolynos é bom mas igual o da Guaraná com pipoca acredito que será difícil bater!!!

  7. Oi Laély!
    Cheguei aqui pela dica do Decoracasa. Dei uma olhadinha (por alto!) nos seus posts e adorei! Ninguém fala q não é da área!!!!
    Sou arquiteta e publicitária (perdida em meio a tantas opções de área de trabalho e tão poucas oportunidade de trabalhar, infelizmente…)e já coloquei o blog nos favoritos, vou voltar sempre!
    Parabéns!

  8. ahahah….La, eu cantei vários com esses sons!!!acho que são quase todos da minha época!!!e quer saber? foi uma delícia recordar!!
    Quanto ao espelhinho, é uma fofura!!!bjs

  9. Eliene, o do guaraná, que eu nem costumo tomar porque prefiro o "refrigerante preto gringo", marcou uma geração- a sua, né? A minha é mais antiga…rsrs

    Oi, Nani, tô lhe devendo visita. Vou lá. Obrigada.

    Ro: imagina, se você é velha!…
    Yaba-daba-duh, pra você! rsrs

    Léia, é justo pra isso, que esse pessoal de propaganda estuda: pra fazer algo que cole na nossa memória.

    Ei, Natália!
    É difícil, mesmo. Mas, aos poucos, você pode impor a sua marca.
    Boa sorte e obrigada!

    Oi, Márcia. Esse é um dos jingles que não lembro.

  10. Laely
    Esses dias eu estava pensando em quantos médicos que conheço que tem essa veia artistica, e olha que conheço um bocado, tenho vários parentes médicos e eles me disseram que essa coisa da arte aparece durante a faculdade. Eu trabalho com arte e meu grande sonho é ser médica, desde pequena, mas de onde eu venho medicina e divindade são a mesma coisa então sou artista. Será que é uma maneira de chegar perto do divino tambem? Não sei como você consegue ler e responder tão gentilmente a todos os comentários. Um grande a afetuoso abraço.
    Cris Massa

  11. Cristina, eu comecei a ler seu comentário no meu e-mail, querendo conhecer: quem seria essa professora Cristina? Ó! E não é que era a querida Cris? Que massa( desculpe o trocadilho!)!
    Deixei escapulir uma risada, quando li a comparação sobre médicos e divindade. rsrs Será que você é de cidade muito, muito pequena? Em cidades maiores, acho que os médicos já são considerados degeneração genética de algum monstro do lago Ness…rsrs ( Com a possibilidade ainda, de receber uma polpuda indenização…)
    Quem me conhece mais de perto, já me falou que eu exerço a Medicina como hobby.
    Na verdade, esse lado artístico, que é forte em mim, veio desde que me conheço por gente. Desde criança, sonhava em ser: escritora, desenhista, musicista…Não fui nenhuma coisa, nem outra, nem outra…Acabei, virando médica( porque minha mãe achava que esse negócio de Ed. Artística não encheria minha barriga) Acho até, que sou um pouco de tudo, mas a gente como médico sabe, que: profissional que faz de tudo, acaba não fazendo nada direito( exceção, para a equipe médica que trabalha com o Dr. House! rsrs)
    Então, admito que sou uma "medíocre"( nada contra a acepção da palavra): escritora medíocre, desenhista medíocre, violinista medíocre, médica medíocre…
    Em relação à divindade, acho que a categoria médica se assemelha, em pelo menos uma coisa: não podemos errar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *