Jantando com Julia Child…

Terça fui à Vitória. Cheguei final da tarde e tratei de correr, para resolver o que precisava.
Por volta das 21:00h, já estava tão cansada e as mãos, tão cheias de sacolas, que resolvi dispensar o burburinho da praça de alimentação no shopping e a companhia dos adolescentes na fila do Subway.( Semana passada, tive a “sorte’ de ter logo à frente, um grupo de adolescentes de uma competição de natação: uns 8 jovens, com muita fome, e muita energia! Imaginem, a minha impaciência na fila!…)
À umas 2 quadras do apartamento do filho, descobri um lugarzinho simples, mas que serve uma verdadeira iguaria do norte, coisa que eu só comia na minha infância, lá no Amazonas: ta-pi-o-ca! Tem de falar assim, de boca cheia, porque ela enche d’água, só em lembrar!
(Foto: sugestão de consumo)
Enquanto aguardava o preparo das minhas, após escolher uma, com generoso recheio de carne seca e outra, de coco ralado, leite condensado e queijo coalho, pedi um suco de cupuaçu para acompanhar. Chegou, estupidamente gelado! Não sei qual o prazer de beber uma cerveja, mas o suco estava muito melhor, sem dúvida! Ainda melhor, acompanhado da leitura do livro Julie&Julia!
Sabe como é, tapioca é preparada com carinho, e sem pressa: o índio planta a mandioca, extrai a fécula, que deve ser deixada de molho na água para descansar, de um dia para o outro, depois a gente escorre a água, põe a secar ao Sol, até trincar a superfície, raspa a goma e a passa na peneira, esquenta uma frigideirinha anti-aderente e polvilha a fécula sobre ela, espalhando delicadamente uma fina camada que, por obra de alguma pajelança, une os floquinhos numa panqueca branca, de consistência liguenta.
Julia Child adoraria explicar essa receita, tirada lá, dos recônditos da memória da minha infância, quando via minha mãe preparando. Um quitute regional, legítimo representante da slow food. Claro, que pulamos etapas, né?…Não vi nenhum índio, lá perto da lanchonete.
Os primeiros 3/4 do livro, já havia lido sofregamente, como uma esfomeada engolindo algum “combo de isopor” do McDonald’s! ( Que aliás, é nosso vizinho de prédio!)
O 1/4 que me resta, estou fazendo em ritmo de ta-pi-o-ca. Ou, como a Julie descreve no livro: saboreando aos poucos, assim como deve ser feito com um bom pedaço de fígado de boi.
Cheguei ao apartamento, ainda em tempo de dar uma faxina nos banheiros, que mais pareciam “sítio arqueológico”: camadas de de sujeira na pia( “ah, vai…nem tanto assim!” tentou me convencer o filho, que está morando sozinho.)
Banheiro limpinho, filho advertido seriamente, banho tomado, atirei-me exausta no sofá-cama da sala, desmaiando de sono.
Acostumada com a tranquilidade de Santa Teresa, onde somos acordados por passarinhos fazendo festa nas árvores do quintal, estranho sempre o barulho da grande avenida, em frente ao apartamento. Mas, amo a vista de lá:
Esta eu fiz, ainda espreguiçando no sofá:

O apartamento tem o básico do básico e não lembra nem um pouco o excesso de cores que espalho, na casa em Santa Teresa. Sabe como é: cada coisinha a acrescentar, vai para a “mesa de negociações” com o filho, já que é ele que está morando por lá.
Aqui, o sofá que me acolheu:
O apartamento tem dois quartos. Um deles é o do casal, com decoração espartana:
Um banquinho que trouxe de SP, comprado na Cinerama, serviu de cabeceira e suporte para o abajur, customizado por mim:
(Almofadas na cabeceira: Mara Porto)
Comprei o livro: Chico Buarque-Histórias das Canções, de Wagner Homem.
Espero dar conta de ler, nas micro-férias de dezembro.
Julie&Julia, preciso terminar, antes da estreia do filme.
Falando nisso, já participaram da promoção? É só clicar na imagem do livro, à D.
(A tapioca não vai com o livro)

You may also like

20 Comentários

  1. amiga que coisa é boa tapioca, porém prefiro com manteiga e queijo acompanhada de um café bem quentinho,rsrs.
    sou muito ligada nelas recheadas não, mas confesso que como uma dessas aí tranquilamente, oh delícia.
    sabe disse pra Lilian do Lili mosaico, que quem come bem neste país é o paraense, nosso tempero é bom demais, sem falar nas frutas e frutos,né?
    estou te esperando aqui pra tomar açaí.
    beijos
    ah eu quero ler esse livro.

  2. Gente, e essa almofada compridinha de casinha, o que é issooo??
    Menina, até sei onde seu filho mora! Várias vezes, antes de ir dar aula à noite, fiz pit stop nesse McDonald's de que vc fala!
    Também amo tapioca! Aqui em Brasília tem várias tapiocarias, já que tem muita gente do norte/nordeste aqui. Vc ia se fartar!!!
    Beijo
    Helena

  3. Concordo com a Helena amiga! Aqui em Brasília em tapiocarias excelentes, aqui do lado de casa tem a Doce Sertão e eu e maridoco batemos ponto lá…
    A almofada de casinhas é da Mara né? A carinha dela, aliás amoooo tudo que ela faz.
    Vou lá ver a promoção, ainda não sabia dela.
    Bjo florzita 😀

  4. La
    eu amei esse sofá seu!!! parece muito confortável. Eu to aqui quase enlouquecendo de tantas ideias na minha cabeça pra minha casa nova. Em janeiro vai ser correria né.
    Então, ainda vamos confirmar, mas talvez nos apresentemos na praça do Epa aqui em jd da penha mesmo, no dia 27. Mas o que tá certo é dia 18 e 19 de dezembro no teatro da Ufes.
    Vou escrever pro seu e-mail depois pra confirmar.
    Eu quero ganhar esse livro! rs
    Menina, já fui nessa tapiocaria, boa mesmo. E olha, aqui em casa a gente compra a goma na feira de sábado. minha mãe é paraibana, então já viu né, vamos manter a tradição…rs E o melhor é que é muito fácil!!! rs
    beijocas

  5. ah para ô, por que raios você colocou essa foto absurdamente tentadora no blog? Isso deveria ser crime federal!!! Agora to simplesmente louca pra comer uma tapioca e não tenho onde!!!
    AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAhhhhhhhhhhhhhh

  6. Ô, Manuela…posso entrar com "habeas corpus"?
    Admito a culpa. rsrsrs

    Maria Fe: precisava de um sofá-cama compacto para a sala pequena e, depois de muito pesquisar em VItória, acabei comprando este, na Tok&Stok. O preço, foi razoavelmente melhor.
    Estou viajando em dezembro. No teatro da UFES, seria bem fácil, para mim.

    Ruby e Helena: obrigada pela obsrvação. Acrescentei os créditos à Mara.

    Eliene, eu também acho a mesma coisa que a Lili. É uma riqueza de sabores, esta região!

  7. Achei o apartamento uma graça, , decoraç~]a simples e de bom gosto. Sabe que a primeira vez que comi tapioca foi aqui no shopping mesmo? Não sei se é diferente da tradicional regional, mas achei muito boa. abraço

  8. Nunca comi, ta-pi-o-ca… não sei nem como se parece ): O jeito que você descrever a dita cuja me deu até água na boca! Quero muito ver Julie&Julia no cinema… Ler, ao menos, três livros nessas férias está no meu projeto de férias… Eu tenho alguns livros aqui, mas queria comprar alguns. Vocês, blogueiras, mudam minha vida! Antes não tinha paciência para ler, ficar muito tempo parada não é comigo… as letrinhas começam a se embaralhar… panz! Já tô cochilando… Depois de ler tanta review de tantos livros, percebi que três livros é pouco O:
    Vou correr atrás do meu paitrocínio
    AH! Já ía esquecendo -dãã. Obrigada pelo comentário láá no blog (: Vou atrás do tal Rocama, assim que passar por uma casa de construção… bem que eu podia ter um amigo que me emprestasse u__u '
    Não tenho amigos D: AH! Linda a decoração da casa do seu filhote (: Quando eu crescer, quero morar num apê bem assim!

  9. Puxa… ainda não provei a tapioca… aqui no sul não é muito fácil achar, mas lembro que vi um quiosque (é assim que escreve?) num shopping uma vez… Na próxima não vou deixar a oportunidade passar em branco!
    Tenho um livro sobre canções do Chico, "Tantas Palavras" (presente do marido no meu aniversário do ano retrazado)que é bárbaro, com as letras das músicas e muitas histórias… mas bom mesmo são os livros que ele escreveu, já li "Budapeste" e "Leite Derramado" e adorei. Quem sabe no meu próximo aniversário o Edno encontre num sebo um dos outros dois livro, anteriores ao Budapeste, hehehehe
    humm como faço pra que ele veja esse comentário??? heheheh

    um beijinho Laély

  10. OI La
    Conheci a ta-pi-o-ca, em setembro, quando fui à Natal.Ameeeei!!!
    Tive a oportunidade de tirar foto de um trabalho em barro de como é produzida a "goma".
    Que luxo este teu jantar!!!rss
    Uma graça o apartamento do filho.
    Com uma mãe de bom gosto e habilidosa como tu, não poderia ser diferente.
    Éstou ansiosa para que chegue o dia 27, estarei no cinema para assistir tua indicação.´
    Já estou participando da tua promoção e com os dedos cruzados, querendo muito ganhar o livro.
    Bom fim de semana querida.
    Big beijo

  11. Olá Laély!
    Aprendi a comer e a preparar a tapioca, depois de me casar com um pernambucano. ompro a goma no quiosque da Tereza, na Vila Rubim (conhece?)
    A preferência por aqui é a de queijo.
    Aquelas filas no Subway desanimam qualquer cristão, né? Sábado passado estava com minha família comendo uma pizza exatamente em frente, havia uma galera de atletas também, será que foi no mesmo dia? Postei a respeito desse dia, apareça lá no meu blog.
    BJs!
    BJs

  12. Minha sogra foi a Manaus a alguns anos e trouxe o suficiente para esbaldarmos… mmmm delícia!!

    Não conheço Vitoria, marido tem alguns parentes por ai sempre nos chamando para conhecer… me deu uma vontade!! quem sabe, ne …
    Bjo

  13. Mas que é isso, Lá?! Agora todas as vezes que venho aqui sou tentada por essas imagens deliciosas, que me deixam a salivar?! É que hoje ainda não lanchei, kkkkk…

    Sabe que eu tenho um certo preconceito com livro que vira filme?! Então opto só por um, se leio não vejo, rssss…Fica sempre um muito aquém do outro.

    Beijocas

  14. Laély, o apartamento basiquinho está bem legal. Agora imagine se o moço deixasse você passar por aí, com os pincéis e todas as tintas da paleta de coress….
    Quanto ao pet, concordo com você que fazem muitas monstruosidades com este material, por aí. Mas tenho percebido mudanças em várias cidades onde o pessoal opta por ele. Inclusive revistas que ensinam utilizar o pet têm apresentado trabalho mais, digamos, apresentável e menos cara de lixo pintado. bj.

  15. Cynthia, eu acabo passando sempre correndo por lá. Preciso ficar com mais calma, e que não seja apenas pra faxinar banheiro, para então escolher o que arrumar. Está meio sem vida, precisando de quadros na parede, pelo menos.

    Oi,Paulinha! É isso aí! Bom se animar a ler mais. Quanto ao apartamento, acho que também vai precisar de "paitrocínio", "mãetrocínio", CEFtrocínio…

    Josi,o negócio é sair da rotina e se deixar surpreender pelos sabores do norte.
    O "Tantas Palavras", eu já tenho.

    Carmem, você, sempre tão doce e simpática!
    Sua promoção está no blog.

    Nana, eu vou lhe perdoar…

    Nárriman, foi na quarta passada que lanchei no Subway.

    Cris, sabia que sou de Manaus? Minha mãe e irmã moram em Belém.

    Fernanda, eu também acho o mesmo, mas há exceções. Um deles, ainda quero comentar aqui no blog: "Into the Wild" é um ótimo livro, que virou, um ótimo filme!

    Ana B, há trabalhos de bom gosto, sim. Mas é preciso investir nesses, em vez de algumas coisas horrorosas que se veem por aí.

    Boa hora para uma tapioquinha simples com manteiga derretida, Juju…uuhm!

  16. La, acho o máximo vc já ter um filhão assim, morando sozinho. Ainda mais com essa carinha de menina!
    E é mais um lugar na sua vida para experiências decorativas, né?
    Aliás, esse banquinho da Cinerama foi uma paixão à primeira vista ou melhor, à primeira entrada, pois gamei neles na primeira vez em que entre na loja, recém aberta. Tenho dois na sala e é uma mão na roda como apoio!
    Bj

  17. Menina, não sei como posso passar tanto tempo sem ler seus posts… eles são maravilhosos…
    Adorei a explicação de como é feita a tapioca…
    Aqui o filme ja passou e até saiu de cartaz… Um dos melhores que vimos nos ultimos tempos, vale realmente a pena, principalmente para nos cozinheiras blogueiras…
    beijo grande

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *