O meu dia de criança…

Pode um post longo, estilo mistureba?! Tudo a ver com o salada no nome do blog, eu poderia argumentar! Não sou tão boa contadora de histórias quanto Forrest Gump, mas também gosto de patchwork, por isso, tentarei costurar os vários retalinhos dessa história que começou na quarta feira( aliás, bem antes disso…), pra ver se fica um trabalho harmonioso no final. Pode ser que vire um “samba do crioulo doido”, mas façam a malinha para uma curta viagem. Espero que curtam…
Para que voem alto comigo, não precisaremos de avião, nem de balão, nem de parapente. Teletransporte seria o veículo mais adequado, eu diria…
Novamente, lembrei de outro livrinho do Dr. Seuss e achei que poderia usá-lo para ilustrar o espírito com que se deve embarcar nessa viagem:Se concordarem seguir direitinho o roteiro, compreenderão posteriormente porque usei um livro infantil, com ilustração e mensagem “infantil” de Os Lugares Onde Você Irá! . Quem quiser dar uma respirada antes de prosseguir, clica aí no título, que a Pollyanna Mattos, nossa elegante comissária de bordo, se encarregou de traduzir as instruções do voo pra nós.

A decolagem ocorreu quando recebi um pacotinho especial. Mas esse início, deixarei para o final…
Na quarta, meu menino mais velho completou 18 anos. Fizemos um churrasco para poucos amigos na segunda, com direito a bolo de chocolate e sorvete, de sobremesa. No dia do aniversário, como estávamos trabalhando e ele, estudando em Vitória, combinamos comer uma pizza à noite. Coisa simples.
Depois dos atendimentos da tarde, peguei minha “encomenda” nos Correios e saí de lá, levitando…
“Catei” meus outros dois meninos em casa e descemos pra Vitória. Combinamos assistir “Up-Nas Alturas“, indicação da amiga virtual Helena, do Quilts São Eternos.
Chegamos em cima da hora, mas à tempo de garantir a “ração” de viagem, antes do embarque: pipoca e refrigerante .
Apertados os cintos, o voo ganhou altura: UP! Diversão garantida para crianças de todas as idades( incluindo as crianças há mais tempo, como eu). Mas, tomem cuidado! O MS ( Ministério da Sisudez) adverte: ” Este filme é capaz de lhe arrancar gargalhadas indiscretas, quando menos esperar!” (Menino do meio é que fica cutucando e chamando minha atenção quando rio mais alto. Mooorre de vergonha!)
Mas, não é apenas um história divertida e engraçada…
Esquecendo o “adulto” ao lado, continuo o voo tranquilamente, apesar de pilotos pouco “confiáveis”: um senhor de idade, que anda com a ajuda de uma bengala, um menininho abandonado pelo pai, um cachorro fanfarrão, com fama de o mais burro da matilha e uma simpática ave. Cada componente dessa “tripulação” de rejeitados empreeende a mesma viagem, buscando coisas diferentes: o velho, passou uma vida planejando explorar a América do Sul e lá morar com a mulher, companheira desde os tempos de infância. Depois que ela se foi, levou junto as expectativas dele. O coração se endureceu, após a perder a cúmplice nos sonhos. Até que uma situação crítica o forçou a mudar. E, quanta mudança para um idoso! A começar, pela fuga fantástica, que nem vou contar como foi pra não diminuir a surpresa. De carona levou, muito a contragosto, o escoteiro “intrometido” que apenas precisava ajudar um velhinho, para ganhar o tão sonhado distintivo de “grande explorador”. À dupla, somou-se um cachorro atrapalhado, com fama de bobão, cujo objetivo era capturar uma ave exótica e ser, finalmente, respeitado pela matilha e pelo seu “mestre”. A ave rara, apenas desejava levar comida às suas crias, sem ser importunada. Descrevendo assim, parece até uma referência ao Mágico de Oz:

A delicadeza e a forma leve, ao tratar de assuntos espinhosos como a velhice e rejeição, já valeria o programa. Mas além disso, você poderá se surpreender, apertando o braço do assento e segurando a respiração de aflição, durante algumas cenas do filme! Nada de anormal, numa viagem dessas. Apenas, uma turbulência passageira.

Sobre as “lições” aprendidas, porque boa história que se preze sempre tem “moral”, isso vai depender da sensibilidade do passageiro, digo, do expectador. Uma delas: realizar sonhos exige empenho, perseverança e resiliência. E, a melhor de todas: por mais que certas coisas sejam muito, muito importantes, a ponto de nos esforçarmos à exaustão por elas, “as coisas mais importantes, as melhores da vida, não são coisas”…
Terminado o filme, dá vontade de levantar e ficar aplaudindo, enquanto recolhe a lagrimazinha no canto do olho. Na verdade, apesar do cinema quase vazio, alguém mais corajoso puxou uma palma, lá de trás, enquanto eu, pra não deixar que fosse um mico solitário, fui solidária e endossei o ato anônimo batendo as minhas, também ( apenas, o suficiente para não deixar o menino do meio constrangido)!
Acho que a encomenda que recebi mais cedo, na tarde, o filme inspirador, aguçaram meu lado infantil. Aproveitei que estávamos no shopping e ( não! não parei pra observar as gentes passando!…) levei os meninos à livraria. Saí de lá, com o livrão de tirinhas do Garfield e: “Toda Mafalda”, livro que já tinha há muitos anos, mas em estado deplorável de conservação, de tanto que foi manuseado pelos três meninos lá de casa!

Falando em coisas especiais, em pessoas especiais e gestos, cheios de significado, voltemos ao início da nossa viagem, na tarde de quarta, quando recebi aquele pacote nos Correios…
Como criança, não pude esperar chegar em casa para abrir meu presente de dia das crianças, conforme a Rosana assim escreveu.
Fiquei alguns minutos, dentro do carro parado, abrindo pacotinho por pacotinho e me perguntando, o que motivaria alguém que nunca me viu a dividir coisas tão especiais comigo?! Certamente, não foram coisas que a motivaram.
Há pouco tempo, mostrei algumas fôrmas de bolo escultural , lembrando um bolo que a minha mãe fazia quando eu era criança.
Eis então, não a fôrma, mas a minha mãe, numa época que ainda nem se imaginava fazendo bolo para agradar os filhos:Como uma fada, a Rosana trabalhou com as próprias mãos estes passarinhos, esculpidos por cortador que não se encontra por aí, nas ruas 25 de Março da vida( ói: façam o favor de me avisar, caso encontrem isso por lá, que eu me retrato! Também, só acredito se mandarem a prova junto!)Sei lá que “pó de pirlimpimpim” ela jogou neles para que voassem, lá de São Leopoldo, no RS, até o interior do ES, trazendo no bico um combo de carinhos.

Só sei, que demorei( só um pouquinho) a admitir o fim “trágico” desses fiéis arautos da alegria: como num voo kamikaze, deveriam dali a pouco, empreender uma viagem sem volta, descendo goela abaixo, somente para satisfazer este meu cruel apetite! Titubeei, apenas o suficiente para livrá-los do laço, que os prendia dentro do saquinho. Quase que numa bocada só, sem dó, dei conta de um deles! Tadinhos…mas, ainda sobraram 3 pra contar a história!( Muito bem guardados, já que estes, não quero dividir com ninguém! Egoísta, né?!…)
As outras encomendas especiais que os passarinhos trouxeram:
-A fôrma, exatamente igual à da minha mãe, raridade garimpada nas andanças da Rosana pelo sul…-Geleia de bergamota, colhida no quintal da casa dela, em edição limitada e exclusivíssima!
-Outra fôrminha, “filha única de mãe solteira”!
-Manual de instruções, feito à mão:Para inaugurar tão exclusiva fôrma, escolhi uma receita do próprio blog da Rosana, que por coincidência( ou, não?!) mostrou um bolo mármore, exatamente como minha mãe fazia!
Uma receita vintage para uma fôrma vintage, de uma época em que não havia tanta neura em relação à calorias e colesterol: bastante manteiga, ovos, açúcar, um pouco de chocolate e nenhum peso na consciência! Pena que não dá pra sentir o perfume exalando do bolo, ainda quente: raspinhas de limão, essência de baunilha, noz moscada e licor de cacau, acrescentados à receita original.
E agora o suspense, até saber se o bolo sairia intacto da fôrma, mantendo a forma escultural tão desejada!
tchan, tchan, tchan, tchan…
Será?!
Podem respirar aliviados. Nada, que manteiga não livre!
Enquanto isso, lá em Campinas, SP, no mesmo dia em que recebi minha encomenda, a Ana Sinhana fez um post exclusivo pra mim, com direito a pedaço de torta de limão: uma receita que fiz, dedicada à minha mãe( coincidência, ou não?)!
“Assim não pode! Assim não dá!”…Como é que eu eu vou descer desse jeito?!

Coincidência, ou não, tanto a Ana, quanto a Rosana( que por coincidência, também tem ana no nome!) se aproximaram da autora deste blog, por ocasião da promoção “Que cara tem sua casa?” Aproximaram-se e ocuparam um espaço na casa do coração desta, que lhes escreve. Lá estão, com outras boas amizades que fiz por aqui, dividindo espaço com coisas que me são caras.

Coincidência, ou não, a Ana, “sin! ha ana!”, havia mandado pra mim confeitos coloridos, junto com uns pinguins, mostrado aqui.

Coincidência, ou não, o bolo acabou sendo um trabalho à 6 mãos: receita da Rosana, feita por mim e confeitos, espalhados pelas habilidosas mãos da Ana. Deu nisto: Coincidência, ou não, enquanto eu fazia este post, a Rosana mandou pra mim a foto do bolo que ela fez esses dias, usando a fôrma, irmã gêmea da minha. Juro que não combinamos nada, mas vejam como o bolo dela saiu, gêmeo do meu:
Coincidência, ou não, tinha um pratinho com a figura de uma menininha muito gulosa!
Não resisti e tirei foto dela, saboreando um pedaço do bolo: O pedaço, ainda quente, foi devorado ali mesmo, arte flagrada pelo meu menino mais novo!
No meu tempo de criança, era “expressamente proibido comer bolo quente!” Fazia mal, tanto quanto misturar manga com leite! Sem moral pra fazer a mesma recomendação ao filho, tratei de cortar outro pedaço e, comemos juntos! Estamos muito bem, obrigado!
O bolo já se foi. As lembranças ficarão. Assim, como a foto congelada desse pedaço, que dedico a todos que mandaram recadinhos carinhosos, no post de quarta. Vocês também me fizeram voar.
Como diria aquela propaganda de cartão de crédito:
“Há coisas que não têm preço!…”

Mas agora, é hora de aterrissar e trabalhar! E, como diria Garfield:
“Odeio segundas-feiras!” (Principalmente, nesse horário de verão!)
Obrigada pela companhia.
Vocês se comportaram muito bem na viagem!
Por coincidência( ou não?!), mereceriam um pedaço de bolo!

You may also like

46 Comentários

  1. Querida La,
    Tem uma pequena homenagem para vc no fim do texto do meu post de hoje.
    Vou responder e comentar com mais calma depois, inclusive o post anterior.
    bj

  2. Oi! Bom dia! É sempre um prazer passar por aqui,quase tão grande como receber um comentário seu lá no meu bloguinho. Adorei o post loooongo de hoje e quero um pedaço do bolo kkkk, deu água na boca. Aprveitei para ler os últimos posts, já que nos últimos dias não tenho tido tempo para nada. Vi o seu livrinho e espero em breve me aventurar, estou com projetinhos de várias coisinhas para minha casinha, mas os dias estão passando e nada sai, acho que preciso parar e me organizar. De Qualquer forma é sempre muito bom passar por aqui! Um beijo!

  3. Comentário a la laély:
    O Filme: Ainda não deu, mas quero assistir.
    Os mimos recebidos das amigas virtuais: Vc merece!
    O pratinho da menina gulosa: Amei, onde vc achou?
    O que acho da frase do garfield: Hoje vou ter que cozinhar feijão pra semana toda, já diz tudo né?
    beijos e boa semana

  4. Amiga começar o meu dia hoje com esta poesia, sim porque voce foi totalmente poética, é pura inspiração, é ter certeza que apesar de todo mal que anda acontecendo no mundo tem pessoas que nos fazem acreditar que um mundo melhor é possível.
    Gestos de carinho, palavras doces, lembranças de um passado que se tornam reais através de presente de pessoas que aprendemos a admirar sem nem mesmo conhecer.
    Fiqeui aqui babando com o seu bolo, hum bolo quentinho com manteiga adoro…e feliz pela blogosfera me proporcionar a felicidade de falar com você, com a Ana sinhana que é um amor, com a Rosana que teve a sensibilidade de procurar algo que te trazia boas lembranças.
    Beijos pra você.
    Beijos pras Anas.
    Te adoro
    De verdade verdadeira,rsrs…
    beijos

  5. Que puxa!!! Você está ficando boa nisso, a cada dia seus textos estão mais elaborados e graciosos. Parabéns pelo dom. Ah e eu cheguei ao Congo e não do Congo. Ou seja, ainda estou amandooooooooooo muitoooooooooooo. Beijocas!

  6. ah e esqueci de te parabenizar, assim super ultra mega atrasada, pelo dia dos médicos.
    afinal você é com certeza a nossa médica mais amada,beijos

  7. Ô querida! E fala se isso tudo não é o melhor da vida?
    Acabei de ouvir por aqui que a melhor arma contra inimigos que nos detestam é ignorar o ódio e orar por eles. Então, se até os inimigos recebem amor indireto, imagina então os amigos?
    E assim fica mais fácil encarar qualquer dia da semana, mesmo que não tenha lasagna no cardápio!
    Beijão, Ana
    ps: eu chorei até com Up e meu filho grandão disse que nunca vai deixar de assistir filme de criança, porque é bom demais!

  8. Oi!!! Sou seguidora daqui, mas quase nunca escrevo… Amei a postagem de hoje! O filme ví com meus filhotes (também tenho 3) e adorei, linda mensagem. O bolo uma perdição, amo bolo!!! Vou fazer no final de semana! Beijos…

  9. Oi, Laély, que post mais gostoso! Longo, mas lido de um fôlego só! O filme é demais mesmo, né? Vc disse tudo: sorriso, palmas e lágrimas.
    E fiquei com água na boca ao ver tanta foto bonita de bolo!
    Beijos
    Helena

  10. Ô Laély, a segunda-feira amanheceu tao feliz por aqui, não imaginas! O afeto que ganhou voz foi um dos presentes mas lindos, daqueles que as palavras se encolhem e não conseguem dimensionar. E meu coração tá assim, derretido e afagado, madrinha querida, pela beleza de ser um retalho na tua história tão bem significada. Que nossos voos sincronizados nos abençoem com o entusiasmo de perseguirmos maior inteireza no que somos e fazemos. Um abraço do tamanho do mundo!

  11. Laély,
    Amo todos os seus post's, e pode ser até numa segunda-feira e horário de verão, que você levanta o astral de todo mundo!

    beijos

  12. ai que delicia de post, devorei rapidinho. ainda nao vi o filme, mas fiquei com mais vontade ainda! E o bolo, entao? Esse bolo marmore faz parte da minha infancia tambem, fiquei louca de vontade de come-lo de novo. Bom isso.

    Voce já viu Coraline? é um filme otimo tb!

    m beijos

  13. q lindo isso, q carinho! E ainda tem gente q não acredita q relações virtuais podem ser muito reais!!!
    tb adoro essa forma, mamãe tinha e hj não encontro nem por nada aqui no RJ!
    bjks

  14. Que post lindo! Divertido, interessante, leve, de babar, como o seu bolo!
    Eu também assisti o filme UP e tive as mesmas sensações que tivestes. Tão bom voltar a ser criança!
    Beijos!

  15. Laély, dizem lá em casa que sua bolsa está saindo… não sei se para fazer compras ou para voar até o Espírito Santo hehehehhe.
    Mas andamos às voltas com mil coisinhas, uma delas a dita bolsa. Outro projetinho é: personagens de uma história Bíblica para confeccionar um livrinho, coincidência ou não??? Ah! Aceito uma fatia do bolo para comemorar aniversários e o fato de que pessoas estranhas umas às outras se entendam tão bem, apesar de distâncias e divergências. Viva a sensibilidade, carinho e atenção que ainda há no mundo!

  16. Oi, Karina! Eu sei o que é isso que descreveu: muita ideia, pouco tempo!

    Cynthia: eu comprei esse pratinho, que veio numa maletinha fofa, junto com uma tigela igual, aí perto de onde você mora. Só sei que foi num grande posto, à beira da Bandeirantes( é essa que vai pra Campinas?!). Ah,sei lá! O posto tem um mini-shopping, com um carro antigo na porta.
    Quanto à sua tarefa da semana, pelo menos você encara com bom-humor! (Eu não gosto de feijão. Prefiro lentilha.)

    Eliene, a gente encontra muita afinidade nesse meio. Um beijo, minha flor!

    Taia, obrigada pelo elogio. Menina, eu fiquei aqui, rindo da sua descrição apaixonada: "é o amooor!"

    Ana, querida: o conselho de orar pelos que nos perseguem é de Jesus e, se Ele falou, a gente deve seguir, né?
    Como já respondi anteriormente à Eliene, a gente vai descobrindo que tem gêmeos virtuais nessa blogosfera.

    Puxa, que puxa,Flávia! Que gostoso, ler isso! Obrigada!

    Ei, Cibelle! Apareça mais!
    Pode fazer o bolo e me dizer depois se não tem gosto de infância…

    Ô, Thaís…a ideia do post foi justamente mostrar como pequenas "coisas" podem tornar a vida de um outro mais iluminada. Uma luzinha minha, junta com esta centelha sua e ilumina o dia das duas! Abraço!

    Helena, obrigada novamente pela dica e pelo elogio à minha mãe. Até hoje, ela continua muito bonita. Eu me apossei dessa foto dela, nos seus 15 anos, porque considero a mais bonita de todas!

    Cristina: bons tempos, "caloricamente incorretos", né?!

    Oi, Luciana! Dia especial, sim! E você, tem uma fôrma dessas?

    Rosana, minha "afilhada" virtual, com quem aprendo a ser mais delicada a cada dia! Um beijo pra ti, soprado daqui!

    Poderosa.com: Eu poria Garfield nos eixos?! KKKKK!
    Um feito, seria!
    Obrigada!

    Mirian, você levantou meu astral, também! Abraço!

    Carol, eu já assiti Coraline, amei e até, fiz um post especial aqui!

    Andrea, eu não teria conseguido essa fôrma sem a pesquisa da Rosana. A fábrica fica na cidade dela, mas está fechando. Olha que pena!

    Rapha, a Mafalda é viciante!

    Ivana: é uma plástica na alma!

  17. Ana B, eu fiz um livrinho que era um presépio de feltro,
    pra dar de natal a algumas crianças da igreja.
    Preocupa, não, que a bolsa encontra o caminho…

  18. Oi! Foi nessa revista mesmo, rsrs
    O bolo que eu fiz deu certo sim, peguei a receita no blog Feito a Mão, onde a Claudia mesmo diz que testou outras receitas, mas esta ficou boa. O que eu fiz ficou bom sim! Não é um bolo de forno convencional, mas vale a farra de fazer um bolinho junto com as crianças!
    Beijos e obrigada pela visita!

  19. Queirda Lá (confesso que já faz muito tempo que não começo uma msg assim… como faziamos quando escreviamos uma carta a uma amiga…), mas juro que é assim que eu me sinto… cheguei aqui através da Amanda e hoje já me sinto em casa!

    Parabéns pelo blog e pela história… linda mesmo… sabe que me fez lembrar de um livrinho que ganhei na 4ª série é que até hoje levo comigo "Longe é um lugar que não existe"… nossa como é bom ser criança e ter essas coisas legais pra se lembrar de qnd eramos crianças!!

    Super beijo – e olha… pena q não sobrou bolo senão rolaria uma tentativa de pedir um pedaço pelo correio!

  20. Oi de novo Laély..
    sobre o verde da parede da minha casa.
    Eu até hoje não consigo saber se aquilo é verde ou azul porque de perto a cor é outra!rs
    Eu concordo que pela foto a cor fica lindona, mas ao vivo, ela muda completamente..Nem eu acredito!
    Acho que o que tornou a cor depressiva foi porque ele é todinho verde-azul-acizentado. Até o teto.
    Fiquei toda "boba" com sua visita :)
    Bjuus

  21. lìvia,obrigada! Darei uam olhadinha.

    Viviane,que prazer ler sua mensagem, tão querida!
    Olha, o pedaço vai ser apenas virtual, mesmo! A história, eu partilho.
    Obrigada!

  22. Que coincidência que nada… Depois que eu li um livro chamado "Pequenos Milagres", trato esses acontecimentos assim, como pequenos milagres, verdadeiros pequenos presentes que a vida nos proporciona e que vão ao longo preenchendo nossa história. Fica a dica do livro que merece ser lido. Ele conta várias pequenas histórias assim como essa, que tornam nossa vida mais gostosa como esse bolo que deveria estar dos deuses.
    Bjão e uma linda semana nas alturas!!!

  23. Querida Laély,
    Que post mais gostoso e delicioso.
    Vc é tão querida que anda ganhando presentes.
    Vc com sua clareza de pensamento tem de certa forma mudado minha vida. Agradeço a vc por isso.
    bj

  24. Laély,adorei a viagem e embarquei junto,uma reliquia a foto de sua mae,o bolo cheguei a sentir o cheirinho que vc descreveu e farei com certeza, os presentes a Rosana mamma mia quanta coisa bacana,sabe de uma coisa? Voce deveria estar nas melhores livrarias.
    bjks

  25. Ô, Giovana…gostei da usa descrição! São esses pequenos milagres que acontecem na vida que a tornam mais colorida, não é? Faltou o autor, ou editora, mas vou procurar pela sua dica. Obrigada!

    Ruby, sua amizade virtual, é preciosidade nessa blogosfera! Beijinho!

    Susi, eu não me arriscaria nesse meio, sem antes ver uma outra, que escreve muito melhor que eu, mergulhar de cabeça: a Silmara Franco. A prosa dela é um primor!
    Obrigada pela sua amizade.

  26. Laély, eu realmente não lembro o nome da autora, sei que é mulher, acabei emprestando o livro e nunca mais me devolveram, passou de mão em mão e se perdeu, é uma pena. São dois volumes, e eu emprestei os dois… gostaria de ler novamente. Se conseguir mais informações te passo, ok?
    Bjks

  27. Adoro ler seu blog, já devo ter falado isso.
    Vc me inspira, tão generosa no que se propõe a fazer q tudo fica bonito e parece gostoso tb. Como arranja tempo… minha ídala.
    Seus comentários dão prazer de ler, como um bom livro.
    bjs

  28. Achei MARAVILHOSO "Up-Nas Alturas". Recomendável para todas as idades, níveis, gêneros… ou seja, para todos que possuem sentimento de vida e amor. Bjs, Clara

  29. Lala… Laély… e como eu costumo chamar minhas amigas sem segundo nome, Laély Francisca (porque sou "franciscana" de São Francisco de tudo!)…
    Seu patchwork ficou lindo e pereito.
    Não sei de que parte da história gostei mais!
    Ser criança de novo olhando as coisas da nossa infância é tão bom, não é?
    Vou sair por aí, tirar umas fotos das crianças das redondezas e postar no meu blog, porque outro dia falei de ser criança, e de como as crianças não são mais crianças, mas vi logo em seguida crianças subindo em árvores e brincando de queimada.
    E a forma do bolo, que coisa mais deliciosa.
    Ainda vou fazer um post sobre as coisas que tenho em casa e que me lembram infância. Prometo!
    Me visita?
    Beijinhos

  30. Ô, Dayse…que fofa, você, mas quanto a esse negócio de "ídala"…Ah, vamos esquecer isso, né? Muita responsabilidade! rsrs

    Clara, obrigada pelo comentário e a lembrança pelo Kelvin. Quando estiver em casa, quero lhe enviar fotos dos meninos, pra você mostrar pro pessoal daí.
    Abraço!

    Raquel, já lhe respondi no e-mail, mas obrigada pela visita!
    Concordo com você, que a infância hoje em dia está cada vez mais curta! Mas a gente precisa estar preparado pra essa rapidez, também!
    Abraço!

  31. Olha que coincidencia….rsrsrsrsrsrs
    fui à rua 25 de março no ultimo dia 15 e achei uma barraca de camelô que vende milhares de cortadores de biscoitos……
    ele disse que o que não tem lá, ele faz…..basta levar o desenho….eu achei demais….ele disse que a banca já apareceu na TV e que as culinaristas professoras de confeitaria mandam suas alunas todas pra lá!!!!
    eu nunca me interessei por biscoitos até agora, quendo resolvi que queria um cortador no formato de menino para fazer de lembrancinhas dos adultos pro aniversário do meu filho…..até achai na net, mas tava caaaaaaro….
    os dele custam em média apenas R$2,00……
    vou enviar o endereço caso venha à SP e se interesse ou queira divulgar….
    rua Barão de Duprat em frente ao número 27 com Seu José, mega simpático…..
    os cortadores de Natal….hum…..são de babar!!!
    beijos

  32. Oi, Ana!
    Puxa, que puxa! Não tenho planos de ir a SP tão cedo, mas confesso que fiquei com vontade de pedir a uma amiga que procure esse endereço pra mim. Já pensou, fazer biscoitos no natal?!
    Obrigada pela dica!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *