Se quiser, pode pular…

Mas, que tal brincar um pouquinho?

Amarelinha
(por Silvio Lourenço, em setembro de 2005)

Tem céu,
tem também inferno.

A pedrinha,
lançada com fé
procura o céu
mas uma geografia perversa (parece que o Coisa-Ruim trama isso)
faz o inferno alargar
e por um largo pequeníssimo
cai o sortilégio
um pouco pra lá de onde deveria.

Aí a gente tem que pular
os pedaços marcados
coisas lindas e desejos gozosos
quedam ao lado.

Há uma pedra,
sim,
que a lançadeira tem por dever de obrigação recuperar.

O poema parece amarelinha
se jogar a palavra uma vez ou duas
longe do céu desejado, encanto não há.

Palavra-pedrinha,
o poeta tem fé que ela cumpra uma sorte,
se o poema não é de todo agrado,
pula o de que não goste,lê só o desejado.

Pulando o poeminha…
Chegando direto no céu:
Apartment Therapy

You may also like

7 Comentários

  1. Acho que é o sonho de qualquer criança na infância…rsrs….
    Adorei o capacho que você colocou na porta do filhote….
    Preciso comprar um para o apê novo… mas tem que ser mais baratinho… os da Pepper são lindos… mas tb bem carinhos…rs.
    Beijos

  2. Do jeito que andas envolvida com o universo infantil, amiga, estás te tornando minha pauteira. Já guardei a poesia da Girafa, do Pequeno Cidadão e agora esta, tudo para explorar no nosso jornalzinho. Beijo e um ótimo feriado!

  3. Olá, Laely,

    Vim visitar sua casa-blog.
    Acho que havia outros poemas melhores para ilustrar seu mundo.
    Minha amarelinha tava lá, meio esquecida, mas agora tem gente pulando…
    Obrigado e sucesso!
    Canto do caracol

  4. Rosana: revisando meus últimos posts, acho que você está bem certa de que ando envolvida pelo universo infantil, mesmo. Virar "pauteira" do seu jornal é motivo de orgulho pra mim.
    Grande abraço!

    Sílvio: grande honra pra mim, recebê-lo em minha "casa"!
    Espero que o post não tenha desmerecido suas plavras. Obrigada por enriquecê-lo.
    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *