Abajur pescoçudo

Este abajur gracioso, bem que poderia ser mais acessível, mas é gringo:
Jonathan Adler

Dona girafa iluminada, parece convidar a uma boa leitura na cama do filho, antes de dormir.
Não temos abajur de girafa, mas sim, o mineiríssimo Carlos Drummond de Andrade, que escreveu um conto infantil, usando uma girafa como personagem. Ele gostava do bichinho:
“Chego a delirar, e sonho um zôo exclusivamente dedicado ao animal mais alto do mundo e que, por isso mesmo, nos dê sugestões de altura, quer material quer moral.”(“A SOLIDÃO DO GIRAFO” – Jornal do Brasil, 09/05/1981) “Rick se preocupava com a escada que precisava galgar para alcançar o mundo dos sonhos. Não precisava de escada. Ele já estava lá.

No Jardim Zoológico, neste domingo azul, a girafa olha do alto para as crianças, e parece convidá-las a um passeio no dorso. Há uma escada perto, e se for encostada ao animal, Ricardo (Rick é o seu apelido) poderá chegar até lá.
O garoto mede a distância que vai do chão ao lombo, e julga-se em condições de vencê-la. Uma vez lá em cima, cavalgando o pescoço, e segurando-lhe os chifres, pedirá à girafa, depois de umas voltas pelo Jardim, que o leve por aí, percorrendo o mundo.
Presa há tanto tempo, a girafa há de estar ansiosa de liberdade. Não será difícil transpor a cerca. Ela espera que Rick lhe proponha a aventura. Ninguém se atreveria a travar-lhe os passos, e Rick vai dirigi-la nos rumos que aprendeu no atlas escolar.
O problema é descer de vez em quando, para Rick alimentar-se de biscoitos, fazer necessidades e dormir. Camarada, a girafa irá se deitando aos poucos, primeiro dobrando devagar as pernas, depois se inclinando lentamente para o lado, e afinal arriando com suavidade a carga infantil.
Mas para subir outra vez, como se arranjaria ele? Escada não haverá. Mesmo deitada, a girafa é difícil de subir. A imaginação não lhe fornece recurso plausível. O sonho frustou-se. Rick levanta o braço direito e, com a mão espalmada em gesto de adeus à girafa que gentilmente o convidara, esclarece:
– Muito obrigado. Fica para outra ocasião, quando eu crescer.”
(“RICK E A GIRAFA”-Autor: Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) Ilustração: Maria Eugênia)
Fonte: Girafamania

You may also like

Eloá

17 Comentários

  1. Laély, vou comentar o post da inspiração…. este mundo dos blogs realmente nos levam a ter coragem de realizar coisas de todos os tamanhos… Ao ver como as outras estão se empenhando e conseguindo, nos sentimos tentadas e capacitadas. Resultado: todas estamos nos tornando cada dia mais aptas a ousar, a concretizar. Muito bom, né? Bj e uma ótima semana.

  2. Elas realmente são lindas,nos remetem a um mundo lúdico e colorido…

    Quanto ao designer Jonathan Adler,realmente tem coisas lindas,algumas coisas tem na loja Coisas de Dóris.

    Eu acho uma graça o saleiro e pimenteiro de gatos,são lindos demais…

    Um beijão

  3. Puxa, que mensagens tão positivas, para começar a semana!
    É como escrevi, no post "Teias da Inspiração": é dar, e receber de volta, com o "plus" das boas impressões do outro!

    Nani: boa dica! Não sabia, apesar
    de que no Coisas da Doris tem cada coisa inacreditável de tão linda! Darei uma olhadinha.

    Letícia: e quem disse, que clean é sinônimo de sem-graça?!

    Boa semana para todos!

  4. Ah essas girafas que a gente volta e meia encontra por aí, convidando a subir até os sonhos… E a listinha do "quando eu crescer…" crescendo… Mas se tem quem mostre a escada, ou dê pezinho,é só chamar a coragem, não é assim, amiga girafinha? Postei a "matrioshkona", dá uma olhadinha. Ótima semana! Beijo

  5. Oi amiga
    "Chego a delirar, e sonho um zôo exclusivamente dedicado ao animal mais alto do mundo e que, por isso mesmo, nos dê sugestões de altura, quer material quer moral."
    Que inspiração e que frase mais linda!!!
    Teu blog sugere , assim como a girafa, altura moral, cultural artísticas, enfim…Tudibom!
    É sempre uma surpresa e um prazer muito grande ler teus posts.
    Beijinhos

  6. AAAMO girafas (tenho algumas (começando coleção), joaninhas e libélulas (minha paixão). Pintei uma enooorme em meu quarto (post no Atelier Zanutti) O que vc achou? Dizem que sou louca…hehehehe Eu gostei…gosto é assim… Bjs

  7. Verdade, mesmo, Flávia? Sou fã da Mari. Se pudesse, mandaria a girafinha pra ela.

    Rosana: nunca imaginei que ser chamada de girafinha fosse considerar como um elogio pra mim!

    Carmem: O texto de Drummond é atual, pois fala de política e transparência. Quanto aos elogios, fico lisonjeada, mas sou de pequenezas e baixezas, vez em quando, embora busque as "coisas do alto". Obrigada pelo carinho.

    Priscila: "louco é quem me diz e não é feliz"…tu és feliz. Vou ver tua loucura, digo: girafa.

    Raphaela: acho que uma cor forte, flúor, ficaria um luxo!

  8. La, achei uma graça o abajur… bem que poderia ter por aqui né… ficaria lindo no quarto da minha filha mais nova!

    E, aproveitando o comentário, quero dizer que AMO a fita banana. Uso pra tudo aqui em casa e, claro, não podia faltar na casinha nova né.

    Pendurei o quadrinho na porta da sala, o outro quadrinho na porta do quarto da minha filha mais nova, o porta-chaves na geladeira, e mais um montão de coisas. Recomendadíssimo!

    Beijocas e linda semana pra vc ♥

  9. Ah, Fernanda…Nossa vida de furadeira doméstica deveria ser dividida em AFB e DFB: antes da fita banana e depois da fita banana.
    Obrigada e boa semana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *