Visita importante, presentes: idem!

Ontem, além dos eventos ordinários do dia, um extraordinário: receber a irmã mais nova, que chegaria em Vitória, vinda de Belém. Não nos víamos há 2 anos.
Meninas: agora gritem histericamente, porque, advinhem quem veio no mesmo avião que ela e eu vi, bem de pertinho, também?: Gianechinlindo!!
…Tá bom?…Já deu tempo pra se refazerem?!…
Então, deixem-me continuar, porque o post é sobre outras belezuras…
Queria ter tido tempo de recebê-la com flores, mas, final de tarde em Vitória e fiquei com medo de atrasar nos congestionamentos. Comprei uma caixa de trufas, no próprio aeroporto.
Na bagagem dela, um monte de coisinhas, enviadas pela mãe, da boa terrinha do Pará: farinha, polpa de açaí e cupuaçu, bombom de cupuaçu, castanha do Pará e de caju…Só mãe da gente, pra ter trabalho de preparar isso tudo.
Olha só os presentinhos que ela mesma fez e mandou: bolsa de patchwork, carteira de poá com flor vermelha, inspirada nisto aqui e porta lápis de cor de tecido, inspirado neste aqui. O perfume( Clinique Happy, for Men) foi uma encomenda minha, porque sou muito chata com cheiros( meu e dos outros) e foi um dos poucos que consegui usar até o final, sem enjoar( como não o encontrava por aqui, pedi que me trouxesse de lá)

Aqui, um kit que preparei pra receber a irmã em casa: como vem de um lugar quente e não tem roupa de frio, preparei moletom, camisa de frio e pantufas pra ficar em casa. Fiz um buquezinho simples de lavanda e acrescentei este sapinho, só de gozação( porque ela ainda não encontrou o seu “príncipe”)!
“Momento totalmente exposição”, mostro algumas fotos pessoais, porque fiquei animada hoje. Fiz um almoço e chamei alguns amigos, pra receber oficialmente a irmã.

Mas antes, fomos todos à igrejinha no pé da serra. O menino tocando teclado é o filho do meio. A “menina” tocando violino, sou eu:
Odeio tirar foto! Acho que fico gorda, feia, sou pouco fotogênica…
Mas aí estou eu, com minha versão mais nova, mais magra, mais fashion: a irmã!
Reclamando que eu tô me achando isso tudo aí, que eu descrevi acima, o menino do meio, que é um gozador, não se conteve:
“-Mãe, não seja assim, tããoo…sincera?!”
Não sabia se ria ou se chorava…

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *