Alfajores delicados "nuestros hermanos"

Quando tenho compromisso no hospital, fim de semana, a casa e família ficam meio largados, confesso. Não dou conta, mesmo! O jeito é recorrer a self service, onde não se é bem servido. Voltando do hospital, passei a tarde na cozinha, porque ela já estava me gritando:
“Por favor, alguém cuide de mim!”
O negócio, foi respirar fundo e mergulhar na pia de louça, com máscara e escafandro!
Procurando aplacar um pouco o sentimento de culpa, resolvi fazer um agradinho ontem, porque, como diria Chico Buarque,”…também, sem um carinho, ninguém segura esse rojão!” E pra mim, carinho tem cheiro, gosto e textura…
Aproveitei pra fazer um pãozinho básico, porque menino já disse que prefere o de casa( aí, eu me acho!).
Mais corajosa ainda, resolvi fazer um biscoito que, apesar de trabalhoso, rende sorrisinhos de prazer e muitos elogios.
Esta receita, não é do Paraguai. Pode confiar. É uma legítima receita, que um legítimo argentino me repassou, há muitos anos.
Como já tem um tempinho que não dou receitinha, vamos ao nosso momento “Ofélia” da semana:
Alfajores( legítimos argentinos!) Ingredientes:
-800g de amido de milho (Maizena), aproximamadamente;
-100g de trigo;
-2 colheres de chá de fermento em pó, químico;
-1 colher de café de bicarbonato de sódio;
-6 gemas, passadas na peneira;
-300 g de manteiga sem sal, em temperatura ambiente;
-200g de açúcar refinado(a receita original pede o dobro, mas eu acho que fica enjoativo. Fica a critério de gosto pessoal, acrescentar um pouco mais);
-1cs de conhaque;
-1 cc de essência de baunilha;
-Raspas de limão;
-Uma pitada de sal;Outro ingrediente indispensável: boa música! No caso: Marina de La Riva, no cd player. (Vocês acabaram de testemunhar, os últimos suspiros deste aparelhinho. Acho, que Marina de La Riva foi muita emoção…) Modo de fazer: bata a manteiga junto com o açúcar, até ficar esbranquiçado. Acrescente as gemas peneiradas, uma a uma, formando um creme branco e leve. Misture as essências: conhaque, baunilha e raspas de limão.
Peneire os ingredientes secos: trigo, amido de milho, fermento e bicarbonato. Acrescente ao creme batido, aos poucos, incorporando-os. Não misture tudo de uma vez. Sobrou um pouco do amido, mas a massa já estava no ponto de abrir, sem grudar nas mãos: Dá pra sentir a textura?Polvilhe o granito com um pouco do amido que sobrou, divida a massa e abra-a com um rolo, até uma espessura de o,5cm. Se quiser fazer bossa, pra que tudo fique numa espessura igual, abra a massa entre 2 réguas de vidro:Com um cortador de biscoito pequeno, corte os biscoitos. Para que não se quebrem ao serem retirados, ajude a desprendê-los com uma ponta de espátula, ou com uma faquinha: Acomode-os delicadamente em uma forma, sem untá-la. Leve-os ao forno pré-aquecido, 180°a 200°C, por aproximadamente 10´. Preste muita atenção nessa hora, pra não deixar os biscoitos corarem. Eles devem sair do forno, ainda branquinhos. Pense que são seus filhinhos na praia, num dia de verão ensolarado. Não pode descuidar e deixar que tostem ao Sol, né?
Agora, o trabalho mais delicado: retirá-los da forma, espalhar doce de leite e grudar um outro por cima, como se fosse um sanduichinho. Lembre-se que são biscoitos muito frágeis, como bebês recém-nascidos, e não podem ser apertados, jogados, amassados:
Ideia para presente: acomodá-los numa latinha de alumínio com tampa, colar um tecidinho por fora, amarrar uma fita bonita.
Agrados…Agrade!
Em tempo: a Carmem lembrou com saudade, dos biscoitos tradicionais dos “nuestros hermanos” ! Lembrando que se pode espalhar o doce de leite pela lateral e “mergulhá-los” no côco ralado. Ou então, dá-lhes um banho de chocolate. Perdição das dietas…

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *